Variedades

Produtos bacanas, promocões, eventos e tudo que pode ser uma dica valiosa pro seu dia-a-dia.

Parque Alberto Simões | Passeio em São José dos Campos

Há um bom tempo eu tinha descoberto sobre o Parque Alberto Simões aqui em Sanja (modo carinhoso que tratamos São José dos Campos) e eu e o marido já tínhamos tentado ir lá, mas na época o parque estava fechado.

Entrei na internet e vi que por conta de prestações de contas da Prefeitura ou algo assim, ele já estava sem funcionar fazia 6 meses, mas que iria reabrir dali algumas semanas. Acabou que esquecemos e ficou por isso mesmo.

Aí, meu irmão e minha cunhada vieram visitar a gente em maio e vi que finalmente o parque estava aberto! Resolvemos então que iríamos passear com eles e conhecer juntos o lugar. E posso falar? A gente adorou!

Parque Alberto Simões
Parque Alberto Simões
Mapa do parque Alberso Simões em São José dos Campos
Mapa do parque

Sobre o parque Alberto Simões

Naquele lugar funcionava a antiga Fazenda Boa Vista, e onde fica a casa, hoje funciona a Polícia Ambiental. O mais bacana de lá é que o lugar conta com equipamentos para a prática de esportes radicais (duas tirolesas, paredão de escalada e estrutura para arborismo), pista para skate e BMX street. E tudo estava tão novinho e bem cuidado que eu fiquei morrendo de vontade de levar minha irmãzinha pra brincar lá!

Além disso, também tem circuito para caminhada e playground para crianças e uma academia ao ar livre para adultos. Pelos cartazes que lemos, parece que o parque também oferece aulas grátis de dança e coisas do tipo.

Casa onde hoje fica a Polícia Ambiental.
Vista de São José e cabine de onde sai a tirolesa - Parque Alberto Simões
Vista de São José e cabine de onde sai a tirolesa.

Não conseguimos praticar os esportes radicais porque era dia de semana e descobrimos que essas coisas só funcionam sábado e domingo, pois precisam de monitores e ainda rola uma distribuição de senhas. A dica foi chegar cedo no sábado, que é o dia mais tranquilo. Não voltamos lá ainda, mas está nos planos!

Pista de skate, patins e bike.
“Academia” infantil.
Playground infantil (uma pena ser só pra criança, pois pareceu bem bacana).

Gostamos bastante de caminhar por lá, tem partes com árvores que deixa o caminho mais protegido do sol e com certeza queremos voltar para aproveitar a tirolesa, pois a vista de lá é bem bonita!

É de São José? Já tinha conhecido este parque? Conhece algum outro? Conta aí nos comentários!

As trilhas para caminhada são bem bacanas!

ONDE FICA?

Avenida Pico das Agulhas Negras, 112, Altos de Santana

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO PARQUE
Terça a sexta-feira, de 6h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 6h às 18h

Tirolesa, arborismo e escalada
Sábados, domingos e feriados. Participação nas atividades radicais sujeitas à retirada de senhas limitadas no local. Horário de funcionamento restrito até a última senha entregue.

Menores de 18 anos poderão participar SOMENTE com autorização dos pais, responsáveis legais ou acompanhados de parentes com documento de procuração original.
I

Deixando o cabelo crescer

Deixando o cabelo crescer: do curto ao cumprido


AI SEGURA A CABELEIRA PORQUE VOU
FALAR DE UM ASSUNTO QUE EU A-DO-RO: CABELO!

Como comecei

Lááááá em 2016 eu tive um cabelão. Não era qualquer cabelão, acho que foi o maior tamanho de cabelo que eu tive na minha vida. Eu era apaixonada nele, porém já estava enjoada de olhar no espelho e ver aquele monte de cabelo que me dava um trabalhão e gastava muita tinta colorida.

Foi aí que comecei a ver alguns cortes pelo Pinterest e resolvi que queria um corte igual da Ruby Rose no filme XXX. Meu pai, como exímio cabeleireiro que é, mandou super bem e lá entrava eu na vida de cabelo curto. Cheguei a contar no meu canal do YouTube sobre ter o cabelo curto e até fiz post aqui no blog contando quais cuidados eu tinha com meu cabelinho.


Apresento-lhes: o cabelão. Foto por Gio Coppi


Meu médio-curto por Letícia Aimer

Passando a tesoura

Só que não bastou cortar ele assim, eu queria mais. De repente percebi que estava morrendo de vontade de ver como eu ficaria com um pixie hair. Tipo Anne Hathaway depois de “Os Miseráveis”, sabe? Então cheguei pro meu pai e falei “Pai, quero curtíssimo”. Depois de três vezes ele perguntando se era real oficial, lá fomos nós pra tesourada. Se você acha que um channel é curto, não sabe quanto cabelo pode sair da sua cabeça se pedir um pixie.

No começo achei meio estranho, mas foi bem fácil acostumar. A gente não precisa fazer muita coisa, só acordar jogar uma água, se quiser aproveitar joga uma pomadinha e pronto! Os mesmos trabalhos com o cabelo channel valem pro pixie, porém com muito menos produto.

Eu gostava da praticidade e velocidade que ele secava depois do banho. Tenho verdadeiro ódio de secar o cabelo no dias frios ou depois de treinos de noite, então pra mim foi a festa do caqui poder tomar banho e ter o cabelo seco em minutos.

Deixando o cabelo crescer

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2016 e 2017

Depois de matar a vontade, resolvi deixar o cabelo crescer de novo, e aí vem a parte difícil. Se você quer ele curto, resolve-se o “problema” em segundos, mas pra crescer demora um bocado e aqui requer um pouco de paciência e uma pitadinha de… paciência. O cabelo curto perde a forma e o corte bem rápido e assim a gente começa a ficar com ele todo desengonçado.

Nestas fotos acima dá pra perceber como eu tive que começar a usar faixa/tiara pra segurar os fios quatro meses depois de cortar o cabelo todo.

Presilhas, tiaras e o que mais virar

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2017 e 2018

Coloquei uma sequência de três meses seguidos pra vocês verem como o corte muda em pouquíssimo tempo. Se você acha que seu cabelo cresce devagar, experimente cortar bem curto, você vai ver que é tudo questão de ponto de vista. Em poucos meses eu tinha um cabelo com mullets e eu estava quase indo jogar na Argentina péssima piada. Como meu pai é meu único e soberano cabeleireiro, eu tinha que aguardar até a próxima visita pra arrumar os fios. HAJA PRESILHA!

Cresceu!

Fotos de 2018 e 2019

Depois de um tempo você percebe que já dá pra fazer um rabo de cavalo. Com uns meses mais as tranças voltam e agora eu tô toda serelepe com ele grande de novo com direito a tranças, rabos, chuquinhas e o que mais vier. Um pouco longe de ser do tamanho que ele era ainda, mas quase lá. Foram dois anos deixando ele crescer, cuidando dele para que os fios ficassem saudáveis nessa jornada e sempre aparando as pontas para o corte se ajustar e deixar ele forte.

Como comentei no vídeo, cabelo cresce e este post é a prova disso! E você, já pensou em mudar radicalmente? Conta pra mim aí nos comentários!

Livro: como publicar o seu?

Como publicar um livro?

Coleção Castelo de Cartas

Eu tenho uma vontade bem grande de um dia ter algo publicado com meu nome na capa – e nas ilustrações – mas enquanto isso não acontece, eu achei que uma amiga minha poderia ajudar bastante a esclarecer algumas dúvidas de quem quer fazer a mesma coisa, mas não sabe como colocar em prática, então apresento pra todo mundo: Camila Loricchio.

Camila LoricchioA Camilinha é designer, escritora, mestre em desenvolvimento, tecnologias e sociedade (chique demais), escreve desde 2011 no blog Castelo de Cartas, mesmo nome da trilogia de livros que ela escreveu (tenho todos), e ela ainda trabalha como revisora e assistente editorial. Tive o prazer de conhecê-la na época da faculdade – ela é minha bixete) e estou desde então acompanhando as coisas legais que ela faz.

Então a partir daqui quem fala é ela. Camila, bem-vinda, a casa é sua!

Publicando com ditora

Publicando com Editora

Meu primeiro livro (o Castelo de Cartas – Valete) foi lançado lá em 2011, por meio de uma editora. A experiência acabou não sendo das melhores, mas serviu pra conhecer um pouco do mercado e descobrir uma coisa que vai aparecer em todos os casos de publicação impressa independente: LIVRO OCUPA ESPAÇO.

Junto dessa experiência, no meu trabalho recente como assistente editorial numa editora independente, eu pude trabalhar com o outro lado da moeda, ajudar escritores a publicarem por meio da editora. Vamos aos prós e contras desse tipo:

Prós:
Você tem um apoio editorial super joia que te ajuda com a revisão, diagramação, distribuição, estoque, notas fiscais, acertos, e contatos no mercado.

Contras
O que o autor recebe é bem pouco se for considerar o todo (depois de entender os custos que envolvem uma editora, eu acho que é justo num mercado que cobra tanto, mas é completamente impossível viver de livros dessa forma), é cerca de 10% do preço de capa do livro. As livrarias também pegam uma bocada, vai custo de impressão, da equipe que trabalhou, e tudo o mais.

Em suma, vale e muito por todo apoio e expertise aos quais você pode ter acesso, mas o retorno é bem a longo prazo! Também é bom frisar que tem editora que cobra pra publicar e editora que cobre os custos, e também algumas em que você investe o valor e recebe conforme as vendas. (Nem preciso dizer que é sempre bom achar uma editora em que você confie e MUITO, ler o contrato com muita atenção e desconfiar de quem tá pedindo demais e não dando nada em troca, escrever é trabalho. 🙂

Livro independente

Publicando um Livro Independente

Depois da experiência com meu primeiro livro, eu acabei enveredando pelos caminhos da independência, então o meu segundo foi feito totalmente independente, foi o Castelo de Cartas – Dama em 2013. Era a continuação do primeiro, eu estava no fim da faculdade, meu namorado também fazia design e já trabalhava numa editora. Então já que ambos tínhamos uma noção do que precisava fazer, fizemos toda a diagramação, revisão, e mandamos imprimir uma tiragem mais coerente.

Outro ponto que já vou trazer aqui referente a publicação impressa é: Tiragem.
Muitos livros significam que você precisa ter um capital maior pra investir, e saber se vai ter vazão. E lugar pra guardar, porque novamente, eles ocupam espaço, pesam, acumulam pó, podem ser danificados e mais mil coisas.

É sempre bom alcançar um equilíbrio entre uma tiragem que valha pelo preço (quanto mais livros menor o preço por exemplar) e que você consiga vender.
Outra coisa é que, se você quer fazer tudo completinho, vai ter de lidar com um prefixo editorial, e isso é mais custo, pensar nos registros na Biblioteca Nacional e tudo o mais. O legal é que fazendo um prefixo você pode publicar um tantão de livro e registrá-los. Então vale bastante.

Nesse tipo você também tem que saber bem mais sobre o processo que envolve fazer um livro, tem que saber falar com as gráficas, com os profissionais que vão fazer o que você não consegue ou não quer/pode fazer (diagramação, leitura crítica e sensível, revisão, capa). O que é bem legal pois a gente acaba tendo contato e entendendo o que realmente envolve fazer tudo isso. Eu particularmente gosto pacas.

Vamos aos prós e contras desse tipo!

Prós:
Tudo que entra é seu. Você tem mais controle criativo sobre o projeto, mesmo não fazendo com alguém pode ter amigos e contatos pra trocar ideias e fazer a obra da melhor forma possível.

Contras:
Tudo que sai também é seu. Nesse caso a gente teve que pagar apenas a impressão, pois fizemos nós mesmos a parte de design e revisão (hoje em dia eu diria que nunca é bom a gente mesmo revisar nossa própria obra, contrata alguém joia pra fazer esse serviço pra você!), mas a impressão é uma das partes mais caras hoje em dia, então você já precisa ter esse dinheiro disponível e ter a consciência de que vai demorar pra recuperar. Você também precisa lidar com o estoque, controle das vendas, divulgação e tudo que a editora faria pra você. E ao mesmo tempo que é muito legal, cansa bastante.

Alguns desses contras conseguem ser rebatidos com uma coisa linda e maravilhosa que entrou pra ficar na minha vida, que é a terceira modalidade:

Independente com Financiamento Coletivo:

Essa já é minha menina dos olhos haha
Já fiz dois livros por meio de financiamento coletivo, o Castelo de Cartas – Rei (de 2016) e a HQ Desenredos (de 2018! Essa feita em parceria com o Pedro Vó).
O financiamento coletivo é uma etapa a mais pra todo mundo que não tem o capital que a gente comentou anteriormente pra investir (que basicamente é a grande maioria de todos nós). Como vender é a parte difícil, o financiamento já te ajuda a fazer quase uma pré-venda lindona e ver quem tá afim do seu trabalho, de conhecer suas leitoras e leitores e de tornar as pessoas parte do projeto. É uma delícia. Dá um trabalho a mais? Sim. Mas vale muito. E te desgasta muito menos financeiramente e na hora da divulgação.

Vai acabar envolvendo os mesmos prós e contras do anterior, mas com a vantagem de já estar sendo um tipo de ação muito usada pelo meio independente (e também por editoras!), assim a galera que lê já está acostumada a lidar com isso e ajudar.

Claro que nesse caso entram algumas questões a mais: você precisa se preparar com uma logística de envios, recompensas viáveis, responsabilidades e orçamentos bem firmes pra não ficar no prejuízo. É aquela coisa, pesquise os projetos que deram certo, conheça as plataformas (tem Catarse, Benfeitoria, Kickstarter, uma penca!), veja as diferenças entre cada um, taxas, tempo, se organize, e ahaze.

