Para esse final de semana, um longa metragem com muita diversão para você, para mim, e para toda a família. Para hoje, aqui no Chocottone, vamos falar um pouco dessa animação com qualidade Walt Disney, e com um dos meus personagens favoritos, é hora de “Pateta 2 – Radicalmente Pateta” (An Extremely Goofy Movie).


Dando continuidade a trajetória de paizão solteiro, Pateta chega agora no momento da vida em que tem que se separar de Max, pois o jovem vai para a universidade. No caso ele ira se mudar totalmente naquela esquema de viver no próprio campus e tudo o mais. Antigamente achava isso até impressionante, mas hoje boa parte dos meus amigos são de outras cidades, dividem AP, então já perdeu aquele brilho de vida independente, digamos assim. Voltando…


O trio Max, P.J. e Bobby estão ansiosos para as mudanças, mas não pelos estudos, e sim para poderem particiar dos Jogos Radicais que acontecem, e desbancar o time de veteranos vencedor os Gammas. Porém, mesmo com toda essa euforia, Pateta está muito desorientado em deixar o filhote partir mundão a fora, por outro lado, o João Bafo-de-Onça, não vê a hora de se livrar… digo, se despedir do filho. Pateta até tenta demonstrar seus sentimentos, mas Max como sente vergonha do pai atrapalhado, não vê a hora de começar a viagem.


Já na faculdade, Max causa uma boa impressão por ser um calouro que anda muito bem de skate, chamando a atenção dos membros da irmandade dos Gamma que vão atras dele e de seus amigos para uma conversa. Chegam num barzinho cult, onde conhecem a Menina da Boina (sim, esse é o nome dela, inclusive nos créditos), uma garota cheia de falas em forma de poemas. No entanto, os Gamma também chegam ao bar e Bradley “Maioral” III, o líder, se apresenta e convida apenas o filho do Pateta para entrar no grupo. Ele recusa e os desafia para os Jogos Radicais, mas antes que aumente a confusão, a Menina da Boina intervém evitando um tumulto maior e ficando amiga dos novatos.





Enquanto isso, Pateta, totalmente desorientado devido as saudades do Max, acaba criando confusão na fábrica de brinquedos que trabalha, e como consequência é despedido. Porém, durante a busca de um novo emprego, divesas vagas ficam inviáveis para ele pelo fato de não ter concluído a faculdade. Logo, ele retoma os estudos, indo estudar, coinscidentemente – ou não – na turma do Max. A partir daí, começam todas as situações mais inusitadas, e traumatizantes para um calouro na faculdade. Pateta faz questão de acordar os meninos cedos, preparar o café da manhã de seu filho na cantina, e acaba, inclusive, entrando na equipe rival da competição.




Durante as provas, fica passando um dirigível da ESPN – visto que o canal é subsidiado da Disney – com a transmissão dos Jogos Radicais, mostrando as diversas modalidades de escalada (que nem pagando participaria de algo tão alto), carrinho de rolimã (bacana que aqui em Curitiba existem 2 pistas públicas em parques para isso, e no curso de Design da UTFPR, numa das disciplinas o pessoal tem que desenvolver um ao longo do semestre e depois competirem), patins in-line, bicicross e skate.





O filme tem uns tiradas de anos 70 bem bacanas, uma delas quando estão no baile e a outra durante a prova do Pateta que chega a ser bem psicodélica, tanto que a sequência me lembrou muito o clip da música “The Golden Path” do The Chemical Brothers, hehe. Toda a ações de Pateta e sua namorada são muito bonitinhas, um completando a frase do outro, acho que mostrando um lado bem diferente do personagem.




“Pateta 2 – Radicalmente Pateta”, do mesmo modo que o filme anterior mostra essa preocupação de Pateta com seu filho, mas a partir do momento que ele encontra Sylvia – um forte ponto de virada na narrativa – o próprio filme tornou-se (ainda) mais divertido, deixando de ficar tão parecido com o anterior, pois acompanhamos agora a aventura de dois Patetas, numa mesma história, e creio que essa seja uma das jogadas mais legais do filme. Assim como mostrar valores de amizade, competição e solidariedade ao próximo, sendo uma questão interessante. Apesar do filme ser do Pateta, sempre achei que ambos tem um foco maior no Max, mas acho que depende na verdade de como você o encara, e vale a pena até assistir as cenas durante os créditos.




Curiosamente, o personagem Bradley me chamou a atenção, devido a sua semelhança com o vilão Anthony Draco, que apareceu no episódio “Força Mortal” (s01e08 – Deadly Force) da série animada Gárgulas (“Gargoyles”, 1994-1996), que também é da Disney. Apesar de ambos possuírem uma estrutura base muito semelhante, o resultado final os torna consideravelmente distintos. No Brasil, ambos tiveram a voz pelo mesmo dublador Jorge Eduardo. O filme trás outras vozes bacanas como a do Max, por Manolo Rey (Robin” em “Os Jovens Titãs”), Tank, por Jorge Vasconcelos (Macaco Louco, em “As Meninas Super Poderosas”) e a Menina da Boina, pela nossa conhecida Adriana Torres (Jade em “RIO”, e Heather em “A Ilha dos Desafios”). Ah sim, uma breve participação do Guilherme Briggs, na voz do locutor do dirigível.


Antecedendo os dois filmes, foi lançada a série animada “A Turma do Pateta” (Goof Troop) exibida originalmente entre 1992 e 93 – mas veio a ser exibida no Brasil apenas em 1997, no antigo programa Disney Club/TV CRUJ do SBT – a qual contemplou 78 episódios. As aventuras eram associadas ao dia a dia de Pateta e Max, com seus vizinhos João Bafo-de-Onça, sua esposa Peg e seus filhos P.J. e Matraca. A série animada veio após produções como Darkwing Duck, Tale Spin e Defensores da Lei.


Em 1993, também, foi lançado um jogo para SNES (pela Capcom), de mesmo nome da série animada, o qual você controlava a intrépida dupla durante uma viagem para pescarem em Spoonerviller. Após serem atacados por um grande navio pirata, João e P.J. são seqüestrados pelo Capitão Keelhaul Pete, e agora nossos heróis passarão por muitos desafios, ao longo das diversas fases da ilha, para resgatá-los. “Goof Troop”, o game, foi um jogo que marcou a infância de muita gente, por ser um jogo Disney desse personagem atrapalhado e, principalmente, pelos seus diversos puzzles que você precisava resolver para avançar no jogo.



Tanto a série, quanto o jogo vieram a sair alguns (bons) anos antes dos longas-metragens. Mas ainda assim cativaram o público por aqui, mesmo sendo exibidas quase no final dos anos 90. “Pateta 2 – Radicalmente Pateta” recebeu o prêmio de “Best Animated Home Video Production” no 28th Annie Awards, daquele ano de lançamento.


Pateta sempre será um personagem querido e apesar de não ser um clássico Disney, ele tem todo o seu carisma, e principalmente para mim. Bom final de semana para todos, e especial pra Chelli. o/

Ateh

Você também pode gostar desses

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *