Vida Real

Alô, alô, planeta Terra chamando! Este é o diário de bordo da blogueira que vos escreve.

Parque Ribeirão Vermelho | Passeio em São José dos Campos

Conheça o Parque Ribeirão Vermelho em São José dos Campos.

Marido e eu no Parque Ribeirão vermelho

Já contei aqui no blog várias vezes que eu e marido adoramos explorar a cidade e vira e mexe estamos andando por algum canto pra descobrir algum lugar. Aí que há um tempo vi nos Stories de pessoas que conheço em São José dos Campos um parque bem diferente que eu não reconhecia. Deu o que fazer, mas descobri que se tratava do Parque Ribeirão Vermelho que fica na região do Urbanova.

Este bairro é meio longe de casa, mas em um dia de tédio resolvemos encontrá-lo. Jogamos no app de mapas e chegamos sem problemas.

Parquinho do Pq. Ribeirão Vermelho

Sobre o parque

O Parque Ribeirão Vermelho tem uma área de aproximadamente 250 mil metros quadrados e foi inaugurado em fevereiro de 2017, novinho né? Lá da pra jogar tênis, basquete, fazer caminhadas, andar de patins, skate e bicicleta (muita gente andando lá dentro com aquelas de locação, sabe?). Além disso, foi o único parque que vimos aparelhos de exercícios adaptados para cadeirantes.

Quiosques

O parque ainda tem alguns quiosques (piqueniques!) e parquinho para crianças. Para deixar ainda mais bacana, ele ainda tem “piscinas verticais”, que são nada mais que fontes que ficam com água para cima e para baixo para refrescar o pessoal em dias de calor. Achei super divertido! Em algumas fotos da internet da pra ver que a criançada grande e pequena se diverte muito!

O dia que fomos estava gelado, porém lindo! Sol bem gostoso e céu azul e adoramos conhecer mais esse lugarzinho de Sanja. Para completar o passeio vimos um tatuzinho cavando buraco para comer bichinhos, muito fofinho!

Quadras de tênis

Onde fica?
Avenida Maria de Lourdes Friggi, Urbanova

Horário
Segunda a sexta-feira, das 7h às 22h
Sábados, domingos e feriados, das 7h às 18h

Fonte – Finais de semana, das 10h às 17h

Eu e o tecido acrobático

Força, definição de músculos, elasticidade e muita diversão é o que o tecido acrobático vai te trazer.

Eu com os pés amarrados em um espacate no ar entre as árvores. Tecido acrobático.
Nem tá doendo.

Sobre o tecido acrobático

Originado no circo, o tecido acrobático é um esporte no qual a pessoa, sem linhas de segurança, realiza acrobacias em um tecido que fica suspenso e preso no alto de alguma estrutura. A pessoa usa o tecido para se enrolar, dar travas e nós para realizar figuras no ar.

Duas fotos. Na primeira realizo a posição bali: com os dois pés presos as pernas são dobradas em 90 graus, uma para frente e outra para trás, a colubna se curva para trás e o corpo forma uma letra N. Na segunda a posição flamingo: pernas trançadas em uma ponta, o corpo fica de ponta cabeça e as mãos ficam livres.
Posições Bali e Flamingo.

Como tudo começou

Eu sou muito a louca de descobrir atividades físicas, né? Já contei aqui minha experiência com a dança do ventre, com a corrida, com o pilates, com o kung fu e agora eu trago pra vocês o tecido acrobático! Porque o importante mesmo é a gente se manter sempre exercitando o corpo, né?

Ano passado queria experimentar algo novo e aí uma amiga que já praticava o tal tecido me levou pra conhecer uma aula. Posso dizer que meu lado criança-que-trepa-em-tudo se realizou e eu resolvi trocar um pouco as artes marciais pelos tecidos.

Então desde novembro do ano passado eu me encontro nas aulas de tecido e queria muito contar como está sendo esta experiência pra vocês.

tecido acrobático
Caixinha de música e Amazon.

Eu e o tecido acrobático

Uma das coisas que mais estou amando no tecido é a força que eu estou ganhando. Braços, pernas e PRINCIPALMENTE meu abdômen, minha pior parte pra ganhar força, estão ficando melhores a cada dia e isso é visível.

Muita gente fala que precisa de força pra começar as aulas, mas eu digo: você ganha a força conforme as aulas vão acontecendo, e ver isso se refletindo nas posições que você faz é incrível.

A cada aula somos levados para mais um desafio e quebrá-los se torna maravilhoso, ainda mais com as turmas super animadas que encontrei no estúdio que pratico. As colegas de classe e a professora são pessoas incríveis e todas as vitórias, de todo mundo, são comemoradas.

Tecido acrobático.
Grega e Grande L.

Em sete meses treinando tecido além de toda a força que ganhei – e pessoas queridas ao meu redor – consegui vencer desafios pessoais, como o medo de algumas quedas que tenho começado a aprender. Afinal, cair faz parte da vida, né? Ainda mais no caso das quedas que são controladas e que ficam LINDAS pra quem assiste.

O tecido me deu um senso de quebrar meus limites além dos que eu achei que conseguiria e estou me descobrindo mais capaz do que nunca. Estar lá em cima entre as “minhas cortinas”, como diz o marido, é de uma paz incrível, uma sensação de leveza e poder sem igual.

A cada dia me apaixono mais por esta prática, que só tem um defeito: não dá pra fazer em todos os lugares.

Quer saber mais? Fazer uma aula teste? Onde eu faço?
As aulas são no Studio Thais Holiveira que fica na Blackfit do Shopping Vale Sul. Segue no Insta! @studio.thaisholiveira.

Nosso Casamento a Dois

Nosso casamento a dois foi surpresa pra todos, vem saber como foi essa aventura.

João Manoel (vulgo, marido) me pediu em casamento no topo de Sacre-Cœur em uma viagem que fizemos para Paris em 2014. Já morávamos juntos há dois anos, mas ele resolveu fazer esta surpresa e achei mega fofo. Nunca marcamos data nem nada e tudo ficou como já estava.

João Manoel e eu em um campo de lavanda - Casamento a dois
João Manoel e eu, esse momento é nosso.

Como tudo começou…

Aí que eu resolvi fazer uma festa de 30 anos pra mim no ano passado, pois tinha na minha cabeça que queria fazer algo assim.

A festa foi incrível, juntei muita gente amada, mas no meio do processo eu vi como dava trabalho fazer tudo, mas – principalmente – quanto dinheiro eu ia gastar pra fazer uma festa simples.

Vinhos e frios do dia dos namorados em cima de uma mesa e uma placa com escrito Chell e João Faltam 43 dias.
Vinhos e frios no dia dos namorados do ano passado e a plaquinha fazendo a contagem.

Com isso em mente, dia 12 de junho de 2018, durante o jantar de dia dos namorados na nossa varanda, entreguei o único convite de casamento que tivemos para o noivo: “Você é o único convidado para o casamento”.

Sim, agora eu pedia e dava uma data: 1º de outubro, dia que comemoramos aniversário de namoro. Falei como eu queria que fosse: só eu, ele e as testemunhas. Mais uma vez, dissemos sim um pro outro. Começou então nossa contagem regressiva.

Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.
Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.

Como já tínhamos uma união estável, o processo foi bem tranquilo: 20 dias antes da data que queríamos que constasse na certidão de casamento fomos até o cartório com nossos documentos e amigos que seriam as testemunhas e assinamos tudo. Pronto! Estávamos casados.

Recordações de um casamento a dois

Para comemorar e deixar este momento guardado, fizemos um ensaio a dois com a minha querida amiga Gio Coppi, que já havia feito um ensaio meu. Para este ensaio de casal fomos até Campos do Jordão, afinal já que gostamos de natureza, trilhas e viemos de uma cidade de montanha, seria perfeito.

Eu e João olhando para as alianças em novo lugar. Casamento a dois.
Aliança mudou de mão!
João Manoel me abraçando em meio a árvores.
Eu e João caminhando entre as árvores.

Queria tirar fotos em um campo de lavandas, mas o mais próximo de nós foi bem difícil de entrar em contato. Chegamos cedo para pegar tudo tranquilo e acabou que deu tudo meio “errado”. Lugar fechado por falta de informações e saímos por tirar fotos em lugares alternativos. Mesmo assim, ficaram maravilhosas!

Por fim o campo de lavandas abriu e conseguimos tirar fotos por lá. Ou seja, felicidade completa! O ensaio foi cansativo por conta dos contratempos, mas a Gio foi incrível. Adoramos o resultado e temos lindas fotos pra marcar este momento que foi importante pra gente.

