passeio

Viagem: Nantes | França

Nantes foi uma descoberta incrível que tive que compartilhar com vocês.

“Fique de olho nas crianças!”

Chegando em Nantes

Da última vez contei pra vocês como fomos para o Monte Saint Michel de carro saindo de Paris. Nosso plano era ir mais longe, iríamos visitar a família da minha cunhada em Saint-Agnant, então resolvemos parar no meio do caminho para descansar.

A cidade escolhida para essa parada foi Nantes. Chegamos tarde por lá e fomos direto para o hotel que dormiríamos e descansamos um pouco para continuar a viagem no dia seguinte, mal sabíamos que o dia seguinte seria tão incrível.

Ruas de Nantes
Ruas de Nantes.
La Place Royale - Nantes
La Place Royale – Nantes

Sobre Nantes

Nantes é a sexta maior cidade da França, conhecida por ter sido local onde os Duques da Bretanha viveram, além de ser o lugar onde Jules Verne, escritor de “A Volta ao Mundo em 80 dias” e “20 Mil Léguas Submarinas”, nasceu e teve suas inspirações para os livros. A cidade também é conhecida por ser um local que respira arte.

Château des ducs de Bretagne - Castelo dos Duques da Bretanha.
Château des ducs de Bretagne – Castelo dos Duques da Bretanha.
Dentro o Château des ducs de Bretagne .
Dentro do Castelo.

Passeando por Nantes: A Linha Verde

O dia seguinte acordou com cara de preguiça: nublado e chuvoso. Porém, viajantes não se espantam com este tipo de clima, ainda mais na Europa, e logo tratamos de sair e explorar!

Logo de cara me apaixonei pelas ruas e a arquitetura da cidade. Tudo tão fofo, parecia um filme! Então descobrimos uma coisa que eu simplesmente achei genial: The Green Line (a Linha Verde).

A Linha Verde de Nantes.
A Linha Verde de Nantes.

Se você seguir pelos 12 km da Linha Verde que corta a cidade de Nantes, você vai conhecer os melhores lugares da cidade. Meu lado designer, fã e “Mágico de Oz” foi à loucura? Com certeza. Porém como não tínhamos um dia completo pra ficar na cidade, seguimos ela apenas por alguns lugares, o que já foi magnífico!

Catedral de São Pedro e São Paulo em Nantes
Catedral de São Pedro e São Paulo. Sua construção iniciou-se em
1434 e apenas for finalizada em 1891.
Nantes
Vista das lojinhas de dentro do castelo dos duques.
Nantes e o Rio Loire.
O Rio Loire corta a cidade por vários lados.

Les Machines de l’île

Uma super atração turística de Nantes são “As Máquinas da Ilha”, uma atração cultural e artística que fica em estaleiros antigos da cidade. São máquinas criadas pelos artistas François Delarozière e Pierre Orefice que visam promover a identidade de Nantes como uma cidade de sonho, criatividade e fantasia ou seja, feita o pra mim.

Entrada do Les Machines de l'île
Entrada do Les Machines de l’île.

O projeto começou em 2007 e é simplesmente incrível! Eles fazem máquinas articuladas inspiradas muitas vezes nas obras de Jules Verne, e você pode ver todas elas e até interagir com várias. O mais famoso é o Grande Elefante, que tem 12 metros de altura, pesa 45 toneladas e pode levar até 49 passageiros.

©Ulrike Lemmin-Woolfrey

Infelizmente fomos em uma época que tudo estava em manutenção, o que só me deixa mais animada para voltar até a cidade uma próxima vez.

Dentro do estaleiro.
O Carrossel dos Mundos Marinhos, com seus 25 m de altura. Dá pra entrar e explorar todas as 39 criaturas mecânicas que fazem parte da atração.

Passado e futuro nas ruas de Nantes

Andando pela pela Linha Verde nos deparamos com construções bem modernas, como é o caso de “Air“, uma instalação com várias peças de alumínio que podem ressoar com o vento se tornando uma “fachada sonora”.

Ela foi criada pelo artista alemão Rolf Julius e foi incorporada na fachada do prédio Manny.

Ao mesmo tempo podemos entrar em uma brasserie (padaria) de 1895, projetada pelo arquiteto Émile Libaudière, e sermos transportados para um filme antigo.

No La Cigale tomamos um café da manhã francês incrível e ainda aproveitamos pra ficar babando em cada um dos detalhes do lugar mais Art Noveau que já fui na vida.

La Cigale
Foto no espelho mais lindo do mundo no La Cigale.
Fachada do La Cigale.
Fachada do La Cigale.

O que achei de Nantes?

Passeamos por Nantes por pouco mais de oito horas e fiquei encantada. Street arts pelas paredes, postes e chão, vistas lindas e lugares super diferentes para conhecer e explorar, simplesmente um lugar mágico e incrível pra se conhecer em um passeio na França. Ainda volto lá e fico pelo menos 3 dias pra conhecer bem a cidade.

Eu e JM, o marido, no Castelo.
Ruas fofas de Nantes.

Onde fica?

La Cigale – 4 Place Graslin
Les Machines de l’île – Parc des Chantiers, Boulevard Léon Bureau

Evento SIM – MBA USP | ESALQ

Um evento MBA USP pra você aprender e aproveitar muito

Balão com escritos SIM MBA USP ESALQBalão MBA USP – Chique né? – Foto do Facebook do evento.

Você também pode curtir: Cursos de desenho on-line.

Mas o que é esse tal de SIM?

História longa encurtada, o noivo começou um MBA EAD (Ensino a Distância) na USP ESALQ (Campus Piracibaba) e achou super bacana, ai que eu me interessei e resolvi começar o meu em marketing agora em outubro. Ai descobrimos o SIM, um evento semestral com palestras, atrações culturais e defesas de monografias dos alunos que estão fechando seus cursos. Durante dois dias (sábado e domingo), pessoas de várias partes do Brasil vão para Piracicaba para trocar experiências, fazer networking, aprender e se divertir.

Conteúdos

O noivo estava super empolgado com as palestras e adorou todas que assistiu. Conheceu pessoalmente alguns professores que ele só assiste pelos vídeos das aulas e pode aproveitar todos os conteúdos.

Eu comi bola e perdi a inscrição do evento, mas participei do MBA Day, que acontece em conjunto do SIM para pessoas que pensam em fazer o curso. Fui para conhecer alguns professores e saber um pouquinho mais do que me espera no segundo semestre, já que minha matrícula estava mais que feita. As palestras aconteceram na parte do sábado de manhã e foram ótimas! O pessoal recebeu todo mundo com um café da manhã delícia e muita energia.

Fachada completa da USP Escola Superior de Agricultura Luiz de QueirozEscola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Tour por Piracicaba

Na parte da tarde a minha agenda e a do noivo tinham a mesma coisa: tour por Piracicaba, campus USP e Pecege. Achei muito bacana a ideia da organização de mostrar um pouco de tudo para o pessoal, já que o curso é a distência e muita gente não conhece nada por lá.

Primeiro conhecemos um pouquinho do campus da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), o maior campus da Universidade de São Paulo, que sozinho tem mais de 50% da área da universidade.

Rio Piracicaba visto do elevador panorâmico“O riiiio de Piracicabbaaaaaa”

Depois fomos conhecer um pouco da cidadde de Piracicaba, na verdade mesmo, o Rio Piracicaba. Levaram a gente em um elevador panorâmico e tiramos lindas fotos de lá. O rio é realmente grande e impressionante. Ficamos imaginando ele na época das chuvas com bastante água, deve ser mais lindo ainda.

Eu nos estúdios de gravação das aulas do MBA USP ESALQNem comecei as aulas e tô na empolgação!

Por último conhecemos os estúdios do Pecege, de onde são transmitidas as aulas ao vivo pra todo mundo que se inscreveu.

O que mais nos impressionou foi a organização. Pulseirinha pra saber qual ônibus você está, comidinhas no ônibus pra beliscar durante o passeio e guias super animados. Uma delícia de passeio!

Lembrança USP ESALQ para formandos do MBALembrança para alunos que completam o curso.

Apresentação de monografias

Como eu não podia entrar em mais palestras, resolvi que ia ver como as monografias eram apresentadas. Uma palavra: impressionada! Cinquenta cabines pequenininhas dispostas uma ao lado da outra com TV e notebook para que os alunos plugassem seus trabalhos. Corredores cheios de gente e um caderno de programação completinho pra você escolher o assunto que quisesse pra assistir.

Peguei pessoas apresentando trabalhos ótimos e fiquei super feliz por eles! Conheci ótimas pessoas por alí e me inspirei e me animei ainda mais para os meus 18 meses de MBA que vão começar. A estrutura e a organização mais uma vez me deixaram boba de ver.

Sim Festival, imagem do balão ao fundo com as pessoas curtindo o evento na frenteSIM Festival – Foto do Facebook do evento.

SIM Festival

Depois de tanto andar e aprender, a gente foi se divertir! No meio do evento aconteceu pela primeira vez o SIM FESTIVAL, uma baladinha bem tranquila pra galera se conhecer ainda mais e descansar um pouco da pressão das monografias e palestras. O evento aconteceu no The Wall Music Club, e só digo: que lugar lindo. Chegamos e já ficamos bem impressionados com o balão que colocaram no meio de um campo. Que balada tem um balão gente? Música bacana, cadeiras, balada de velho, meu tipo food trucks gostosinhos, tudo bem legal. Aprovadíssimo pessoal!

O que achei no fim das contas?

Com uma organização de tirar o chapéu, eu e o noivo nos surpreendemos demais com tudo. Pessoal fez um evento delicioso e curtimos bastante tudo que vimos por lá, palestras, monografias e baladinha. Tudo muito bom! Só preciso enfatizar um fator: comida.

Dentro do evento quem comprou o SIM tinha direito ao bom e velho bandejão da USP. Até aí lindo, mas eu não tinha o acesso e resolvi comprar na hora pelo valor de R$25. Eu não manjava nada de bandejão e logo fiquei bem triste. Bem no dia foi feijoada – não como – e como não tem opção tive que viver com o resto que havia por ali. A comida é ok, mas achei o preço MUITO salgado. Se soubesse tinha me virado nos food trucks e na lanchonete – por sinal maravilhosa.

Agora, se você for e tiver um tempinho, aproveite o domingo para dar uma volta na Rua do Porto, uma rua delicinha que margea o Rio Piracicaba, e coma um prato da região que muita gente indicou: lombo de filhote. A maioria dos restaurantes ali servem o prato, mas indicamos o Dezoitos. Sério, coma.

Quer saber mais? Fazer uma pós?

Descubra no site MBA USP e siga eles no Facebook.

Este post não é um publieditorial, mas bem que poderia. É apenas um relato de uma ótima experiência!

Edimburgo e Harry Potter

Porque todo fã de Harry Potter deveria conhecer Edimburgo.

Todo bom potterhead (que é como os fãs de Harry Potter se denominam) sabe que a autora do nosso amado livro, Joanne Kathleen Rowling, mora em Edimburgo. Ela vive lá desde 1993 e se inspirou em várias características da cidade para criar o mundo do bruxinho Harry, então é claro que eu quis andar o máximo pelas ruas e lugares da cidade para descobrir cada detalhe que faz de Edimburgo e Harry Potter algo único.

Alguns lugares são tão “a cara dos livros” que dá vontade de morar pra sempre por lá, e é sobre eles que eu vou falar hoje.

Leia mais sobre Edimburgo, a capital da Escócia.

George Heriot School - Edimburgo
George Heriot School ao fundo.

Hogwarts

A Escola Interna George Heriot serviu de ideia para Jo – desculpa, sou íntima – escrever sobre Hogwarts. Não é uma atração turística da cidade, apesar da construção ser bem bonita, mas foi a escola que inspirou J.K. a escolher um sistema de ensino no modelo de internato e dividir as pessoas em casas com cores distintas. Poisé, existe algo assim na terra dos trouxas.

Castelo de Edimburgo - Vista do Arthur's Seat
Castelo de Edimburgo – Vista do Arthur’s Seat

Muitos lugares dizem que Hogwarts também foi feita nos filmes com inspiração do Castelo de Edimburgo e dá pra você entender muito! Apesar de o Castelo de Edimburgo não ter torres altas e pontiagudas como o do filme, acredito que a parte de ser todo construído em cima de um rochedo ter tudo a ver com isso.
Onde fica? 23 Lauriston Pl, Edinburgh

O túmulo de Tom Riddle

Um lugar que eu não fui – sou medrosa – foi o Cemitério Greyfriars. Lá você encontra o túmulo do verdadeiro Tom Riddle e outros nomes famosos que Jo tirou de lá, como McGonagall, por exemplo. Muitos passeios, como o Potter Trail levam o pessoal pra conhecer as lápides com nomes conhecidos dos livros.
Onde Fica?26A Candlemaker Row

Tom Riddel - Tumba
Túmulo de Tom no Greyfriars.

Beco Diagonal

Se você quer se sentir em lojinhas fofas e diferentes, é só andar pela Victoria Street. Lojas pequenininhas, algumas com dois andares, e bem diferentes, que dizem ter sido a inspiração de JK para criar o Beco Diagonal. Até existe na rua uma loja cheia de coisas diferentes voltadas para o público fã de Harry Potter, onde você pode comprar varinhas, ou até mesmo tirar uma foto como um estudante de Hogwarts.
Onde fica? Victoria Street

Victoria Street - Edimburgo
Victoria Street

Loja de Harry Potter na Victoria Street
Loja de Harry Potter na Victoria Street.

Passagens secretas

Logo que chegamos em Edimburgo e fui apresentada às passagens estreitas e diferentes que são chamadas de closes eu me apaixonei. Você está andando em uma rua larga e entra em uma passagem pequena e apertada que te leva por escadas até a rua de baixo. Foi algo que me levou muito para o mundo de Harry Potter. Alguns closes são mais famosos como o Advocates Close e o Anchor Close.

Além disso existem vários túneis e passagens secretas por Edimburgo, muitas apresentam atrações como tours fantasmas, como é o caso do The Real Mary King’s Close. Será que saíram daí as inspirações para Câmara Secreta e os corredores secretos de Hogwarts? Já pensou passar de noite por alí?
Onde ficam? Você encontra closes por toda Old Town.