Isso tudo que falei até agora foi pra livros impressos, mas e os famigerados ebooks?

Livros Digitais

Livros digitais:

Eu estou no processo de revisar os livros da Trilogia das Cartas pra poder lançar em ebook. Ebook hoje é super prático, você leva pra qualquer canto e é uma super chance de facilitar o acesso pra qualquer um sem depender do meio físico e de transportar o livro (e de imprimir, né).

Pra diagramar ebook pra várias plataformas dá um trabalho (por isso vários ebooks não são tão em conta assim! Às vezes o preço chega a ficar mais caro do que o impresso, dependendo da complexidade do projeto), então se você não consegue fazer isso por conta, não tem como pagar alguém joia pra fazer isso pra você, tem vários meios de autopublicação (como na Amazon). Nesse caso é sempre bom, novamente, ficar atento aos contratos, se envolve exclusividade, quanto do preço de capa fica pra você e pesar tudo certinho. 🙂

Esse é o meio mais acessível sem depender de muita coisa, outra opção, mais independente impossível, vai em muitas feiras é:

Zines

Zines xuxus:

Zine é o rolê mais independente possível, não precisa de ISBN, dá pra fazer em casa, pode fazer com uma única sulfite, xerox, a criatividade é o limite. E muitas vezes é uma chance super joia de mostrar seu trabalho pra quem não conhece.
Acabei lançando um esse ano, o Serial Zine, super simplão, com uns contos, e é isso.

Prós:
Tem muuuuuita referência de zine joia por aí, dá pra despirocar na criatividade, é barato, você apresenta seu trabalho de uma maneira super lindeza e é gostoso de fazer.

Contras:
Se baixa a pessoa megalômana sai caro. Acho que só isso.

Bem, gente, tem mais mil detalhes e mil coisas que envolvem a gente publicar um livro, a ideia era fazer um tourzão rápido pelos tipos de publicação com os quais tive experiência, o rolê mesmo é analisar o que você tem em mãos, o que rola no momento, conversar muito e ir pesquisar.

Se tiverem dúvidas deixem aí que a gente volta pra sanar!
E, claro, nunca deixar de escrever.

Evento: Feira Livre Grafia | Parque Vicentina Aranha | São José dos Campos

Feira Livre Grafia em São José dos Campos

Eu posando com minhas coisas na mesinha cheia de prints, roupas e adesivosMinha produção do primeiro dia foi: “Quero te agredir com tantas cores.”

O que é a Feira Livre Grafia?

É uma feira de arte impressa que surgiu na FLIM – Festa Litero Musical – de 2017. A FLIM é um evento que acontece dentro do Parque Vicentina Aranha em São José dos Campos, cidade onde moro atualmente, e conta com autores, artistas, cantores, escritores e muitos outros profissionais da arte escrita e visual para esta festa linda.

Nesta primeira edição de 2018, a Livre Grafia veio dentro do LabFLIM, um mini evento de dois dias que aconteceu no parque como um aquecimento para a FLIM que vai acontecer em setembro e mais uma vez pude fazer parte como ilustradora.

Pessoal aproveitando a feira no domingo de manhãPessoal passeando pela alameda cheia de artistas lindos!

Como foi?

Desta vez consegui me organizar melhor e levei mais prints e adesivos para a feira. Ficamos sábado (fim da tarde e noite) e domingo (de manhã) pelo parque e como já esperava, o público foi bem menor do que da outra vez, já que foi a primeira vez do evento fora da FLIM.

É a primeira vez que um evento assim acontece por aqui, então as pessoas ainda tem que se acostumar com esse tipo de feira e o propósito dela. Por isso espero que julho a coisa seja melhor. Teve bastante movimento e poucas vendas, mas long de mim reclamar! Já fui em cada feira furada e esta com certeza não é uma, pois o público é bacana demais, muitos jovens vem trocar ideias, pessoas querem saber mais do seu trabalho e isso é impagável.


Look gótica suave de domingo.

Algumas pessoas lindas que estavam lá:

Felipe Sakae | Letras e Lousas | Aurora | Will Yamagushi | Virei Almofada | Peeculiar
| Bossa Velha | Mago Pool

E muitas outras que eu não encontrei o link pra colocar aqui, mas que vocês podem encontrar de novo na próxima edição da feira que acontece em julho! Já fica esperto que em julho quero ver mais gente indo dar um oi e levando print pra casa.

%d blogueiros gostam disto: