Sketchbook Mochileiro – Mulheres desenhando pelo Brasil

Mulheres desenhando pelo Brasil

Capa escrita Sketchbook Mochileiro com mapa da América do Sul atrás

O Projeto

A Isabella, uma mulher maravilhosa, focada, dedicada a estudar desenho como ninguém, convidou algumas ilustradoras para fazer pate deste projeto lindo e cheio de diversidade chamado Sketchbook Mochileiro, que consiste em um sketchbook viajando por todo país, passando pela mão de mulheres maravilhosas – e olha que sorte eu no meio! – para ilustrarem sobre o tema mulheres do Brasil.

Leia também: Meu sketchbook no Inktober 2017

O Processo

Queria fazer algo bem delicado, então comecei a pensar pelas thumbnails, que são rascunhos pequenininhos feitos rapidamente para saber se o movimento e a composição do desenho vão ficar bacanas. Ali eu já defino que posição eu quero as pessoas e como elas vão ficar dispostas.

Thumbnail, um rascunho bem tosco do desenho que será de três mulheres de mãos dadas
Thumbnail para começar a ideia

Depois passo para uma folha maior e já faço o desenho como quero que ele fique. Olho em algumas referências, se vejo que preciso, (pode ser foto ou outra ilustração de alguém por exemplo) se precisar resolver algum problema. Esta é a parte de dar a forma do desenho. Depois de pronto, uso uma folha de papel manteiga com grafite para passar tudo para o sketchbook.

Mesa com os rascunhos do desenho, o caderno com o desenho mais bem elaborado e ele já transpassado para o sketchbook

Depois passo para finalização. Neste caso escolhi aquarela – usei Winsor & Newton e Pestilento – lápis grafite e lápis de cor (Faber). Para o pontilhismo usei as Micron Sakura. Aproveitei a oportunidade e usei meus pincéis com reservatório de água que comprei ano passado.

Zoom em detalhes de uma das mulheres desenhadas. Aquarela, lápis de cor e pontilhismo

Desenho do sketchbook finalizado - três mulheres diferentes de mãos dadas em uma dançaDesenho finalizado

No final ficou super delicado e mostrou a parceria e a diversidade que eu queria passar entre mulheres. O que acharam?

Quer seguir? Saber mais?

Siga o Instagram e o Facebook do projeto para ver as artes de todas as participantes. Quem já foi: Kris Efe, Lidy Dutra, Fefe Torquato, Mika Takahashi e Thaly Tamura.

Curso: Fundamentos do Design de Personagens | Stephen Silver | Schoolism

Fundamentos do Design de Personagens com Stephen Silver

Sinopse do curso

Já um artista consolidado na área de animação, Stephen Silver é conhecido pelos seus designs únicos e animações como “Kim Possible”, “Danny Phantom” e muitos outros. Entre os clientes dele estão Disney, Warner Bros, Nickelodeon e Sony Pictures.

Como um designer de personagens, você é reponsável por explorar ideias atravez de personagens. Seu papel como criador será de criar personagens principais e incidentais para animações, filmes, vídeo games, além de criar personagens para suas próprias ideias.

Através deste curso, Stephen vai dividir o processo criativo de desenho que ele utiliza e suas técnicas pessoais para produzir desenhos de personagens de sucesso. Você aprenderá a entender a clareza e a variação de formas, assim como muitos outros princípios e elementos importantes do design.

Em suas palestras, Stephen fornecerá a você uma melhor compreensão do processo de desenho e design, além de fornecer ferramentas para melhorar constantemente suas habilidades. Este curso de 9 palestras aumentará a sua confiança no desenho, ao mesmo tempo que vai te inspirar com novas ideias que o ajudarão a crescer continuamente. Texto de Schoolism.

Primeiras anotações do curso de Stephen Silve do Schoolism

Primeiras anotações do curso de Stephen Silve do Schoolism
Anotações do curso.

O que achei do curso

De cara eu já achei que Stephen falava muito. Depois do curso com Alex Woo, que era bem direto, Stephen começou realmente a me irritar, mas continuei firme, aproveitando os momentos de falação para fazer exercícios.

Não por isso o curso é ruim, Stephen é um grande profissional e ao longo do curso mostra todo o processo criativo que ele utiliza para fazer os personagens dele. Enquanto isso os exercícios de quem faz o curso é a criação de um personagem. Nesta época eu comecei a me afastar um pouco do desenho, estudava diariamente sim – já conto o quê – mas não consegui me pegar aos exercícios que ele passava.

O que eu estudava era o “plano para melhorar seu desenho em 20 semanas” que o próprio Stephen passou. Consistia em estudar o corpo humano parte por parte e treinar caricaturas. Baixei muitas imagens, imprimi e usei todas para treinar tudo isso. Estes estudos me animaram bastante e me mantiveram motivada por bastante tempo. Enquanto isso acompanhava as aulas dele, fazendo estes estudos e aprendendo como ele trabalhava.

Descobri como caricaturar mulheres é complicado – principalmente achar foto de mulheres variadas – e como dá pra utilizar melhor formas na hora de criar personagens mais “cartoonescos”. Além disso me dediquei bem aos fundamentos e depois deste curso eu realmente senti uma grande melhora na qualidade dos meus desenhos. Apesar de ser m dos mais maçantes, ele foi realmente

Vários rostos e mulheres diferentes para treinar formas e expressões
Vários rostos e mulheres diferentes para treinar formas e expressões.

Expressões e rotação de cabeça
Expressões e rotação de cabeça, material do curso.


Rosto mais real, arredondado, triangular e quadrado.

Lições e exercícios

Lição 1 – O que é design de personagens?
Examinar o que é design de personagens e quais as suas responsabilidades como designer em um estúdio de animação. Stephen conta experiências, como começou e mostra influências.

Lição 2 – Pensando, olhando, fazendo.
“Sabendo os fundamentos e tudo mais, você vai subir”. Stephen fala dos fundamentos e responde as questões mais comuns. Fala sobre formas básicas, variação e a importância de boas silhuetas.

Lição 3 – Construção/Caricatura
Nesta aula ele fala da importância da construção. O que significa evitar a “escada” e começa a falar sobre caricatura. Examina assuntos como contraste, ângulos, formas e outros. É nesta aula que ele fala sobre o plano de 20 semanas.

Lição 4 – As características
Princípios e características, como mãos, olhos, narizes, orelhas e bocas.

Lição 5 – Limpando
Aqui ele fala sobre escala e proporção. Além disso ele mostra como limpar uma ilustração.

Lição 6 – Turnarounds
Os temidos turnarounds – reviravoltas – do personagens, que você deve saber se você quer trabalhar com animação.

Lição 7 – Expressões e Atitudes
Expressões e atitudes são o tópico desta aula. Ritmo, equilíbrio e movimento.

Lição 8 – Skecth de memória e como se manter desenhando em um sketchbook diariamente.
A importância de se desenhar em um sketchbook, o que você deve observar e porque isto vai te ajudar a crescer. Também fala sobre a importância do sketch de memória e o que esperar disso.

Lição 9 – O trabalho de arte e fazendo um portfólio de sucesso.
O lado dos negócios da arte, ser profissional, cumprir datas, evitar procrastinação e meios de simplificar a vida. Isto significa estar organizado e focado.

Estudos de olhos
Estudos de olhos.

Estudos de mãos
Estudos de mãos

Estudos de anatomia de gato
Estudos de anatomia de animais.

Onde e como faço este curso?

Expliquei neste post os valores e como funcionam os cursos do Schoolism.
Lembrando que todos são em Inglês.

Viagem: Trilha das Sete Praias | Ubatuba

A gostosa Trilha das Sete Praias em Ubatuba

Natureza é tudo de bom, né?

Mas quais são as sete praias?

Este passeio em Ubatuba passa pelas praias: Lagoinha, Oeste, Peres, Bonete, Deserta, Cedro e Fortaleza. Algumas excursões começam na Lagoinha, outras na Fortaleza. Eu e o noivo fizemoso percurso saindo da Lagoinha e fomos até a do Cedro. Quer saber por quê? Só continuar a leitura.

Trilha das Sete Praias.

Como foi o passeio?

Eu e o noivo resolvemos ir sozinhos depois e ler que o caminho era bem tranquilo e demarcado. Saímos de São José dos Campos bem cedinho e começamos a andar na praia da Lagoinha já pelas 8h da manhã. Nosso objetivo era andar até a sétima praia, um percurso de quase 10km.

Pra achar o começo da trilha foi só perguntar para alguns garis que estavam na praia e começar! A trilha para as primeiras praias são realmente muito tranquilas. Largas e com bastante espaço. Logo chega-se na praia Oeste, bem pequena, com um pouco de areia preta – adoro! – e que sim, já conta como segunda praia. Na terceira praia, a Peres, ainda é possível encontrar alguns bares, pois a trilha ainda é bem plana, o que facilita o acesso de mais pessoas.

De uma praia para a outra.

Chegando na praia do Bonete já começamos a ter mais natureza! Uma praia com uma boa faixa de areia e com um mar delicioso! Não por acaso foi a praia que escolhemos ficar para comer e curtir o dia depois de ir até a sexta praia.

Até a Deserta, quinta praia, a trilha segue bem, mas já começa a ficar mais complicada. Não é a toa que por isso ela já é uma praia mais vazia. Lá encontramos pessoas acampando,apesar de placas falando para que isso não fosse feito.

Para chegar na praia do Cedro, a coisa já complica. Boa subida e muito cuidado apesar de uma trilha bem marcada. Com isso temos uma vista linda do alto. De lá para a sétima praia, a Fortaleza, são mais 3km, mais ou menos uma hora de caminhada a mais. Por isso resolvemos parar ali, já que teríamos que voltar a trilha toda depois e dirigir até em casa. Retornamos para a praia do Bonete e ali comemos, curtimos o mar delicioso e fiquei desenhando as pessoas por ali.

Como fazer?

Tempo de passeio: Fizemos a ida até a sexta praia em 2 horas, parando, tirando fotos e curtindo bem. A volta fizemos em 50 minutos em um bom ritmo.

Quanto custa? Vai depender de como você vai pra lá, nós gastamos a gasolina e os pedágios do caminho.

O que levar? Câmera e /ou celular para registrar tudo. Água! Bastante água para hidratar, protetor solar e lanchinhos. Não esqueça um saquinho para colocar o lixo e não deixar nada na natureza e vá com uma roupa e tênis confortáveis!

Além de se aventurar sozinho pela trilha, você pode também ir com o pessoal da Ecovaletur, que já fizemos passeios antes como o snorkeling na Ilha das Couves, e sempre indico.

Evento: Feira Livre Grafia | Parque Vicentina Aranha | São José dos Campos

Feira Livre Grafia em São José dos Campos

Eu posando com minhas coisas na mesinha cheia de prints, roupas e adesivosMinha produção do primeiro dia foi: “Quero te agredir com tantas cores.”

O que é a Feira Livre Grafia?

É uma feira de arte impressa que surgiu na FLIM – Festa Litero Musical – de 2017. A FLIM é um evento que acontece dentro do Parque Vicentina Aranha em São José dos Campos, cidade onde moro atualmente, e conta com autores, artistas, cantores, escritores e muitos outros profissionais da arte escrita e visual para esta festa linda.

Nesta primeira edição de 2018, a Livre Grafia veio dentro do LabFLIM, um mini evento de dois dias que aconteceu no parque como um aquecimento para a FLIM que vai acontecer em setembro e mais uma vez pude fazer parte como ilustradora.

Pessoal aproveitando a feira no domingo de manhãPessoal passeando pela alameda cheia de artistas lindos!

Como foi?

Desta vez consegui me organizar melhor e levei mais prints e adesivos para a feira. Ficamos sábado (fim da tarde e noite) e domingo (de manhã) pelo parque e como já esperava, o público foi bem menor do que da outra vez, já que foi a primeira vez do evento fora da FLIM.

É a primeira vez que um evento assim acontece por aqui, então as pessoas ainda tem que se acostumar com esse tipo de feira e o propósito dela. Por isso espero que julho a coisa seja melhor. Teve bastante movimento e poucas vendas, mas long de mim reclamar! Já fui em cada feira furada e esta com certeza não é uma, pois o público é bacana demais, muitos jovens vem trocar ideias, pessoas querem saber mais do seu trabalho e isso é impagável.


Look gótica suave de domingo.

Algumas pessoas lindas que estavam lá:

Felipe Sakae | Letras e Lousas | Aurora | Will Yamagushi | Virei Almofada | Peeculiar
| Bossa Velha | Mago Pool

E muitas outras que eu não encontrei o link pra colocar aqui, mas que vocês podem encontrar de novo na próxima edição da feira que acontece em julho! Já fica esperto que em julho quero ver mais gente indo dar um oi e levando print pra casa.