Resenhas

Vício em cinema, gosto por doramas, paixão por animes e aquela quedinha pelo teatro.

Leituras: A Dança dos Dragões | George R. R. Martin

A Dança dos Dragões

Ilustração da capa do livro, onde um dração enorme e negro encara a pequena Daenerys em meio a um mar de pessoas que assiste da arquibancada

Sinopse

O Norte jaz devastado e num completo vazio de poder. A Patrulha da Noite, abalada pelas perdas sofridas para lá da Muralha e com uma grande falta de homens, está nas mãos de Jon Snow, que tenta afirmar-se no comando tomando decisões difíceis respeitantes ao autoritário Rei Stannis, aos selvagens e aos próprios homens que comanda. Para lá da Muralha, a viagem de Bran prossegue. Mas outras viagens convergem para a Baía dos Escravos, onde as cidades dos esclavagistas sangram e Daenerys Targaryen descobre que é mais fácil conquistar uma cidade que substituir de um dia para o outro todo um sistema político e económico. Conseguirá ela enfrentar as intrigas e ódios que se avolumam enquanto os seus dragões crescem para se tornarem nas criaturas temíveis que um dia conquistarão os Sete Reinos?

Sou de câncer, sou dramática

Eu já havia lido os outros volumes d’As Crônicas de Gelo e Fogo havia um bom tempo. Lembro de carregar esses livros enormes pra lá e pra cá quando comecei a trabalhar logo depois de formada. Gramatura horrenda mesmo, que deixa o livro gigante e pesado de se carregar, aliás.

Pra resolver o problema, arrumei um e-book deste quinto volume para ficar mais fácil o que não adiantou muito, já que demorei mais de dois anos pra terminá-lo. Achei que era algum tipo de maldição, praga, carma, qualquer azaração possível porque eu não conseguia engrenar na leitura dele. Li até outros livros no meio do caminho, mas ele sempre ficava pra trás. Então resolvi que esse ano eu tinha que terminar! Nem que fosse de outra maneira. E pá! Foi lembrar da existência de audiobooks e fui salva.

Achei um link na internet com o livro todo em áudio e colocava o bendito pra tocar enquanto estudava desenho. Foi minha salvação. Em pouco mais de uma semana terminei o livro, que só ficou interessante mesmo lá pro final.

O que achei

Capa do livroTive que reler o começo várias vezes, e como ele é arrastado. A gente vai passando pela vida em Westeros, Muralha… e nada parece que vai acontecer. Quando acontece você está lá pro final do livro, mais especificamente lá para a página 800 e qualquer coisa e então o circo começa a pegar fogo! Se você viu a última temporada da série, sabe o que eu tô falando.

Não sei se foi por conta de ter ouvido a passagem, mas a cena de Cersei Lannister respondendo pelos pecados dela foi emocionante, forte, bem como me lembrava na série, mas como temos os pensamentos dela descritos no livro a coisa fica melhor a cada passo que ela dá. Pra mim a melhor passagem deste volume.

No todo vemos todo o tabuleiro se mexendo para quem sabe coisas mais emocionantes num próximo livro. Diz a lenda que serão sete, então imagino o sexto sendo mais enrolado ainda ao me ver, principalmente se for tão grande. Fiquei na dúvida se o sexto livro vai seguir a mesma linha da série, que aliás seria bem interessante, pois alguns personagens tem os destinos mudados, e eu acho que a solução da HBO foi bem legal.

No geral, apesar de achar o começo bem massante, a historia me prendeu novamente e eu fiquei realmente desejando o próximo livro. Enquanto o sexto livro não sai, para meu alívio, já que demorei tanto esse, vou aproveitar e devorar vários!

Você já teve um livro desse, encantado, que você nunca acaba? Já leu este? Conta aí nos comentários!

Sinopse do Skoob.

Material: Pestilento – Aquarela

Pestilento, produtos para arte.

Foto de duas bisnaguinhas de tinta Pestilento e um godê com as duas tintas abaixo.

Quem é?

A Pestilento é uma loja de produtos para arte feitos artesanalmente. Sim você não leu errado, eles fazem os produtos que eles vendem, até as tintas!

Conheci a loja por conta da Carol Passos, que além de uma artista maravilhosa, é a “mamãe” da marca. Como seguia ela no Instagram, logo vi os materiais da loja aparecendo.

Ela e o calígrafo Go Carvalho resolveram criar a marca para poder fazer materiais de qualidade e com preços mais acessíveis para o país, já que a maioria dos materiais é importado, o que dificulta o acesso, e o preço sempre mais salgado. Surgiu então a Pestilento, que tem este nome devido ao gato que eles tinham.

Teste em papel com as cores Yogurte e Vanilla da Pestilento.

Aquarelas

Quando bati o olho na Vanilla eu tive um pequeno surto. Uma tinta que muda de cor e fica furtacor de acordo com a luz? Eu precisava testar isso! Então juntei moedinhas e fiz meu pedido dessa cor maravilhosa e da Yogurte, já que meu rosa está indo pro beleléu. Paguei por depósito e logo me enviaram, rapidinho!

Mal ela chegou e lá fui eu testar e ver como elas reagiam. A Yogurte tem uma boa transparência e pra mim rendeu super bem. A Vanilla tem a mesma texturinha e deixa um efeito magnífico. Eu fiquei sem ar. Você pode ver mais aplicações dessa tinta no papel de parede de abril aqui do blog, que usei ela nos cabelos da sereia. Simplesmente minha preferida.

Teste em papel com a cor Vanilla da Pestilento, em cima de outras cores.

Mais coisas lindas

Agora estou namorando as metalizadas em conchinhas (você leu certo, as tintas vem em conchas), como a Klimt e a Tengu, cores lindíssimas e que já vi que devem ser tão boas quanto. E as fluorescentes Chernobyl e Fukushima, que tem um tom bem chamativo, coisa linda de ver.

Tinta Tengu numa conchinha e kit de aquarelas fluorescentes

Em breve eles vão contar com outros tipos de tinta, e você encontra materiais como godê, estojos e outros mais lá na loja. Já conhecia?

Para mais informações acesse:
Loja on-line | Facebook | Instagram

HQ: Yowiya | Hiro Kawahara

Conheça Yowiya, de Hiro Kawahara

Capa da HQ Yowiya de Hiro Kawahara. Na frente temos Kipky, em amarelo, logo atrás Manon, toda em azul com as letras do título da HQ na frente. Atrás dela, bem ao fundo da composição,  Yowiya.

O Projeto

Esta HQ independente feita por Hiro Kawahara foi para o Catarse ano passado e tive o prazer de ajudá-la a vir à vida. Sou fã do Hiro desde que juntava e colecionava as lâminas das bandejas do Mc Donald’s e a admiração só aumentou quando fiz um workshop com ele há uns anos atrás.

Junto desta HQ veio o Maravilhoso, que já falei por aqui no blog.

A História

Yowiya é um deus que era adorado pelos macacos, mas com a evolução e a massificação do homem na terra, ele deixa de ser adorado, até que Kipky por algum motivo o desperta. Ele agora quer ser adorado pelos humanos, mas o que ele fará pra que isso aconteça?

Para ajudar Kipky nesta aventura temos a personagem de Manon, uma modelo que foi brutalmente assassinada e tem seu corpo astral andando pela terra.

Página mostrando Kipky e Manon andando lado a lado na rua

Sobre o quadrinho

Apesar de contar com 86 páginas, eu senti que a história tinha espaço pra muito mais coisa. A morte de Manon fica pairando no ar, apesar de ser mencionada por várias vezes e dando a entender que ela era importante para o que ia acontecer. Acho que seria legal ter abordado um pouco mais da própria Kipky, que é a personagem principal. Em alguns momentos dá a entender que ela tem alguma doença, mas nunca diz qual.

Adorei a maneira que o Hiro achou pra homenagear pessoas que ele admira, colocando artes espalhadas por todo o quadrinho. E falando em desenho, Hiro arrasou. Principalmente na parte dos macacos, eu fiquei olhando o maior tempão para a página tentando imaginar aquilo tudo acontecendo. Foi muito doido e grandioso e achei que ele conseguiu mesmo passar aquele sentimento.

No geral gostei muito da história, entendi que tem um limite de páginas e que por isso muita coisa pode ter sido deixada de fora para um próximo volume, quem sabe. Seria interessante ter mais um para fechar isso e nos explicar algumas coisas, mas o que me deixou bem chocada foi a maneira que Kipky “destrói” Yowiya. Achei BEM bizarro, mas depois de ler Maravilhoso acho que meio que aceitei. Mesmo assim pareceu bem forte e teria cuidado em indicar a HQ por ai, pois me passou um pouco uma sensação de estupro e não sei, só sei que foi assim.

Cena do quadrinho mostrando coisas caindo de um penhasco

E você, já leu essa HQ? O que achou? Conta aí nos comentários!

Os Últimos Filmes Que Assisti #12

Opinião dos últimos cinco filmes que assisti, curtas e diretas. Hoje temos “Logan”, “A Qualquer Custo”, “A Bela e a Fera”, “Ghost in The Shell” e “Divergente”.

Últimos Cinco filmes: Cartazes dos filmes: Logan, A Qualquer Custo e A Bela e a Fera.

Logan (2017)

Rating: ★★★★★ Em 2029, Logan (Hugh Jackman) ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do nonagenário Charles Xavier (Patrick Stewart). Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela (Elizabeth Rodriguez), uma mexicana que precisa da ajuda do ex-X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 (Dafne Keen). Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce (Boyd Holbrook), interessado na menina.

Meu super-heróis preferido, meu ator mais amado em um filme maravilhoso! Eu fiquei emocionada, chorei, vibrei e finalmente fiquei feliz por ter visto um filme que fizesse jus ao meu personagem preferido dos X-men. Dafne Keen está apaixonante e aterrorizante no papel de Laura e mandou tão bem que já vejo continuações com a personagem que cativou a todos que assistiram o filme. Uma despedida e tanto para Hugh Jackman que deixa o papel de Wolverine.

A Qualquer Custo (2016)

Rating: ★★★★★Interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tanner (Ben Foster) são irmãos que, pressionados pela proximidade da hipoteca da fazenda da família, resolvem assaltar bancos para obter a quantia necessária ao pagamento. Com um detalhe: eles apenas roubam agências do próprio banco que está cobrando a hipoteca. Só que, no caminho, eles precisam lidar com um delegado veterano (Jeff Bridges), que está prestes a se aposentar.

Mais um concorrente de melhor filme no Oscar de 2017 que eu assisti e gostei bastante. Chis Pine está bem diferente no papel de Toby, pelo menos pra mim, e me surpreendeu bem no longa. Você entende aos poucos as motivações dos protagonistas (que são antagonistas também por assim dizer) e vai ficando sem saber por quem torcer. Você meio que vai entendendo pra onde o filme te leva, mas quer acompanhar a jornada desses irmãos por lugares de terra vermelha e bancos para assaltar.

A Bela e a Fera (2017)

Rating: ★★★☆☆Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela (Emma Watson) tem o pai capturado pela Fera (Dan Stevens) e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade dele. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

Se eu disser que não gostei é mentira, mas podia ter sido melhor Disney. O que mais faltou pra mim foram pausas dramáticas. Por exemplo: Bela na masmorra com o pai, Fera chega, conversa vai, conversa vem e ela diz: “venha para a luz”. Não tem drama, Fera aparece e PA PUM tá Bela presa. Cadê esses momentos que a gente fica tenso? Eu já vi o desenho? Já vi, mas e quem não viu? E as crianças? Queria mais esse ar de suspense, esse respiro. E o que foram as telas pretas entre as cenas? Edição bem ruinzinha ao meu ver. A coisa tem que fluir e não ser cortada, não se o filme vai fluindo e PÁ, corte. Bem, fora isso, cenários deslumbrantes, Emma lacrando e músicas fofas como sempre.

Últimos Cinco filmes: Imagens dos filmes Ghost in The Shell, de 1995, e Divergente.

Ghost in The Shell (1995)

Rating: ★★★☆☆2029. O mundo se tornou um local altamente informatizado, a ponto dos seres humanos poderem acessar extensas redes de informações com seu ciber-cérebros. A agente cibernética Major Motoko é a líder da unidade de serviço secreto Esquadrão Shell, que combate o crime. Motoko foi tão modificada que quase todo seu corpo já é robótico. De humano só teria sobrado um “fantasma de si mesma”. O governo informa o grupo de que o famoso hacker conhecido “Mestre das marionetes”, especialista em invadir e controlar o ciber-cérebro das pessoas, está no Japão. Agora, Motoko e sua equipe terão que caçar este criminoso, e vão acabar se envolvendo em uma trama de conspirações, que atinge interesses da alta cópula da política.

Resolvi assistir o anime antes de ver o filme (que até agora não consegui assistir), e achei bem interessante. O legal de alguns animes é que a coisa começa pegando e você tem que meio que entender o bonde andando, isso é muito legal! Aos poucos você entende o mundo que está, a realidade que acontece e percebe o tanto de questões que esta história joga pra você. Uma pessoa com partes robóticas pode ser considerada pessoa? Uma inteligência artificial é um ser vivo? Fica ai as discussões.

Divergente (2014)

Rating: ★★★☆☆Na futurística Chicago, quando a adolescente Beatrice (Shailene Woodley) completa 16 anos ela tem que escolher entre as diferentes facções que a cidade está dividida. Elas são cinco e cada uma representa um valor diferente, como honestidade, generosidade e coragem. Beatrice surpreende a todos e até a si mesma quando decide pela facção dos destemidos, diferente da família. Ao entrar para a Audácia ela torna-se Tris e entra numa jornada para afastar seus medos e descobrir quem é de verdade. Além disso conhece Quatro (Theo James), rapaz experiente que consegue intrigá-la e encantá-la ao mesmo tempo.

Já fui sabendo que o filme era uma pegada mais jovem pois a história vem de um YA Book (Young Adult Book, livros para adolescente), mas não imaginei que tanta coisa ia me deixar incomodada.Algumas cenas de ação são bem fracas, outras coisas são postergadas, já que existem outros filmes, mas no geral é um bom filme pra se ver numa tarde de preguiça. Várias pegadas de “Admirável Mundo Novo” e até “3%”, mas claro de uma ótica um pouco mais adolescente.

E vocês o que tem assistido? Alguma dica?