ação

Assistir: O Justiceiro (2017)

O Justiceiro – É bruto mesmo!

Sinopse

“Depois de se vingar dos responsáveis pela morte da sua esposa e filhos, Frank Castle (Jon Bernthal) desvenda conspiração mais profunda que submundo do crime em Nova York. Conhecido agora na cidade como Justiceiro, ele precisa descobrir a verdade sobre as injustiças que afetam mais do que apenas sua família.”

O que achei?

Depois da aparição de Frank na série do Demolidor, todo mundo estava esperando ansioso pra saber como seria a série solo do personagem. Eu pelo menos estava querendo muito e a Netflix não desapontou.

A gente já sabia da história de vida sofrida e da busca de vingança que o personagem interpretado por Jon Bernthal trava por aí desde a série do Matt Murdock, mas eles explicam tudo pra quem não viu depois de uma introdução na nova vida que Frank leva. Dá pra ver que ele está desconfortável e ainda cheio de raiva, mas a temporada mostrou o que eu queria ver: evolução. Demora, mas a gente consegue ver a mudança do personagem, ele tentando seguir.

Das séries da Marvel do Netflix com certeza esta ficou entre minhas favoritas. O personagem, apesar de ULTRA violento – sim essa série é de embrulhar o estômago – me fez chorar. Enquanto ele apanhava, eu chorava. Frank consegue, mesmo com a violência toda, fazer a gente se identificar e gostar do personagem. Sentimos pena dele e até arrisco a dizer que dá pra sentir a dor que ele sente. Posso ter visto mais poesia nele do que em muitos personagens delicados? Posso, mas este personagem tá no meu coração.

E vocês, já viram? O que acharam?

Assistir: Os Defensores (2017)

Os Defensores na Netflix

Os defensores juntos na foto

Sinopse

Os Defensores é uma série americana criada para Netflix, baseada na equipe homônima da Marvel Comics. Ela está situada no Universo Cinematográfico Marvel, compartilhando a continuidade com os filmes da franquia e é a conclusão de uma série de shows feitas pela Marvel e Netflix.

O que achei

Quando a história já começa com o Punho de Ferro sendo quase um “principal” de toda a história eu já fiquei meio chateada. Ele foi, pra mim, um dos piores heróis da Marvel até hoje, felizmente o roteiro foi melhorando com o pano de fundo principal sendo o do Matt, tentando se encontrar no mundo dos heróis, o eterno dilema do “sou não sou” e “minha religião não permite”.

Acho que esse dilema dele poderia ter sido bem mais explorado, teria deixado a temporada mais densa e com mais conteúdo, mas não sei se isso deixaria a história muito mais cheia de coisa e tinham poucos episódios.

Luke, Jessica e Matt rindo no metro
Gostei muito da participação da Sigourney Weaver, foi uma surpresa e os figurinos dela estavam muito condizentes com a personagem.

Também foi bacana a reviravolta toda da história, as cenas de luta (ok, aquela da Jessica entrando e atropelando ficou meio estranha) e no geral eu gostei bastante. Pra mim a ordem ficou assim: Demolidor> Jéssica Jones > Os Defensores > Luke Cage > Punho de Ferro.

E vocês, assistiram? O que acharam?

Os quatro conversam em uma mesa

Assistir: Punho de Ferro (2017)

Punho de Ferro – Netflix

Danny fazendo cumprimento do kung fu.

Sinopse

Daniel Rand (Finn Jones) é um bilionário, herdeiro da fortuna das Indústrias Rayne. Por 15 anos, todos acreditaram que ele estava morto, após um acidente de avião no Himalaia que vitimou seus pais, Wendell e Heather Rand. Mas Danny foi salvo e viveu todo esse tempo na cidade mística de K’un-Lun, uma das Sete Capitais do Céu. Lá, Danny aprendeu a canalizar o seu chi e se tornou o Punho de Ferro. De volta a Nova York, ele vai tentar retomar seu posto na empresa, agora sob o comando de seus amigos de infância Joy (Jessica Stroup) e Ward Meachum (Tom Pelphrey). Mas ele precisa convencer a todos que é realmente quem diz ser e combater o Tentáculo, com a ajuda de Colleen Wing (Jessica Henwick).

Quem é?

Colleen de moleton branco.

Confesso que nem sabia da existência deste personagem da Marvel, muita gente reclamou da série pra mim e estava com toda a convicção de que não iria assistir, até falarem que o personagem principal lutava kung fu. O noivo foi o primeiro a querer ver tudo e tava aí o incentivo que eu precisava pra resolver dar uma chance para esta história.

O personagem de Danny Rand foi criado por Roy Thomas e Gil Kane e surgiu pela primeira vez em um quadrinho no ano de 1974. Lutador de artes marciais e possuidor de uma força mística que se chama Iron Fist (Punho de Ferro), que foca seu chi (tikon nele!) e lhe dá uma força muito grande nas mãos, ele estrelou o quadrinho Power Man and Iron Fist no qual fazia parceria com Luke Cage na equipe de super-heróis Heróis de Aluguel.

Duas cenas de Danny e Collen, uma ela está deitada no chão e ele está preocupado com ela, na outra eles fazem movimentos de taichi

O que achei?

Já vou começar dizendo que, das séries do universo Marvel na Netflix, esta pra mim é a mais fraca. Primeiro que Finn Jones não me encantou com seu kung fu nem com sua atuação, muitos movimentos repetitivos, muita falta de expressão, algumas cenas meio forçadas, talvez a edição possa não ter ajudado muito, mas ai não sei se é isso pois já gostei bastante das cenas com Jessica Henwick que mandou bem no papel de Collen. Mas as cenas de porrada mesmo, aquelas que provavelmente foram dublês, são bem boas.

Danny sumiu quando criança e foi criado por monges que ensinaram a arte do kung fu, porém ao voltar para onde a família vivia ele parece que continua uma criança grande. Apesar de atitudes corajosas e de toda a coisa de seguir o destino de proteger K’un-Lun, ainda dá pra ver várias coisas infantis no que ele faz, talvez por conta do trauma e da situação de rever amigos antigos, essas coisas tragam algo a sua memória.

Em alguns episódios vemos mesmo que o acidente deixou ele traumatizado e percebemos que ele ainda está decidindo entre ser o antigo Danny ou o Punho de Ferro, pois ele até repete sem parar suas missões, mas não vemos nas ações dele essa convicção, que descobrimos o porque alguns episódios para frente.

No meio da história ainda temos a participação de Claire, que pelo que já foi colocado vai ser a ponte de ligação entre nossos heróis todos (Luke, Jéssica e Matt). Ela tem grande importância e pra mim a melhor arma de mão (se você assistiu, sabe qual estou falando). Legal que com o passar das temporadas e das participações dela, vemos a evolução do personagem e no que ela está se tornando.

Vamos aos pontos que eu não gostei: o fato da pessoa sumir por 15 anos e voltar sabendo mexer em computadores, celulares, manjando tudo de uma vida que ele nunca viu, nem passou perto. Já é um super administrador e hacker. Esses monges eram bons mesmo, porque até dirigir ele consegue.

Outra, se o cara foi treinado por monges desde criança, dedicando-se 24h por dia para isso, o que explica ele apanhar de qualquer “zé segurança” que aparece na frente dele? Ele tinha que ser quase um Demolidor gente, o que na verdade não é.

Ao longo da história temos algumas viagens dos personagens, mas que são tão rápidas que parece teletransporte. Achei que essa passagem de tempo poderia ser melhorada, provavelmente coisa de edição e roteiro que poderiam ser melhores.

No fim das contas, Punho de Ferro não é uma série ruim, mas com o ritmo um pouco mais lento ela exige um pouco mais de paciência pra se assistir. E você, assistiu Punho de Ferro? O que achou? Conta aí nos comentários!

Os Últimos Filmes Que Assisti #12

Opinião dos últimos cinco filmes que assisti, curtas e diretas. Hoje temos “Logan”, “A Qualquer Custo”, “A Bela e a Fera”, “Ghost in The Shell” e “Divergente”.

Últimos Cinco filmes: Cartazes dos filmes: Logan, A Qualquer Custo e A Bela e a Fera.

Logan (2017)

Rating: ★★★★★ Em 2029, Logan (Hugh Jackman) ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do nonagenário Charles Xavier (Patrick Stewart). Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela (Elizabeth Rodriguez), uma mexicana que precisa da ajuda do ex-X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 (Dafne Keen). Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce (Boyd Holbrook), interessado na menina.

Meu super-heróis preferido, meu ator mais amado em um filme maravilhoso! Eu fiquei emocionada, chorei, vibrei e finalmente fiquei feliz por ter visto um filme que fizesse jus ao meu personagem preferido dos X-men. Dafne Keen está apaixonante e aterrorizante no papel de Laura e mandou tão bem que já vejo continuações com a personagem que cativou a todos que assistiram o filme. Uma despedida e tanto para Hugh Jackman que deixa o papel de Wolverine.

A Qualquer Custo (2016)

Rating: ★★★★★Interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tanner (Ben Foster) são irmãos que, pressionados pela proximidade da hipoteca da fazenda da família, resolvem assaltar bancos para obter a quantia necessária ao pagamento. Com um detalhe: eles apenas roubam agências do próprio banco que está cobrando a hipoteca. Só que, no caminho, eles precisam lidar com um delegado veterano (Jeff Bridges), que está prestes a se aposentar.

Mais um concorrente de melhor filme no Oscar de 2017 que eu assisti e gostei bastante. Chis Pine está bem diferente no papel de Toby, pelo menos pra mim, e me surpreendeu bem no longa. Você entende aos poucos as motivações dos protagonistas (que são antagonistas também por assim dizer) e vai ficando sem saber por quem torcer. Você meio que vai entendendo pra onde o filme te leva, mas quer acompanhar a jornada desses irmãos por lugares de terra vermelha e bancos para assaltar.

A Bela e a Fera (2017)

Rating: ★★★☆☆Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela (Emma Watson) tem o pai capturado pela Fera (Dan Stevens) e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade dele. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

Se eu disser que não gostei é mentira, mas podia ter sido melhor Disney. O que mais faltou pra mim foram pausas dramáticas. Por exemplo: Bela na masmorra com o pai, Fera chega, conversa vai, conversa vem e ela diz: “venha para a luz”. Não tem drama, Fera aparece e PA PUM tá Bela presa. Cadê esses momentos que a gente fica tenso? Eu já vi o desenho? Já vi, mas e quem não viu? E as crianças? Queria mais esse ar de suspense, esse respiro. E o que foram as telas pretas entre as cenas? Edição bem ruinzinha ao meu ver. A coisa tem que fluir e não ser cortada, não se o filme vai fluindo e PÁ, corte. Bem, fora isso, cenários deslumbrantes, Emma lacrando e músicas fofas como sempre.

Últimos Cinco filmes: Imagens dos filmes Ghost in The Shell, de 1995, e Divergente.

Ghost in The Shell (1995)

Rating: ★★★☆☆2029. O mundo se tornou um local altamente informatizado, a ponto dos seres humanos poderem acessar extensas redes de informações com seu ciber-cérebros. A agente cibernética Major Motoko é a líder da unidade de serviço secreto Esquadrão Shell, que combate o crime. Motoko foi tão modificada que quase todo seu corpo já é robótico. De humano só teria sobrado um “fantasma de si mesma”. O governo informa o grupo de que o famoso hacker conhecido “Mestre das marionetes”, especialista em invadir e controlar o ciber-cérebro das pessoas, está no Japão. Agora, Motoko e sua equipe terão que caçar este criminoso, e vão acabar se envolvendo em uma trama de conspirações, que atinge interesses da alta cópula da política.

Resolvi assistir o anime antes de ver o filme (que até agora não consegui assistir), e achei bem interessante. O legal de alguns animes é que a coisa começa pegando e você tem que meio que entender o bonde andando, isso é muito legal! Aos poucos você entende o mundo que está, a realidade que acontece e percebe o tanto de questões que esta história joga pra você. Uma pessoa com partes robóticas pode ser considerada pessoa? Uma inteligência artificial é um ser vivo? Fica ai as discussões.

Divergente (2014)

Rating: ★★★☆☆Na futurística Chicago, quando a adolescente Beatrice (Shailene Woodley) completa 16 anos ela tem que escolher entre as diferentes facções que a cidade está dividida. Elas são cinco e cada uma representa um valor diferente, como honestidade, generosidade e coragem. Beatrice surpreende a todos e até a si mesma quando decide pela facção dos destemidos, diferente da família. Ao entrar para a Audácia ela torna-se Tris e entra numa jornada para afastar seus medos e descobrir quem é de verdade. Além disso conhece Quatro (Theo James), rapaz experiente que consegue intrigá-la e encantá-la ao mesmo tempo.

Já fui sabendo que o filme era uma pegada mais jovem pois a história vem de um YA Book (Young Adult Book, livros para adolescente), mas não imaginei que tanta coisa ia me deixar incomodada.Algumas cenas de ação são bem fracas, outras coisas são postergadas, já que existem outros filmes, mas no geral é um bom filme pra se ver numa tarde de preguiça. Várias pegadas de “Admirável Mundo Novo” e até “3%”, mas claro de uma ótica um pouco mais adolescente.

E vocês o que tem assistido? Alguma dica?