blogagem coletiva

Como eu viveria em Hogwarts?

eu_hogwarts_1
Eu nos jardins de Hogwarts no inverno.

Este mês um dos temas de blogagem coletiva do Rotaroots é “Como eu viveria no meu lugar fictício favorito?”. Acho que muita gente vai escrever sobre o mesmo lugar que eu, afinal, quem foi criança e começou a ler com J.K. Rowling sempre sonhou em viver em Hogwarts.

Sempre quis ser uma Grifinória, então levando ao pressuposto que se pedirmos para o chapéu isso conta alguma coisa, lá estaria eu na sala comunal mais quentinha e aconchegante do castelo. Sou uma filha de trouxas e por conta disso tiraria algumas fotos da escola pra mostrar em casa. Afinal, eu adoro mostrar as coisas que eu faço pros meus pais.

eu_hogwarts_2
Na aula de poções antes do professor chegar.

Minhas aulas preferidas seriam as de Transfiguração e Feitiços. Só de fazer uma pena voar acho que ficaria sem ar de tanta emoção! Sempre fui bem aplicada no colégio, mas ficaria longe de chegar aos pés de Hermione Granger. Uma das melhores coisas da escola seria a comida. Só de pensar já me dá água na boca! Lindas mesas sempre fartas das melhores comidas que alguém já comeu. Tem coisas estranhas, mas são todas bem gostosas.

eu_hogwarts_3
Almoço de natal na escola.

Claro que comendo muito eu teria que fazer algum esporte, e aí entra o quadribol! Apesar de um jogo um pouco violento, voar tão igual a um pássaro é algo que não teria como desprezar. Então lá estaria eu felizona aos finais de semana fazendo um treino aqui e outro ali.

eu_hogwarts_4

Meu cabelo estaria com a cor do meu humor do dia, quase como a Tonks. Poder escolher a tonalidade do cabelo com tanta facilidade pode fazer qualquer pessoa mais feliz, mas no meu caso é uma benção! O mais difícil mesmo seria ficar tanto tempo sem ver a família, mas tenho certeza que teria muitos amigos e seríamos uma grande família.

E vocês, em qual lugar fictício gostariam de viver? Que acharam da minha vida em Hogwarts?

Blogagem Coletiva: O que é independência para mim?

No mês da independência, aproveitamos o tema para falar sobre o que é ser independente baseado em experiências pessoais. O que você espera? O que você almeja? Oferecimento Rotaroots.

Quando decidi que ia fazer a faculdade que eu queria em outra cidade, não sabia o que ia acontecer, mas fui, aprendi a me virar e o principal, aprendi a tomar decisões. São elas que vão dizer quem você será, o que você fará e quem você vai se tornar. Foi um processo sofrido, pelo menos pra mim, e até hoje tento me acostumar com muitas coisas dessa vida de adulta. Algumas tantas sessões de terapia me ajudaram a aceitar muita coisa, principalmente a aceitar a vida de “gente grande”.

Nunca tive aquela vontade de fazer 18 anos, comprar um carro e ser dona das minhas coisas, mesmo porque nunca pensei que eu teria condições de comprar um carro, hahaha. Quando me ví, estava longe da família e com vinte e poucos anos. O tempo passou rápido demais pra lidar com tanta coisa diferente e tanta responsabilidade (ela está diretamente ligada a tal independência). Mas como digo sempre, depois de um dia de trabalho horrendo, com você cheia de gripe, tendo que ir pro hospital sozinha, em um dia de chuva, ainda chegar em casa pra comprar remédio e preparar sua própria comida, você cresce e nenhum dia fica tão ruim mais.

Pra mim, hoje eu sou uma mulher independente. Mulher sim, por mais que me sinta uma menina-grande eu tenho 26 anos, e oras! Se isso não é ser mulher, não sei o que mais pode ser? Eu levanto todos os dias super cedo, porque adoro aproveitar o máximo da luz do Sol, faço meus exercícios, vou trabalhar, tenho conta em banco, salário e obrigações. A partir do momento que você toma decisões que impactam diretamente na sua vida, seus hábitos e seu carácter, você tem a tão conhecida independência.

Foto do Gratisography.com.

Blogagem Coletiva: O que todo mundo ama e eu odeio

Todo mundo sempre fala sobre as coisas que ama fazer, comer, sentir, mas poucas vezes falamos sobre aquilo que odiamos. O tema deste mês é uma brincadeira mostrando nosso lado oposto. Podem ser desde coisas fúteis como uma comida ou até mesmo, um sentimento, situação. Este post é um oferecimento Rotaroots

drinks

BEBIDAS ALCOÓLICAS
Demorei muito na vida pra tomar algo como cerveja e logo que experimentei, ODIEI. Não entendo como tanta gente pode gostar de beber aquela coisa amarga. Antes que me venha com “ah, mas não pode falar quem nunca bebeu”, sim, já experimentei muitas bebidas, confesso que gosto de batidas e caipirinhas, mas BEEEEM fraquinhas, já que qualquer copo já me deixa zonza. Já fiquei bêbada e já dei uma perda total, e quer saber? Não tem graça. Hoje já ligo menos do que sempre liguei, não bebo e não entendo o prazer das pessoas saírem pra “tomar todas” ou ir pro Carnaval pra “encher a cara”. Acho tudo isso uma coisa sem propósito que só faz mal pro corpo da gente e ainda tenho que ouvir como faço pra me divertir.

terror

FILMES DE TERROR
Desde adolescente o pessoal adorava se reunir pra assistir filmes de terror, mas tenho que dizer que não suporto. Sangue demais, gente se amputando, jogos que matam… tudo isso é demais pra minha cabeça. Fico impressionada e tenho pesadelos por dias seguidos, ou seja, atrapalha meu sono. Não gosto, não vejo e não quero saber. Pra se ter uma ideia, só assisto Walking Dead com o namorado e preciso ver outra coisa depois.

salto

SALTO ALTO
Não é todo mundo, mas a maioria das mulheres adora um salto alto. Eu O-DEI-O. Me machuca, dói o pé e só me dá trabalho usar salto em situações que necessitam de um, então eu tinha que colocar aqui. Além disso tudo, salto faz mal pra coluna, pros ossos dos pés, então pra que usar, né?

baladas

BALADAS
Ódio é uma palavra muito forte, mas se formos contar a quantidade de baladas que vou em um ano e chegarmos a completar os dedos de uma mão, será muito. Gosto de dormir mais cedo e de aproveitar o dia, então baladas são coisas que eu realmente deixo sempre pra depois. Prefiro mil vezes um cinema e um barzinho tranquilo com os amigos. Aliás, quem vai pra balada gosta de beber pra aguentar muito e pirar a cabeça então taí, deve ser por isso que acho aquela depressão de sábado a noite da galera meio overrated. Bom mesmo é festa de formatura que tem comida e bandas animadas pra dançar muito.

quinto

ODEIO FALTA DE ATITUDE
Tenho percebido uma onda de gente que só reclama. Odeiam o partido X, odeiam as pessoas que fazem Y, odeiam a copa, o país, tudo. Mas sabe o que eu mais odeio? É que ninguém faz o mínino pra mudar a situação. Eu acho que o governo tem sim que fazer coisas pra melhorar, mas o poder também está nas nossas mãos. Tem entulho em uma rua inteira e todo mundo tá pegando dengue e ninguém fez nada ainda? Organize uma ação com as pessoas do bairro e recolham isso. A escola do seu filho é uma porcaria? Faz um a reunião de pais e façam algo pra ajudar e apoiar a escola. Sei lá, as pessoas querem tudo na mão. Na faculdade era assim, no colégio era assim. Lembra do Capitão Planeta? O poder é de todos nós e isso vale pra TUDO. Eu tento fazer minha parte onde posso e consigo, até em pequenas coisas como, devolver o carrinho no supermercado depois de usar, jogar lixo no lugar certo e separar o reciclado, economizar água agora que tá tudo zoneado … Pena que pra brasileiro o copo está sempre meio vazio e todo mundo sempre tenta tirar vantagem. Se cada um fizesse pelo menos sua parte…

Ilustrações tosquinhas made by me.