amígdala

Cirurgia de Amígdalas – Dia 1- Jejum e Internação

E foi ontem! Depois de 6 antibióticos foi resolvida a retirada das minhas amígdalas. Eu resolvi fazer estes posts porque só encontrei coisas ruins na internet sobre a operação e isso me deixou bem nervosa, mas não é bem assim. Tudo vai da idade que você faz a operação. De acordo com o médico crianças se recuperam bem mais rápido e tem gente que pode ter sangramento, o que não foi meu caso. Mas vamos por partes:

Jejum
O JEJUM

Comecei acordando cedo, já que minha cirurgia seria às 17h e o jejum começou 9h da manhã. Levantei 8h e comi 3 bisnaguinhas com geléia, leite com achocolatado, 2 fatias de melão, um danone e muita água. Depois disso nada de comer nem beber NADA, nem água! Então resolvi dormir o máximo possível, isso foi até as 13h30 quando comecei a me preparar pra internação, que seria 16h.

 

A INTERNAÇÃO

Banho e mochila prontos e lá fui eu. Troca de roupa (roupa vergonhosa de hospital que te deixa com os fundos à mostra)e toquinha na cabeça. 17h entro na sala de cirurgia, a primeira vez que vi uma, e realmente parece uma cozinha estranha, cheia e luzes e gente marcando pizza e futebol mais tarde. Ligaram fios e mais fios em mim, me prenderam com os braços abertos como o Cristo Redentor e o mundo começou a ficar mais lento. PUF!

Cirurgia amigdalas
A CIRURGIA E O PÓS

Da cirurgia mesmo não me lembro de nada, mas lembro de ter acordado com tubos de ar no nariz, ai depois lembro de me rolarem pra cama, aí fiquei grogue e dalí a pouco  acordei  no quarto, tremendo e cheia de cobertas. Assim que terminei de acordar decentemente me trouxeram uma gelatina e um danone. Nunca ví uma barriga roncar tanto de noite! E como dormi muito de dia, passei a noite em claro, tuitando e ouvindo Nerdcast.

DOI?

O que todo mundo pergunta. Vou ser sincera que ate agora a dor não é o fim do mundo. Sério, minha garganta inflamada doía mais que isso. Dá pra ingerir líquidos bem devagarzinho e quanto mais gelado, menos dói e mais fácil pra comer, aí vem a história do sorvete. Minha língua machucou bastante, pois disseram que colocam um metal pra segurar e ela é o que mais me incomoda hahaha. Posso falar, mas ainda é complicado e só faço de vez em quando. A dor é só pra comer, pra engolir e falar fica só incomodando. Eu estava com medo de ter vômito, muita gente disse que teve porque entra muito sangue e eu não quero nem descobrir a dor que não deve ser se isso acontecer! Afinal é um movimento involuntário e nada controlado, né? Mas felizmente não tive nadinha, acho que porque fiz o jejum certinho. Bem, resumindo a novela foi tranquilo, sem sofrimento e até agora nada de super doido, só me sinto meio fraca e mole, mas deve ser a falta de comida. Aliás eu e a comida temos uma relação de amor! E acho que é o maior sofrimento hahaha. Como diz o médico: dieta forçada!
Bem, hoje vai ser o segundo dia. Amanhã dou mais um relatório pra vocês! Beijinhos!

A Saga da Amígdala(não é a princesa)

Garganta
 

Há mais de um mês atrás eu peguei uma infecção de garganta. Como qualquer outra vez eu tentei ser pacífica e comecei a tratar com própolis duas vezes ao dia e gargarejos de água quente com sal. Sempre resolve, mas desta vez bastou UM dia pra acordar no dia seguinte com duas bolas de golfe na garganta. Não falava, doía o corpo, mas não tinha febre. Doía pra engolir e tive que ir em um médico. Este primeiro médico me passou uma tal de azitromicina, mas não havendo melhora, fui novamente ao hospital e me receitaram cefalexina por 10 dias e dois dias de repouso e muito macarrão, que era a única coisa que descia fácil.

Melhorei, foi ótimo, minhas amígdalas que estavam inchadas desde uma outra infecção ano passado murcharam totalmente, mas depois de 3 dias passados do fim do antibiótico, lá estava a garganta doendo e incomodando, e lá vou eu de novo pro hospital desta vez tomando uma bela benzetacil na bunda.

Sete dias depois surge um feriado e eu, não vendo progresso com a garganta, resolvi passar por mais um médico. Mais antibiótico, o quarto, agora uma tal de ceftriaxona, 3 injeções no popô. Mais alguns dias depois e nada de melhora, vou para a minha cidade em Minas, passo por um Otorrino que receita gargarejos com antisséptico bucal sempre depois de comer e um remédio pra aumentar minha resistência. Nem no terço deste processo, BUM! Mais uma infecção! E lá vou eu caçar médico no feriado. Agora ele passa mais uma injeção e mais um antibiótico: Axetilcefuroxima.

Estou agora tomando este remédio, misturado com mais métodos caseiros, como própolis e gargarejos pra ver se resolve esta situação. O médico indica operar e eu estou na dúvida: espero este antibiótico, pra ver o que ele vai fazer, se vai ajudar, ou já me enfio na faca? Confesso que estou cansada desta trabalheira, já vai pro segundo mês de remédios, dores e injeções, mas é que eu sei que depois que se tira a amígdala não significa fim de problemas, que podem vir faringites, que dizem ser pior que amigdalites, e eu posso ganhar mais problemas do que soluções. Então, fica aqui minha dúvida. Alguma sugestão?