Indicação

Aplicativos, dicas pra concertar algo ou algum gadget bacana.

Meme: Internet Old School

“Todo mundo tem aquela lembrança dos primeiros sites que entrou, as primeiras amizades que fez, o primeiro endereço de e-mail, a primeira mensagem virtual que mandou. Esse post é para você relembrar os velhos tempos de Internet discada, elegendo seus sites e atividades favoritas na Internet antes das redes sociais.Oferecimento Rotaroots.

meme_internet_1Sokoban e Ski Free

Lembro até hoje meu primeiro contato com um computador. Um bichinho com Windows 3.11. que minha tia avó comprou e deixava eu e meu irmão jogarmos Sokoban e Ski Free. Sei que de repente na minha cabeça vem na memória o barulhinho do modem, aquele agudinho que trazia a felicidade pra uma criança que ia descobrir o mundo. Eu e meu irmão tínhamos das 14h até as 18h de sábado, horário que permitia um impulso do telefone, pra brincar na internet. Duas horas pra cada um fazer o que quiser na internet “super rápida” de mil novecentos e noventa-e-qualquer-coisa. No começo eu ficava mais no ICQ e explorava o site da Disney, que tinha muitas atividades bacanas, fazia calendários dos personagens pra colar na agenda e marcar aniversário das pessoas, jogava coisinhas em flash. Basicamente uma usuária comum que quase não entendia o poder do que tinha nas mãos.

chocotoneEu fazia gifs.

Um dia minha mãe chegou com a novidade em casa: a escola que ela trabalhava queria que cada professor tivesse seu próprio hotsite dentro do sistema deles. Ela pediu ajuda pra mim e pro meu irmão e foi aí que tudo mudou. Existia um assistente pra montar o layout do tal hotsite, mas mexendo um pouco naquilo eu descobri que tinha uma aba escrita HTML e que quando eu mexia alí, as coisas mudavam na página de visual. Olha que bacana! Contei pro irmão que logo descobriu que aquilo era uma linguagem de programação e BUM! Estávamos os dois, eu com 13 e ele com 11 eu acho, a criar sites no HPG, o extinto site de hospedagem grátis. Foi aí que surgiu o Zonko`s, meu sitezinho de notícias e testes de Harry Potter, que depois virou Incantatem. Com a criação dele, descobri o tal Photoshop e aprendi a editar imagens, fazer efeitos e programar um pouquinho de HTML, tudo que eu precisava pra deixar o meu site bem legal. Aí surgiu o Chocottone! Na época, Chocotone, meu blog de desabafos e histórinhas bestas de adolescente. Estava lendo ele esses dias pelo WayBack Machine e morri de vergonha de mim.

meme_internet_2

Com a internet eu conheci muita gente que ainda mantenho contato graças ao Facebook. Muita gente legal no grupo de discussões de Senhor dos Anéis, o Pônei Saltitante, as histórias que a gente inventava eram demais de divertidas! Eu e meu irmão ríamos sem parar lendo as guerras e as aventuras daquele pessoal todo. Sem contar o Caverna-BR, grupo de Caverna do Dragão com o mesmo jeitinho da Pônei. Conheci o Maurício Alves, que hoje tem uma produtora de teatro no Rio, a Cerejeira Produções. A gente trocava cartas e mensagens mil, era bem divertido! Tenho tudo guardadinho até hoje. Acho que esta é uma das coisas mais bacanas da internet: conhecer gente que você nunca conheceria. E aqui posso inserir histórias de amor de gente que conheço e hoje tem família linda por causa da internet, amigo que falei depois de muito tempo e pude participar de podcasts e do site, além de ser convidada pro casamento, olha que honra! É tanta gente linda que nem dá pra falar aqui.

Foram muitas coisas bacanas que aconteceram nos meus primórdios da internet, muita gente bacana e muito aprendizad, que me ajudaram a escolher a profissão que tenho hoje, bacana né? E que venham novas eras de internet!

Evento: Fábrica de Startups – São Paulo

fabrica_startups_1

No último domingo, fui com o namorado para um evento em São Paulo bem diferente do que costumamos ir e bem bacana pra se conhecer. Organizado pela UpaLupa, o evento Fábrica de Startups era feito para mulheres, principalmente mães, e por mulheres, que tem vontade de empreender. 30% das inscrições poderiam ser de homens também, mas o foco era na mulherada, cheia de ideia e força de vontade. A mecânica do evento era simples, pegar uma ideia e trabalhá-la o fim de semana todo (contava a madrugada também) para que saísse de lá praticamente pronta pra colocar pra funcionar. Com ajuda de profissionais super competentes de diversas áreas, que eram mentores, os projetos e ideias iam tomando forma e a cabeça queimava.

Apesar de parecer simples, achei bem complicado esse conceito todo das ideias serem colocadas em prática em apenas dois dias, a cabeça coça e você fica doido, mas conheci muita gente bacana e ainda dormi em uma sala de aula hehehe. Este foi o primeiro evento organizado pelo pessoal, todo de maneira colaborativa e acreditem, de graça! Muito conteúdo relevante pra quem está interessado e muita gente legal. Não consegui ficar até o final de tudo, pois o evento era das 8h da manhã de sábado até as 20h de domingo e precisei resolver algumas coisas, mas posso dizer que foi uma experiência válida e com muitos aprendizados.

Fiquem de olho para os próximos eventos!

fabrica_startup_1
Pessoal mandando ver nas ideias.

fabrica_startup_2Eu e o namorado queimando a cuca.

fabrica_startup_3Eu, descobrindo que sou besta demais pra falar sobre isso.

Evento:Campus Party 2014


Foto do site da Campus

Lá se foi a Campus Party 2014. Campuseiros do Brasil todo voltam pra suas casas com aquele sentimento de saudade e cheios de bagagem física, intelectual e memórias pra contar. Depois de passar quatro dias acampada no meio de tanta gente diferente, eu TINHA que fazer um post gigante, cheio de informação pra quem não foi e recordações pra quem está com saudade.

PALESTRAS E CONTEÚDO

Algumas pessoas reclamaram que este ano o evento foi “pop demais”, com poucas palestras dobre tecnologia e segurança. Mas pra mim esteve tudo muito bom, conteúdos bem bacanas de user experience, design, mídias sociais, coaching e empreendedorismo. Aproveitei bastante todos os dias, mas também me diverti nos estandes da Open Campus, a parte que é de entrada gratuita. Joguei Just Dance no da Submarino, de longe o mais movimentado de todos de lá, além de acompanhar algumas lutas de robôs. A parte de start ups estava cheia de ideias muito legais e achei muito interessante saber que no Brasil tem tanta ideia boa.

CAMPING

Nunca havia acampado antes e confesso que estava preocupada em como tudo ficaria, mas foi legal DEMAIS. Por incrível que pareça, foi mais divertido do que parecia que ia ser. Tirando o desconforto do espaço pequeno, achei aconchegante a barraquinha. Os banheiros estavam sempre com papel e mais limpos que muito banheiro de bar/balada que vamos por aí, então estava bem tranquilo. Tinha banho quente nos chuveiros sim, descobri depois de 2 dias, mas tá bom. Mas pro fim da semana os chuveiros estavam ficando BEM sujos. Muito cabelo, meninas largavam embalagens de produto, giletes, sabonetes, tudo pra trás, custava jogar no lixo? Tem que ser bom de yoga pra se contorcer e tomar banho por lá e ainda equilibrar as roupas e produtos pra nada cair no chão. Mas considerando que eram 3 mil pessoas acampadas, achei que tudo foi bem aceitável.

OS TAIS BRINDES

Quem vai pra Campus Party sabe que as empresas fazem VÁRIAS ações lá dentro pra distribuição de brindes, mas tem gente que chega a ser freak demais. Não perdi nenhum conteúdo pra ganhar brinde, vim pra casa com pouca coisa, afinal, caneta, bloquinho e camiseta feia eu não quero não. Ganhei até que bastante coisinha, como bottons, chaveirinho fofo do Submarino, descontos em passagens aéreas, balinhas da Fini da Azul e um pendrive lindão do SEBRAE, um dos estandes mais bacanas da CP, com ações e palestras específicas pra quem quer abrir um negócio. Eu mesma montei um CANVAS, sistema pra montar um plano de negócios, e adorei!

TRANSFER

A organização do evento contava com ônibus de graça pra quem saia ou ia para o Terminal Rodoviário do Tietê. Quando fui não precisei, mas no sábado eu fui fazer um curso na Quanta Academia de Artes (breve por aqui) e queria voltar com o tal ônibus, mas no terminal ninguém sabia avisar sobre onde pegar, meu 3G morreu e não tinha banner/placa/gente pra informar e acabei pegando um taxi pra voltar.


Cosplayer de LoL pirando no cabelo.

FURTOS E SEGURANÇA

Vi em alguns jornais falando de furtos na Campus, a maioria na área Open, mas tenho que relatar o que vi: uma menina deixou as coisas dela no chão ao lado do palco onde rolava o game Just Dance e foi dançar. Ela voltou e descobriu que a câmera havia sumido, procurou desesperada pela câmera, perguntou se alguém que estava ali do lado tinha visto, mas infelizmente, ficou sem. Vi ela triste em um sofá lá dentro depois. Assim, não largue NADA seu por ai sem olhar, ou peça pra alguém do estande dar uma olhadinha, né? Ela simplesmente largou ali e foi embora, aí fica complicado.

Pra entrar e sair do evento, bolsas e mochilas passavam no raio-X. Notes tinham que ser cadastrados e só apresentando ele e conferindo o dono é que você podia sair.


Credencial com foto velha.

COMIDA E CATERING

O serviço de catering estava disponível pra quem quisesse comprar café, almoço e janta para todos os dias do evento. Mesmo não indo todos os dias, eu fiz as contas e achei que ia compensar mesmo assim comprar o pacote, então lá fui eu. A comida estava gostosinha sim, pouca variedade claro, mas sem cara de ser feita com amor, se é que vocês me entendem. Achei o café da manhã beeeeem pobrinho, o tamanho do pão que ganhei em um dos dias dava vontade de rir, assim como a pêra verde. Lá dentro também tinha bastante lugar pra comer e em um dos dias resolvi jantar uma pizza.

RESUMÃO

Valeu centavo que paguei pra entrar e dormir na Campus, conheci muita gente do país todos e ainda pude pegar autógrafos e conhecer pessoas que eu sigo e adoro da internet, como a Anne Rego, fofinha que eu sempre troquei ideia no twitter e na internet e que pude conhecer pessoalmente lá.

Aliás, queria agradecer a cada um deles, Alexandre Ottoni, Deive Pazos e Sr. K (qual será o nome dele) do Jovem Nerd, Beto Estrada, Diogo Braga e Affonso Solano do MRG, Rodrigo Fernandes do Jacaré Banguela, Bruna Vieira do Depois dos Quinze, Maurício Saldanha (adorei a conversa ^^), Fábio Yabu, Rodrigo Tucano da Maravilhosa Cozinha de Jack, Tato Tarcan e Prof. Maury do Rede Geek, Cauê Moura do Desce a Letra, Irmãos Piologo, os ilustradores Vitor e Lu Cafaggi, Gustavo Duarte e Danilo Beiruth e até a Lully do Lully de Verdade que me aturou no twitter e mesmo assim não consegui ver. Sou mais fã de vocês todos agora!

Alguns vídeos que fiz por lá pelo Instagram. Quer ver mais fotos e vídeos? Vai lá.

Campus Party 7 – Eu vou!

Desde a primeira Campus Party, em 2007, que morro de vontade de ir neste evento. Além de falar sobre tecnologia, lá a gente também pode encontrar muitas coisas sobre mídias sociais, blogs, design e empreendedorismo. Muito mais que um evento nerd, ele é um evento pra gente pró-ativa que quer melhora, aprender e conhecer muita gente bacana e legal, claro que tem os malucos que jogam todos os dias e vão pra não dormir, mas aí cada um faz o que é melhor, né? Este ano finalmente consegui tempo (obrigada ao chefe) e dinheiro pra poder comparecer em um dos eventos mais bacanudos que temos por aqui (assim espero).

Pra quem ainda não saiu para a Campus, eles disponibilizaram ontem o Guia do Campuseiro, onde você encontra informações bem úteis pra quem vai. Algumas das recomendações:

dicas_cpbr7

Agora é torcer pra tudo ser totalmente massa e ainda tentar uns autógrafos e fotos com pessoal da internet. Me sigam no twitter (@merylliel) e no intagram (mesmo @) pra ir acompanhando as fotos e as twitações. Chego na Campus entre terça e quarta, então, se estiver alguém que lê o Chocottone por lá e quiser dar um “oi”, tamos aí.

Ilustrações das dicas: euzinha.