A Grande Magia – Você tem medo de quê?

A Grande Magia
Imagem

Sinopse

“Ao compartilhar histórias da própria vida, de amigos e das pessoas que sempre a inspiraram, Elizabeth Gilbert reflete sobre o que significa vida criativa. Segundo ela, ser criativo não é apenas se dedicar profissional ou exclusivamente às artes: uma vida criativa é aquela motivada pela curiosidade. Uma vida sem medo, um ato de coragem.
A partir de uma perspectiva única, “Grande Magia” nos mostra como abraçar essa curiosidade e nos entregar àquilo que mais amamos. Escrever um livro, encontrar novas formas de lidar com as partes mais difíceis do trabalho, embarcar de vez em um sonho sempre adiado ou simplesmente acrescentar paixão à vida cotidiana. Com profunda empatia e generosidade, Elizabeth Gilbert oferece poderosos insights sobre a misteriosa natureza da inspiração.”

O que achei?

Primeiro eu quero agradecer todas as pessoas que me indicaram este livro. Foram várias. Ele é bem auto ajuda mesmo, mas focado em criatividade e é como se todas as carapuças servissem em mim. Acho que se eu disser que este livro deveria ser meu livro de cabeceira seria exagero, pois eu sei que raramente irei lê-lo novamente, mas caiu como uma luva para o momento que estou vivendo.

Elizabeth conta nesta obra como ela faz para manter a sanidade no meio do trabalho criativo, e ainda traz causos e histórias de pessoas que passaram pela vida dela. É como se este livro fosse uma brisa fresca no meu rosto enquanto eu lia, como se alguém entendesse realmente o que sinto e me desse vários tapas no rosto me mandando acordar.

Se por acaso você vive ou pretende viver de sua criatividade, este livro pode ser sua salvação ou sua ruína, mas prefiro entender ele como uma mapa pra te guiar, um psicólogo pra te ouvir e uma mão pra te acalentar. Muitas coisas vieram na minha cabeça enquanto eu lia, muitas coisas foram decididas e eu espero que quem leia sinta a mesma coisa que eu.

Citações

“Precisamos ter a obstinação e aceitar nossa felicidade em meio às cruéis provações deste mundo.”

“Talvez consiga se sustentar com suas atividades, talvez não, mas pode reconhecer que não é isso que importa de fato. E, quando chegar ao final de seus dias, poderá agradecer à criatividade por tê-lo abençoado com uma existência encantada, interessante e apaixonada.”

“Por que não?”

“Crie aquilo que faz seu coração bater mais forte. O resto virá por si só.”

“Pare de reclamar. O mundo não tem culpa de você ter decidido ser artista.”