Putz, não sei como não tinha comentado sobre esse filme antes. Então vamos retomar um pouco as aventuras Disney.

Com vocês ninguém menos que o personagem mais atrapalhado de todos os tempos dos desenhos animados: Pateta!
Esse é o primeiro longa metragem do Pateta em que ele é o protagonista encarando uma aventura inédita. Vemos um universo criado totalmente para ele, uma cidade, uma vizinhaça… Seguindo aquele padrão Disney de familiaridade, Pateta é um pai solteiro – e em nenhum momento menciona-se a palavra “mãe” (da mesma maneira que conhecemos os sobrinhos do Tio Patinhas, Donald, mas nunca os pais, enfim…). Quem divide a cena é Max, o filho adolescente do Pateta. Analisando bem, o filme todo acaba se desenrolando por causa dele, nem tanto pelo nosso personagem querido. Maximiliam está na fase de rebeldia, que não quer ouvir os conselhos de seu “velho” e está apaixonado pela mocinha da história, Roxane.


As férias de verão chegam, e Pateta resolve viajar com seu filho, o que acaba atrapalhando os planos de Max de tentar conquistar sua amada. Ele acaba mentindo falando que vão fazer a viagem para assistir ao vivo o show do ídolo musical da garotada, Powerline. Então, com o clássico bordão da “Sessão da Tarde”: está armada a confusão.
Pateta confia a Max o mapa da viagem, e esse resolve tirar proveito da situação.
O filme segue o tradicional esquema Disney, com musicais ao longo da película. Músicas que até hoje ficaram na minha cabeça e quando (re)assisto a letra vem a tona… \o\ Além da aventuras e risadas, temos várias partes emotivas, principalmente por conta do Pateta que tenta quebrar aquela casca que os jovens tem, e se aproximar do filho. Sabemos que ele faz tudo nas melhores das intenções, mas seu jeito desastrado sempre acaba se virando contra ele, hehe. E é vísivel que Max sente vergonha desse jeitão de seu pai. Até hoje me emociono e dou muitas risadas assistindo a animação que possui aquela qualidade 2D impecável.


No elenco temos também o personagem João Bafo-de-Onça, que já deu muito trabalho nas histórias e games do Mickey. Aqui, ele não é exatamente um vilão, é apenas o antagonista ao Pateta, tanto que uma cena que me marcou bastante, é quando estão os dois conversando no meio da viagem, e o Bafo-de-Onça descobre que Max estava ludibriando o pai, ele conta para o Pateta mas esse não acredita. Ofendido, ele se levanta e vai embora, mas Bafo ainda assim insiste “Olhe o mapa, Pateta…” É uma fala curta, mas tem muita emoção contida, pois ele realmente estava aconselhando, não queria ver o “amigo” se iludindo.


Bom, e a algo bacana também a ser comentado, a título de curiosidade Max é dublado por Marcelo Campos, o qual fez um excelente trabalho.


Pateta sempre foi um dos meus personagens animados favoritos, e quando vi a divulgação do longa num extinto programa da Disney, que era exibido aos domingos na Globo*, achei que nunca iria ter a oportunidade de assistir. Naquela época nem fazia idéia do que viria a ser internet, então dependíamos do que as distribuidoras trouxessem para o Brasil. Felizmente, num belo dia achei na locadora e levei pra casa o VHS. *-* No Brasil, infelizmente não foi lançado em DVD, nas cópias importadas tem como EXTRAS um episódio de “Goof Troop” (a série animada que surgiu antes, intitulada no Brasil de “A Turma do Pateta” – exibido no também extinto programa do SBT Disney CRUJ), trivia e a história do personagem. Enfim, se tiverem a oportunidade de assistir, não deixem passar.

Além da série animada o filme teve uma continuação, no Brasil entituladade de “Pateta 2 – Radicalmente Pateta”, mas falamos disso outra hora.

Por hora é isso.
Ateh o/

*Em tempo: Nos anos 80, a Globo tinha um programa chamado “Disneylândia” que exibia os desenhos curtos do Mickey & Cia, dentre outros. O programa que substitui nos anos 90, no intervalo entre “Os Defensores da Lei” e “TaleSpin – A Esquadrilha Parafuso”, comentava sobre as produções recentes da Disney, os longas e tudo mais. Na época TV por assinatura era uma fortuna (muito mais do que hoje, hehe) e era um quadro muito rico e em tv aberta, uma pena não ter mais esse tipo de coisa.

Você também pode gostar desses

2 Comments on Pateta – o Filme (1995)

  1. Nossa esse filme era um dos meus prediletos na minha infancia ..

    Adorava a musica que o Max cantava .. “é o fim é o fim é o fim .. la la la rs” .. tb vi depois de um tempo eles no Disney Cruj .. rs .. velhos tempos ..

    Otimo post viu, adorei! =D

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *