Isso ae pessoal, para essa semana ao invés de um longa metragem iremos comentar um pouco dessa série de animação japonesa: “HighSchool of the Dead”.


Particularmente nunca fui muito fã dessa onda de filmes de zumbis e tudo o mais, o máximo que curti foram alguns games da franquia “Resident Evil”… por assim dizer. Mas enfim, resolvi arriscar e não me arrependi. A trama gira em torno de um grupo de alunos do 2º Grau que terão que sobreviver em meio a um surto de zumbis que atinge, inicialmente, sua escola e descobrem que esse mal se alastrou por toda a cidade. São apresentadas, explicitamente, muitas referencias sobre games e filmes do assunto por parte do protagonista Takashi, em suas falas, como a clássica de que se é mordido você tornar-se-á um zumbi também, algo que acontece com o seu melhor amigo e ele acaba tendo que estourar o crânio do camarada ao final do episódio 1.


Takashi
é o garoto que presencia quando o 1º zumbi chega a escola e tenta entender o que está acontecendo; Rei é sua paixão de infância e praticante do clube de lança; Saya é amiga desde o maternal de Takashi, uma garota gênio; Saeko é a senpai dos jovens, ela domina técnicas de espada e está na maior parte do tempo séria; Kohta é o gordinho nerds que é zoado por todos, porém perito em armas; e Shizuka é a enfermeira bonitona da escola, e a personagem destrambelhada de plantão; e Alice e Zeke são sobreviventes que o grupo encontra durante a empreitada.


A peregrinação dos estudantes, que acabam se reunindo meio que ao acaso, apresenta que terão que se preocupar não apenas com os monstros que assolam a cidade, mas com os demais sobreviventes na cidade. Série de tumultos, rebeliões, caos na Terra, dentre muitas situações de anarquia e mostrando como cada um acaba mudando sua natureza em meio a esse cenário apocalíptico.


O objetivo dos jovens é encontrar suas respectivas famílias, e dessa forma percebem que juntos terão mais chances de sobreviver ao invés de cada um seguindo por si. Esse ponto da amizade é algo que achei bem bacana, visto que quando se separam num dado momento, não pensam em deixar o camarada pra trás, mas sim em como se reencontrarem em outro local. Assim como questões de valores que os mantém juntos, mesmo perante, mais tarde a presença de adultos, e militares, que menosprezam eles por serem jovens e que deviam esquecer tudo isso. E no final mostrando que, infelizmente, nessa luta todos devem enfrentar juntos esse desastre em comum.


Em tempo, como alguns animes H.O.T.D. possuí diversas cenas de fan-service (na verdade até em demasia), o que associado ao tema de filmes de mortos-vivos – que também fazem uso de cenas dessas características, que nunca vi muito sentido – acabam sendo bastante exageradas e desconfortantes, mas enfim, o restante se salva. A trilha sonora composta por Wada Takafumi gera todo o clima adequado ao suspense da série, recomendo.


H.O.T. D. é baseado num mangá, que foi lançado em 2007 e ainda está sendo públicado… No Brasil é distribuído pela Panini (apesar de não achar nenhum a venda). A série possuí 12 episódios, o que da pra se assistir numa maratona, e tem um ova com 1 episódio que foi lançado em blu-ray acompanhando o volume 7 do mangá, entítulado como “Drifters of the Dead”, lançado em abril desse ano, no Japão. Não acrescenta muito na trama e bastante apelativo, infelizmente.


Enfim… dica para o final de semana.
Desculpem ficar devendo uma sugestão semana passado, mas é #TCC na cabeça… então acho que nem preciso terminar a frase, né? XD

Logo mais tem mais.
Ateh!

Você também pode gostar desses

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *