Resenhas

Vício em cinema, gosto por doramas, paixão por animes e aquela quedinha pelo teatro.

Benjamin Button e O Leitor

O Curioso Caso de Benjamin Button
Sinopse-“” “Eu nasci em circunstâncias incomuns.”Assim começa O Curioso Caso de Benjamin Button, adaptação do romance de 1920 de F. Scott Fitzgerald sobre um homem que nasce com oitenta e poucos anos e rejuvenesce a cada dia que passa. Um homem, como qualquer um de nós, que não pode parar o tempo. A partir da Nova Orleans do final da I Guerra Mundial, em 1918, adentrando o século XXI, o filme percorre uma jornada tão incomum quanto pode ser a da vida de qualquer pessoa, através da grandiosa história de um homem nem tão comum assim, das pessoas e lugares que ele descobre ao longo do caminho, dos amores que encontra, dos que perde, das alegrias da vida e das tristezas da morte e do que permanece além do tempo.”

O que gostei – Efeitos especiais bem legais, a história é boa, a cena da Cate Blanchett dançando balé de noite foi linda.
O que NÃO gostei – Demora muito, a personagem da Cate Blanchett na minha opinião é muito tosca, fiquei com raiva dela no meio do filme.

O Leitor
Sinopse-
“Um adolescente se apaixona por uma mulher mais velha e vive intenso romance. De uma hora para outra, ela some de sua vida. Cerca de oito anos depois, ele reencontra essa parte de seu passado ao participar de um polêmico julgamento de crimes cometidos pelos nazistas na segunda grande guerra.”

O que gostei – Da pequena mensagem que a personagem de Kate Winslet passa, a cena quase no fim do filme de um campo de concentração, que faz agente refletir a loucura de um certo “Adolfo”.
O que NÃO gostei – Muitas cenas de nudez e demora pra passar o filme.

The Big Bang Theory

“Our whole universe was in a hot dense state,
Then nearly fourteen billion years ago expansion started, wait…
The Earth began to cool,
The autotrophs began to drool,
Neanderthals developed tools,
We built a wall (we built the pyramids),
Math, science, history, unravelling the mysteries,
That all started with the big bang!”

Minha nova série digna de vício se chama “The Big Bang Theory”. Tudo começa quando Penny chega ao seu novo apartamento e seus vizinhos resolvem dar boas vindas. A partir daí ela vai entrar em um mundo de Halo, quadrinhos e muuuita física, já que seus vizinhos Leonard, o mais normal dos nerds, e Sheldon, o egocêntrico gênio que fez mestrado aos 14 anos, são dois físicos teóricos, e têm amigos bem estranhos: Raj, um indiano que não consegue falar com mulheres, e Wolowits que só pensa em mulheres apesar de ainda morar com sua mãe.
The Bing Bang Theory é uma comédia geek, criada por Chuck Lorre, mesmo criador de “Two and a Half Men”, cheia de risadas!!

Sete Vidas

Ontem assisti ao filme “Sete Vidas”, com Will Smith, dirigido por Gabriele Muccino, o mesmo italiano que dirigiu “A Procura da Felicidade”, também com Smith. Se forem assistir, levem suas caixinhas de lenço. Chorei rios (tá é uma hipérbole, mas foi quase isso).

O filme começa bem confuso, nos primeiros trinta minutos de filme eu estava mais que boiando, mas do nada tudo começa a se encaixar: Ben Thomas é um fiscal da Receita Federal que está a procura de 7 pessoas boas para ajudar. Tudo corre bem até que Ben conheçe Emily Posa, uma tipógrafa que tem problemas cardíacos. Ela custa a confiar que ele só deseja ajudá-la, e quando percebe, a coisa toma rumos bem diferentes do que ela imaginava.
Como li no Omelete: “nos últimos minutos, você vai ficar torcendo para que sua inteligência tenha te deixado na mão e tudo aquilo que você imagina que vai acontecer não se concretize. De novo, pegue sua caixa de lenço de papel. Mas fique alerta, pois o choro também pode ser de raiva e/ou incredulidade.” O que é a mais pura verdade, mas o meu choro foi de tristeza.