Karatê Kid

Em muitos lugares estou lendo notícias sobre o remake do filme “Karatê Kid”, com Jackie Chan (meu amado) no papel de Senhor Miyagi e o filho de Will Smith, Jaden (que fez “o Dia em que a Terra Parou”) no papel de Daniel San.

Minha opinião é a seguinte: Jackie Chan pode ser super legal e tal, mas ninguém nesse mundo tomaria o lugar de Pat Morita. Ele tem todo um jeito de ser engraçado, dramático e disciplinado, coisa que eu acho que o Jackie não vai passar, mesmo por causa da idade dele, apesar que a maquiagem hoje faz milagres (Brad Pitt que o diga em “O Curioso Caso de Benjamin Button”). Outra coisa, Jaden tem 11 anos, se não me engano, e como criar um “climinha” romântico e brigas com um menininho dessa idade? Acho que, como li no Omelete, “certas coisas de fato foram feitas para ser preservadas”. É como começar a regravar “E o Vento Levou” e “Mágico de Oz”. Karatê Kid I, II e III pra mim são filmes pra ficar na memória, daquela época que tinha aula de manhã e ficava em casa assistindo Sessão da Tarde, e quando passava a propaganda do filme eu nem cogitava sair de casa só pra ver Daniel San ralando limpando carro, lixando o chão e o Seu Miyagi só na mamata.

Sete Vidas

Ontem assisti ao filme “Sete Vidas”, com Will Smith, dirigido por Gabriele Muccino, o mesmo italiano que dirigiu “A Procura da Felicidade”, também com Smith. Se forem assistir, levem suas caixinhas de lenço. Chorei rios (tá é uma hipérbole, mas foi quase isso).

O filme começa bem confuso, nos primeiros trinta minutos de filme eu estava mais que boiando, mas do nada tudo começa a se encaixar: Ben Thomas é um fiscal da Receita Federal que está a procura de 7 pessoas boas para ajudar. Tudo corre bem até que Ben conheçe Emily Posa, uma tipógrafa que tem problemas cardíacos. Ela custa a confiar que ele só deseja ajudá-la, e quando percebe, a coisa toma rumos bem diferentes do que ela imaginava.
Como li no Omelete: “nos últimos minutos, você vai ficar torcendo para que sua inteligência tenha te deixado na mão e tudo aquilo que você imagina que vai acontecer não se concretize. De novo, pegue sua caixa de lenço de papel. Mas fique alerta, pois o choro também pode ser de raiva e/ou incredulidade.” O que é a mais pura verdade, mas o meu choro foi de tristeza.


LEGO

Eu quando era pequena tinha meu brinquedo predileto: minha caixa de LEGO(que amo, e tenho até hoje). Ele permite que você monte o que quizer e com ele eu e meu irmão viajávamos o mundo, explorando o fundo do mar, voando pelos continentes ou apenas abrindo um negócio próprio. Eu acho que é um brinquedo que estimula demais a criatividade, e eu acho que muito do que faço hoje deve ter frutos aí. 

Em 1916 um mestre carpinteiro dinamarquês chamado Ole Kirk Christiansen adquiriu uma loja de artigos de madeira. Em 24 sua oficina se incendeia, acidente causado por seus dois filhos, mas ele vê ai a oportunidade de ampliar sua oficina. Logo depois veio a Crise de 29 e para cortar gastos, ele começou a produzir seus produtos em escala menor, a partir daí ele se inspirou em produzir brinquedos, e em 1932 os brinquedos de madeira começaram a sermanufaturados e comercializados por Ole Kirk, entre os brinquedos estavam carrinhos de puxar, cofrinhos de porquinho, carrinhos e caminhões. Só em meados dos anos 50 que nossas amadas peçinhas de montar surgiram! 
Alguns nomes que Ole Kirk considerava possíveis para o nome da marca: Legio (no sentido de uma “legião” de brinquedos) e Lego, uma expressão criada a partir da frase em dinamarquês leg godt, com o significado de “brincar bem”. 

O fotógrafo Mike Stimpson é um cara que é viciadinho em Lego, e curte tirar fotos recriando cenas famosas em Lego. Para visitar o Flickr do rapaz, clique aqui

Eslilo by Mim

Inspirada no “Hoje vou assim”, e um pouquinho no site da Lia, estou mostrando os meus dois últimos vestuários de quando saí de casa. E vou falar do estilo “Chell” de se vestir.

Cintura pra Baixo – Curto muito saias: abaixo joelho e rodadas (esta preta da foto em especial, foi da mamãe no terceiro ano do colegial, e ela quer me matar quando me vêve usando-a), hippies, com tie die, longas, todas! JEANS! Muito jeans! Mas com a boca mais larga, não gosto daquelas que ficam certinhas na canela, meu pé não é grande, pro meu tamanho ele é certo (1,70m – pé 38), mas acho que o jeans com a boca larga disfarça o tamanho deles. Tem que ter coz médio, nem “centropeito” e nem aquelas que você senta e aparece o cofrinho, têm que ser acima do osso da cintura, como a profesora de Ed. Física ensinou, pra não formar aquelas “banhazinhas” nas laterais. Shorts, só estilo bermudinha, nada muito curto também.

Cintura pra Cima –Blusinhas comportadas, não curto muito decotes enoooormes, mas estou aprendendo a usar.Agora tenho muitas cores de blusinhas, posso variar. Descobri que AMO, a-do-ro, o tal lastex que dá aquele efeito sanfoninha, conhecido também como “casinha de abelha”. Vestidos, minha segunda paixão depois das saias. Aqueles que você pode usar de blusão também são tudo, você usa no frio e no calor. Tudo sempre colorido.

Nos pés – Sandalinhas baixinhas, zero de salto. Tênis… eu amo All Star, mas só tenho um agora. Em dias de chuva, aquele tênis “galocha” pra não molhar nadinha, e em festas, saltos baixinhos, de 2cm. Sapatilhas estilo boneca.

Bijus –Anéis eram minha paixão, mas no calor os dedos incham e eu nem uso mais. Sou fã mesmo é de cordões. Na verdade tenho 2, um curto e um longo, os dois prata(odeio dourado) e só mudo o pingente.O que é prático pois mudo de acordo com a roupa. Faço praticamente coleção! Um dia coloco foto deles. Também adoro argolas, pena que perdi a minha grandona prateada numa festa…

Maquiagem – Sempre discretinha. Rímel, sombra fraca, lápis e o gloss clarinho. Estou aprendendo a me afeiçoar a coisa.

Quase esquecendo. Cabelo novo. Versão Cereja 6646. Corte inspirado na Alice do Crepúsculo.Tchau cabelo azul…

E, é isso! Façam seus estilos nos seus blogs, ou coloquem nos comentários! Como é o seu estilo?