diarinho

E aí que eu voltei de viagem

Giverny - viagem França

Quem me segue em algumas redes sociais percebeu que eu dei uma viajada por esses tempos, mas eu não tinha contado nada por aqui, então vamos atualizar a situação, afinal, eu adoro contar as coisas aqui no blog!

Começamos planejando

No começo do ano o noivo aproveitou uma possibilidade dada pela empresa que ele trabalha e resolveu que iria fazer um intercâmbio. Seriam nove semanas estudando inglês para melhorar as habilidades dele. Eu não iria acompanhá-lo nessa empreitada, mas mesmo assim apoiei ele em todos os momentos pra que ele realizasse essa vontade dele, afinal, a gente tá junto pra isso. Colocamos como meta economizar grana pra que ele conseguisse pagar tudo e ainda tivesse um dinheiro pra ir pra lá e nos preparamos o ano inteiro pra isso. Ele escolheu Edimburgo – capital da Escócia – como lugar pra fazer isso e eu decidi que iria viajar pra Europa com o que eu tinha de economia, ficaria um tempo com meu irmão que mora em Paris e de lá partiria pra encontrá-lo.

E aí chegou o dia dele

Dia primeiro de setembro lá ia ele embora para as terras do kilt e eu ficava por aqui. Neste tempo uma coisa doida aconteceu: achei um freela que me consumiu bastante tempo, mas que me distraiu até a data de viajar pra França. Foi uma experiência que eu sinto que precisava, pois já faziam três anos que estava fora das agências, mas isso é assunto pra outro post. Também trabalhei dobrado pra deixar tudo agendado para o período que eu não estaria aqui. Posts do blog, Facebook da Alpaka, clientes e tudo mais.

Foram 42 dias que passaram lentamente. Como ficar longe de quem a gente gosta faz o tempo ser distorcido? 42 dias que pra mim pareceram uma década.

Flores e Invalides ao fundo - viagem França

E aí chegou o meu dia

Antes de ir pra França passei uma semana na minha terra natal, aproveitando chamego da família toda, mas ai chegou meu dia e fui. Dia 12 de outubro peguei um avião rumo a França. O primeiro dia foi OK, mas passei dois dias com crise de pânico. Amigos, não desejo pra ninguém. Nunca tive uma crise tão forte. Mas graças ao meu irmão – ele é um ser maravilhoso, já contei? – que me ouviu e conversou muito comigo, tudo passou e eu consegui aproveitar dias deliciosos e tranquilos em Paris.

E ai chegou o nosso dia

Desenhei, fui pra Disney (vou contar TUDO aqui), conheci a casa do Monet, andei de bicicleta pela cidade e dia 3 de novembro foi o grande dia. Dia do meu relógio parar de andar tão devagar e reencontrar o noivo. Sim, saí correndo no aeroporto de Edimburgo, pulei no colo dele com mochila pesada, assustei ele e chorei muito. Contarão esta história em canções com gaita de fole para sempre.

De cima do Arthur's Seat

Ai tudo passou rápido

Fiquei quatro dias conhecendo o lugar que acolheu o noivo por dois meses – e que lugar! – voltamos para Paris e de lá saímos numa viagem com o meu irmão, a namorada dele e o irmão dela. Foi lindo, tivemos experiências incríveis e logo estávamos de volta em Paris pra correr pra ver algumas coisas e voltar pra casa. É engraçado que depois tudo foi correr, mas foi tão bom!

Aí que depois de tudo isso de aventuras eu voltei. Acho que não sou a mesma que foi. Tenho algumas coisas na cabeça que quero fazer, tenho sonhos pra correr atrás e algumas decisões pra fazer que ainda me faltam, mas pode ser que vocês logo saibam disso.

Quero contar tudo que vi por aqui, assim como fiz com a minha outra viagem, e espero que vocês gostem das dicas e de tudo mais. Obrigada por ler até aqui. =D

Você é Foda

Caso você se esqueça, você é foda!

Once Upon a Time

Esta semana que passou eu tive que resolver alguns problemas aqui no blog, resolvi links que não existem mais e várias imagens que eu hospedava no Photobucket ficaram quebradas e tive que baixar todas, uma a uma, pra poder arrumar. Estou fazendo isso aos poucos, pois são mais de mil imagens em posts diversos e vai levar um tempo, mas saibam que estou arrumando. Acontece que com isso eu tive o prazer de reler alguns posts mais antigos e rever meus desenhos antigos.

Quem acompanha o blog desde meus tempos de adolescente ou desde a época da faculdade, deve se lembrar de um projeto que se chamava Caderninho de Quinta. Ele funcionava assim: toda quinta-feira eu deveria postar um desenho feito por mim, assim eu me obrigava a desenhar pelo menos uma vez por semana. Comecei com isso em 2009 e levei até 2014 e vou contar pra vocês, esta experiência me trouxe muitas recordações lindas, além de perceber como mudei de opinião em várias coisas, mas o principal mesmo foi ver minha evolução no desenho.

First Things First

Nos primeiros que vi eu já falei: “GZUZ! Como eu tinha coragem e postar isso?”, e a cada nova descoberta, uma exclamação. Na época eu achava eles bem ruizinhos já (aliás, achar trabalho próprio ruim é minha especialidade, já contei?), mas hoje eu vejo como eram bem fracos.

No começo eles eram feitos no meu caderno da faculdade no meio das aulas ou no meu caderninho que ganhei na época e ia comigo pra todo lugar. Eu não estudava anatomia nem nada, era desenhar por desenhar. Depois comprei uma mesa gráfica e comecei a me arriscar em alguns desenhos digitais – arriscar mesmo porque vix! – e até algumas pinturas. Os últimos desenhos do projeto já tinham mais exercícios do curso de desenho que fiz aqui em São José dos Campos que comecei logo quando vim pra cá, mas nem por isso eram melhores dos que eu consigo fazer hoje.

Eu comecei a estudar mais seriamente desenho e aquarela depois do workshop da Sabrina Eras em 2013 – sim, ela mesma – foi um momento de catarse pra mim, onde descobri que dava pra viver de ilustração de alguma maneira, conheci pessoas que gostavam disso assim como eu e me senti animada pra fazer melhor algo que eu já amava fazer.

Nem tudo são flores

Acontece que nem sempre eu consigo me manter bem o suficiente para me manter focada nos estudos. Este ano comecei muito bem fazendo vários cursos do Schoolism , me dedicando pelo menos 2/3 horas diárias para os desenhos, pelo menos 22 dias por mês, mas algo acontece e minha energia vai caindo, o habit tracker começa a ser esquecido e quando vejo me perdi de novo. Isso acontece em várias coisas na minha vida, mas o desenho é algo que sempre volto. SEMPRE. Por isso continuo insistindo e pelo visto tá dando certo.

Até Pokemons Evoluem

Depois de rever tanta coisa mais antiga, trabalhos de quase 10 anos atrás eu pude ter uma visão REAL da minha evolução. Já falei por diversas vezes aqui do livro Perfect Bait do Bobby Chiu no qual ele fala sobre você não se comparar com mais ninguém, apenas com você. É algo complicado, a todo momento a gente está se julgando, mas depois de rever meus desenhos antigos, senti que precisava disso e fiz um antes e depois: escolhi dois desenhos mais antigos e refiz eles com o meu traço e conhecimento de hoje, e vejam só como a coisa está diferente:


Post antigo.


Post antigo.

Ainda vejo muito onde melhorar, mas o movimento, a pose, a composição a noção de corpo melhorou de um tanto que eu fiquei muito feliz com o resultado. Deu pra ver como estou aprimorando dia a dia minhas habilidades e como continuar insistindo no desenho está me fazendo melhorar mesmo.

Na faculdade eu comprei umas aquarelas da Pentel porque queria começar a pintar, mas não tinha informação de nada e esta foi minha primeira vez que resolvi aprontar com a tinta, em 2010:

Minha primeira aquarela, se é que se pode chamar disso, em 2010

Eu não acho que eu deveria ser presa pela “polícia das artes”, a coisa está terrivelmente macabra, mas se não fosse este começo eu nunca teria chegado onde estou hoje, que pode não ser o maior patamar do mundo, mas cada degrau aqui tem que ter sua importância. Depois do curso da Sá em 2013 eu me arriscava mais com materiais e papéis corretos e veja a evolução pro ano de 2014:

Aquarela de pássaro feria em 2014

Você É Foda!

Como diriam algumas pessoas: “me perdoem o “francês”, mas vira e mexe a gente se esquece de quanto a gente sonha com algo, de quanto a gente estuda e investe em algumas coisas, esse recado é pra mim e pra todo mundo que lê este post e que pode se sentir meio na bad de vez em quando: VOCÊ É FODA.

Por mais que as vezes a coisa não corra como queremos, que a gente ache que nunca vai conseguir, a gente é foda por continuar, por insistir e por acreditar. A gente as vezes apoia tanta gente e esquece de se apoiar, então fica aqui meu recado pra gente ser menos mal com a gente mesmo.

Rumo aos Trinta

rumo aos trinta: foto de um pedaço de bolo com velas

Eu andava muito dedicada, toda preparada, toda disciplinada. Estava programando posts, selecionando os temas para dar um rumo ao blog e cuidando de tudo direitinho. Acontece que na vida, a gente tem que priorizar as coisas, nosso tempo é curto, temos que trabalhar e ainda tem que sobrar tempo para o marido, estudos, hobbies, e quando vemos o dia precisaria ter 120 horas para que conseguíssemos fazer tudo.

Os posts estavam prontinhos até junho, aí eu desandei. Hoje é dia cinco e em outro momento eu estaria entrando em pânico que não tenho nada agendado para esta semana ou a próxima. Tenho sim muitas ideias, mas cadê o tempo? Depois que criei a Alpaka meu tempo é dedicado a ela, mas sempre achei um jeitinho de encaixar o blog por aqui. Acontece que o blog, por mais que seja minha paixão, não me trás nenhum retorno financeiro, e eu acabei dedicando tempo de estudo e criação de coisas novas para ele. Confesso, fiz errado. Tenho que focar minhas energias onde eu quero que dê certo, mas meu amor pelo mundo bloguístico é tão grande que me deixei levar. Eu amaria que ele fosse a parte “certa” da minha vida, mas não consigo escolher nicho, amo escrever e estou me encontrando nas newsletters. Tenho um cara muito bacana (Arthur! MUITO OBRIGADA!) me ajudando com SEO e tentando melhorar o blog desde o começo do ano, ele diz que adora meu trabalho aqui e quase morre de saber que faço tudo isso aqui, todo esse conteúdo 100% original, de graça. E como tá difícil impulsionar tudo isso! Aí aconteceu: a BAD bateu.

Eu já tinha falado aqui que queria que o blog fosse algo leve, mas eu não tomei nenhuma atitude pra resolver isso. Na verdade só algumas poucas: instituí que só posso postar e escrever posts DEPOIS do meu horário de trabalho. Como eu que faço meu horário, dei umas escapulidas, claro. Diminui um post por por semana, mas resolvi gravar vídeos, que me consomem um dia praticamente que inteiro entre gravar e editar. Ou seja, cadê o foco Michelli?

Esse espaço me trouxe tanta coisa, tanta gente, tanta oportunidade que ele faz parte de mim já. Tenho blog há 17 anos, cresci vendo os pastos dos diários virtuais se tornarem prédios enormes de propaganda e acabei ficando nessa terra de ninguém. A maioria das meninas que eu seguia, que tinham blog, acabaram também por ir embora. Algumas, as que tornaram isso profissão, ficaram. Eu continuo aqui, como prova de que eu não desisto fácil.