Um casamento bem a gente, cheio de amor e simplicidade.

Contamos para as famílias depois de nossa viagem de lua de mel que fizemos para a Amazônia, uma surpresa do marido pra mim. Mas isso será assunto para um outro post.

E vocês? Já pensaram em fazer um casamento assim? Que acharam?

Deixando o cabelo crescer

Deixando o cabelo crescer: do curto ao cumprido


AI SEGURA A CABELEIRA PORQUE VOU
FALAR DE UM ASSUNTO QUE EU A-DO-RO: CABELO!

Como comecei

Lááááá em 2016 eu tive um cabelão. Não era qualquer cabelão, acho que foi o maior tamanho de cabelo que eu tive na minha vida. Eu era apaixonada nele, porém já estava enjoada de olhar no espelho e ver aquele monte de cabelo que me dava um trabalhão e gastava muita tinta colorida.

Foi aí que comecei a ver alguns cortes pelo Pinterest e resolvi que queria um corte igual da Ruby Rose no filme XXX. Meu pai, como exímio cabeleireiro que é, mandou super bem e lá entrava eu na vida de cabelo curto. Cheguei a contar no meu canal do YouTube sobre ter o cabelo curto e até fiz post aqui no blog contando quais cuidados eu tinha com meu cabelinho.


Apresento-lhes: o cabelão. Foto por Gio Coppi


Meu médio-curto por Letícia Aimer

Passando a tesoura

Só que não bastou cortar ele assim, eu queria mais. De repente percebi que estava morrendo de vontade de ver como eu ficaria com um pixie hair. Tipo Anne Hathaway depois de “Os Miseráveis”, sabe? Então cheguei pro meu pai e falei “Pai, quero curtíssimo”. Depois de três vezes ele perguntando se era real oficial, lá fomos nós pra tesourada. Se você acha que um channel é curto, não sabe quanto cabelo pode sair da sua cabeça se pedir um pixie.

No começo achei meio estranho, mas foi bem fácil acostumar. A gente não precisa fazer muita coisa, só acordar jogar uma água, se quiser aproveitar joga uma pomadinha e pronto! Os mesmos trabalhos com o cabelo channel valem pro pixie, porém com muito menos produto.

Eu gostava da praticidade e velocidade que ele secava depois do banho. Tenho verdadeiro ódio de secar o cabelo no dias frios ou depois de treinos de noite, então pra mim foi a festa do caqui poder tomar banho e ter o cabelo seco em minutos.

Deixando o cabelo crescer

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2016 e 2017

Depois de matar a vontade, resolvi deixar o cabelo crescer de novo, e aí vem a parte difícil. Se você quer ele curto, resolve-se o “problema” em segundos, mas pra crescer demora um bocado e aqui requer um pouco de paciência e uma pitadinha de… paciência. O cabelo curto perde a forma e o corte bem rápido e assim a gente começa a ficar com ele todo desengonçado.

Nestas fotos acima dá pra perceber como eu tive que começar a usar faixa/tiara pra segurar os fios quatro meses depois de cortar o cabelo todo.

Presilhas, tiaras e o que mais virar

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2017 e 2018

Coloquei uma sequência de três meses seguidos pra vocês verem como o corte muda em pouquíssimo tempo. Se você acha que seu cabelo cresce devagar, experimente cortar bem curto, você vai ver que é tudo questão de ponto de vista. Em poucos meses eu tinha um cabelo com mullets e eu estava quase indo jogar na Argentina péssima piada. Como meu pai é meu único e soberano cabeleireiro, eu tinha que aguardar até a próxima visita pra arrumar os fios. HAJA PRESILHA!

Cresceu!

Fotos de 2018 e 2019

Depois de um tempo você percebe que já dá pra fazer um rabo de cavalo. Com uns meses mais as tranças voltam e agora eu tô toda serelepe com ele grande de novo com direito a tranças, rabos, chuquinhas e o que mais vier. Um pouco longe de ser do tamanho que ele era ainda, mas quase lá. Foram dois anos deixando ele crescer, cuidando dele para que os fios ficassem saudáveis nessa jornada e sempre aparando as pontas para o corte se ajustar e deixar ele forte.

Como comentei no vídeo, cabelo cresce e este post é a prova disso! E você, já pensou em mudar radicalmente? Conta pra mim aí nos comentários!

%d blogueiros gostam disto: