DiF 2008


Todo ano a turma do Segundo ano de Desenho Industrial promove um defile de moda com base em um tema dado pelo professor, o DIF, Desenho Industrial Fashion. Este ano o tema será Contrastes. O contraste escolhido pelo meu trio é “Cinema: o Velho e o Novo”, contrastanto não estilos de filmes, mas em como a imagem chega ao público. Escolhemos Charles Chapling, para retratar a época do cinema mudo e preto e branco, e para o cinema atual escolhemos um filme nem tão atual assim, que é “Laranja Mecânica”, pois o filme foi gravado em 71, porém retratando como seria a Inglaterra em 95. A roupa está pronta, a modelo nem tanto, e os preparativos a mil por hora. Aguardem as fotos!

Perdida no mundo

Um dos meus problemas é ser pessimista. Sempre acho que não faço as coisas boas. O pior é que no final sempre me deparo com coisas bem piores.
O outro é uma sede de saber enorme que faz com que eu me perca em tudo. Quero aprender tanta coisa! Aperfeiçoar photoshop, ilustrator, corel, aprender cathia, saber japonês, melhorar meu inglês que está enferrujando, ler livros e mais livros e mais livros sobre tudo que eu for capaz de ler, praticar meus traços, e desenhar melhor, ver meus filmes cult ou não, minhas séries, meus animes. Mas parece que é tanta coisa que não vou ter tempo pra tudo isso, aí… TRAVO. Sou que nem um computador, minha cabeça pensa a mais de 1000 km/h e nisso meu culler falha e minha placa de vídeo faz tudo travar.
Tenho que começar a me organizar, a organizar meus afazeres, pensamentos, idéias e controlar toda essa minha sede. Será que consigo? Faço eu mal por querer ser melhor?

LG KF600

Ando maio impaciente. Acho que são as férias que vão vir, mas não vêm nunca. Acho que o natal vai chegar primeiro que minhas férias. Pelo menos hoje fui estagiar de tarde, tá que foi uma reunião, mas pelo menos passaram trabalho (o que não havia à semanas) pra gente.
Esse aí do lado é meu novo “filho”. Depois de uma novela mexicana digna de Maria do Bairro, consegui meu filhote.

Lindo, com 2 telas, sendo uma touch e nem preciso dizer que estou mais que feliz com o aparelhinho novo, com 512 mega de memória pra eu encher de músicas e fotos que tirarei com a camera 3.0 megapixels. Um verdadeiro monstrinho que até deve fazer café da manhã, mas ainda não descobri como faz isso, mas logo encontrarei.
Do mais, só minha abstinência de cinema que anda sendo difícil de contolar, a quarta temporada de Gilmore Girls que estou acabando de ver, e Guerreiras Mágicas que estou a baixar.

2.0

20 anos. 20 anos… 20 anos!
Sempre amei aniversários. Os meus, é claro, em especial. Ontem foi um dia interessante, já que minha mãe, o namorado dela, minha avó, tia e irmão vieram pra longíngua cidade de Lorencity pra passarem um tempinho comigo. Depois de almoçar fora, e comer fatias húngaras, foi hora de dar tchau, e sinto saudade deles.
Como me sinto com 20 anos? Do mesmo jeito que me senti com 18, 19…
Gosto de ter uma personagem que faz aniversário comigo. Serena Tsukino, do anime Sailor Moon. Pior que ela as vezes lembra meu jeito. Criançona, romântica, cheia de drama, jeito de falar e tudo mais. De certa forma sou totalmente eu.
Ontem pensei em tantas coisas pra escrever hoje no blog, e hoje não me lembro de mais nada.
Queria agradecer à todas as pessoas que fazem parte de minha vida. Família toda! Todos os tios, tias, primos de primeiro e segundo grau, todo mundo mesmo! Além dos meus amigos. Em especial, Alessandra, Dalmo, Nara, Tábata e Thay. E claro, JM, meu amigo, namorado, companheiro, etc etc etc.
Porque sem vocês, eu não existiria. Vocês são a razão de eu ser assim.

Texto que a Thay mandou pra mim.

“A Idade de Ser Feliz

Existe somente uma idade para a gente ser feliz,
somente uma época na vida de cada pessoa
em que é possível sonhar e fazer planos
e ter energia bastante para realizá-las
a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.
Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente
e desfrutar tudo com toda intensidade
sem medo, nem culpa de sentir prazer.
Fase dourada em que a gente pode criar
e recriar a vida,
a nossa própria imagem e semelhança
e vestir-se com todas as cores
e experimentar todos os sabores
e entregar-se a todos os amores
sem preconceito nem pudor.
Tempo de entusiasmo e coragem
em que todo o desafio é mais um convite à luta
que a gente enfrenta com toda disposição
de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,
e quantas vezes for preciso.
Essa idade tão fugaz na vida da gente
chama-se PRESENTE
e tem a duração do instante que passa”