Agora tenho menos de 365 dias para completar meus 30 anos e continuo repensando muito no que faço aqui, se tem serventia, se alguém nesse mundão sem fim ainda me lê e se vale a pena continuar dando murros em ponta de faca. Minha terapia está me fazendo repensar em muita coisa e nisso acabo me encontrando. Eu AMO dividir coisas legais com as pessoas, mas a internet de meu deus tá ficando cada vez mais complicada pra gente se reinventar. Já tentei muitas coisas, sei que consigo dividir minhas experiências em outros canais, mas escrever, apesar de eu ser bem visual, ter minhas ilustrações e tudo mais, escrever me trás uma paz sem igual.

Estou aqui, chacoalhando a poeira pra não deixar vocês e me preparando para meus próximos dias até os 30, que tenho certeza que serão incríveis. Aguardem as cenas dos próximos capítulos.

Vamos ser amigos de cartas

ChellPals – Amigos de cartas digitais.

Foto de cartas antigas da minha prima pra mimCartinhas da prima.

Senta que lá vem história

Desde pequena eu era meio viciada em cartas. Trocava cartas direto com minha prima que morava em Curitiba. A gente mandava cartas enormes, cheias de desenhos, colantinhos, páginas cheirosinhas, papéis de carta e canetas coloridas com glitter. Na mesma época também trocava cartas com minha tia e madrinha que morava lá em Brasília. Depois fui crescendo e arrumei alguns amigos na internet pra trocar… CARTAS! Porque não?

Maurício Alves foi um desses, hoje autor de livro, ator talentosíssimo e um dos responsáveis pelo canal Gaiola das Roucas, que fala sobre teatro de uma maneira divertidíssima. Até hoje guardo nossas cartas.

Foto de cartas antigas da minha madrinha para mimCartas da madrinha.

Depois passei a trocar cartas com o namorado. Mesmo quando nos víamos, parecia que as conversas não cabiam no tempo que tínhamos junto e as cartas continuavam a falar. Ele mudou de cidade, na época a internet não era assim tão fácil, com WhatsApp e tudo mais, e só nos falávamos 2 vezes por semana, por 10 minutos. Aí vieram as cartas. E quantas foram! Tenho uma caixa cheia delas.

Sempre gostei dessa coisa de escrever para as pessoas, conhecê-las realmente e por isso criei o blog há quase 17 anos atrás. Eu adoro ler blogs e gosto de contar um pouco de mim, então na época havia uma troca boa de pessoas se conhecendo. Porém hoje as coisas mudaram bastante nesse mundo blogueirístico e senti que precisava de um lugar pra ser mais direta, um lugarzinho mais íntimo pra chamar de meu, pra falar das coisas da vida, pra gente se aprochegar gostosinho e trocar umas ideias.

Foto de cartas antigas que mandei pro noivoCartões que fiz pro noivo.

Foto de uma parte das cartas que tenho em casaUm pouco das cartas que tenho em casa.

ChellPals

Pen pal foi uma das primeiras palavras que aprendi no meu curso de inglês, quando tinha meus 7/8 anos. Julia Burns, a menininha do livro, tinha um amigo fora do Brasil pra quem escrevia cartas e ele era o “penpal” dela. Esta palavra significa “amigos de caneta”, ou seja, pessoa que você amigavelmente troca cartas. Então resolvi dar o nome dessa listinha de ChellPals, ou “amigos da Chell”.

Nestes e-mails vou dividir com vocês reflexões do cotidiano, coisas que me inspiram e coloridezas da vida. Acabei de inventar esta palavra. Lá a gente pode falar mais perto, vocês recebem no aconchego de vossos e-mails textos e inspirações que mandarei uma vez ao mês. Juro que vai ser no máximo duas, assim nenhuma caixa de e-mail vai se cansar de mim.

O que achou da ideia? Quer entrar pro clubinho? É só preencher o formulário abaixo e esperar a primeira “cartinha” chegar.

Preencha e se inscreva!


* obrigatório