Close em Edimburgo
Close que passa por baixo de alguns apartamentos.

Close em Edimburgo
Close com lojas.

The Elephant House

Já falei deste restaurante por aqui, mas como o post é especial pottermaníaco, ele voltou! O restaurante onde Jo escrevia capítulos de Harry Potter é parada obrigatória pra comer um prato típico escocês, mas ao contrário do que se diz, não foi exatamente aqui que HP surgiu, e sim no Spoon (6A Nicolson St).
Onde fica? 21 George IV Bridge

O quarto de JK

Um dos pontos mais marcantes de quando se anda pelas ruas de em Edimburgo é o Balmoral Hotel, que tem uma torre bem alta com seu relógio todo imponente bem na Princes Street. Lá foi onde J.K. Rowling escolheu para terminar de escrever os últimos capítulos de “Relíquias da Morte”, e você pode ficar no mesmo quarto que ela por £900 por noite.
Onde fica? 1 Princes St

Hotel Balmore de noite
Balmore Hotel e Castelo de Edimburgo vistos do Calton Hill.

Hotel Balmore de dia
Hotel Balmore visto do Scott Monument.

Surpresas

Além de todos os locais citados, ainda adiciono aqui as surpresas que Edimburgo pode trazer pra você, como ver corujas maravilhosas e lindas por um passeio ou topar com pessoas vestidas de personagens de filmes medievais. Edimburgo com certeza tem peculiaridades que contarei em breve por aqui, mas pra mim é uma cidade mágica.

Viagem: Trilha das Sete Praias | Ubatuba

A gostosa Trilha das Sete Praias em Ubatuba

Natureza é tudo de bom, né?

Mas quais são as sete praias?

Este passeio em Ubatuba passa pelas praias: Lagoinha, Oeste, Peres, Bonete, Deserta, Cedro e Fortaleza. Algumas excursões começam na Lagoinha, outras na Fortaleza. Eu e o noivo fizemoso percurso saindo da Lagoinha e fomos até a do Cedro. Quer saber por quê? Só continuar a leitura.

Trilha das Sete Praias.

Como foi o passeio?

Eu e o noivo resolvemos ir sozinhos depois e ler que o caminho era bem tranquilo e demarcado. Saímos de São José dos Campos bem cedinho e começamos a andar na praia da Lagoinha já pelas 8h da manhã. Nosso objetivo era andar até a sétima praia, um percurso de quase 10km.

Pra achar o começo da trilha foi só perguntar para alguns garis que estavam na praia e começar! A trilha para as primeiras praias são realmente muito tranquilas. Largas e com bastante espaço. Logo chega-se na praia Oeste, bem pequena, com um pouco de areia preta – adoro! – e que sim, já conta como segunda praia. Na terceira praia, a Peres, ainda é possível encontrar alguns bares, pois a trilha ainda é bem plana, o que facilita o acesso de mais pessoas.

De uma praia para a outra.

Chegando na praia do Bonete já começamos a ter mais natureza! Uma praia com uma boa faixa de areia e com um mar delicioso! Não por acaso foi a praia que escolhemos ficar para comer e curtir o dia depois de ir até a sexta praia.

Até a Deserta, quinta praia, a trilha segue bem, mas já começa a ficar mais complicada. Não é a toa que por isso ela já é uma praia mais vazia. Lá encontramos pessoas acampando,apesar de placas falando para que isso não fosse feito.

Para chegar na praia do Cedro, a coisa já complica. Boa subida e muito cuidado apesar de uma trilha bem marcada. Com isso temos uma vista linda do alto. De lá para a sétima praia, a Fortaleza, são mais 3km, mais ou menos uma hora de caminhada a mais. Por isso resolvemos parar ali, já que teríamos que voltar a trilha toda depois e dirigir até em casa. Retornamos para a praia do Bonete e ali comemos, curtimos o mar delicioso e fiquei desenhando as pessoas por ali.

Como fazer?

Tempo de passeio: Fizemos a ida até a sexta praia em 2 horas, parando, tirando fotos e curtindo bem. A volta fizemos em 50 minutos em um bom ritmo.

Quanto custa? Vai depender de como você vai pra lá, nós gastamos a gasolina e os pedágios do caminho.

O que levar? Câmera e /ou celular para registrar tudo. Água! Bastante água para hidratar, protetor solar e lanchinhos. Não esqueça um saquinho para colocar o lixo e não deixar nada na natureza e vá com uma roupa e tênis confortáveis!

Além de se aventurar sozinho pela trilha, você pode também ir com o pessoal da Ecovaletur, que já fizemos passeios antes como o snorkeling na Ilha das Couves, e sempre indico.

%d blogueiros gostam disto: