Fotos

Meu vício por fotografias invadiu o blog e agora tem um espaço só pra ele.

Parque Ribeirão Vermelho | Passeio em São José dos Campos

Conheça o Parque Ribeirão Vermelho em São José dos Campos.

Marido e eu no Parque Ribeirão vermelho

Já contei aqui no blog várias vezes que eu e marido adoramos explorar a cidade e vira e mexe estamos andando por algum canto pra descobrir algum lugar. Aí que há um tempo vi nos Stories de pessoas que conheço em São José dos Campos um parque bem diferente que eu não reconhecia. Deu o que fazer, mas descobri que se tratava do Parque Ribeirão Vermelho que fica na região do Urbanova.

Este bairro é meio longe de casa, mas em um dia de tédio resolvemos encontrá-lo. Jogamos no app de mapas e chegamos sem problemas.

Parquinho do Pq. Ribeirão Vermelho

Sobre o parque

O Parque Ribeirão Vermelho tem uma área de aproximadamente 250 mil metros quadrados e foi inaugurado em fevereiro de 2017, novinho né? Lá da pra jogar tênis, basquete, fazer caminhadas, andar de patins, skate e bicicleta (muita gente andando lá dentro com aquelas de locação, sabe?). Além disso, foi o único parque que vimos aparelhos de exercícios adaptados para cadeirantes.

Quiosques

O parque ainda tem alguns quiosques (piqueniques!) e parquinho para crianças. Para deixar ainda mais bacana, ele ainda tem “piscinas verticais”, que são nada mais que fontes que ficam com água para cima e para baixo para refrescar o pessoal em dias de calor. Achei super divertido! Em algumas fotos da internet da pra ver que a criançada grande e pequena se diverte muito!

O dia que fomos estava gelado, porém lindo! Sol bem gostoso e céu azul e adoramos conhecer mais esse lugarzinho de Sanja. Para completar o passeio vimos um tatuzinho cavando buraco para comer bichinhos, muito fofinho!

Quadras de tênis

Onde fica?
Avenida Maria de Lourdes Friggi, Urbanova

Horário
Segunda a sexta-feira, das 7h às 22h
Sábados, domingos e feriados, das 7h às 18h

Fonte – Finais de semana, das 10h às 17h

Nosso Casamento a Dois

Nosso casamento a dois foi surpresa pra todos, vem saber como foi essa aventura.

João Manoel (vulgo, marido) me pediu em casamento no topo de Sacre-Cœur em uma viagem que fizemos para Paris em 2014. Já morávamos juntos há dois anos, mas ele resolveu fazer esta surpresa e achei mega fofo. Nunca marcamos data nem nada e tudo ficou como já estava.

João Manoel e eu em um campo de lavanda - Casamento a dois
João Manoel e eu, esse momento é nosso.

Como tudo começou…

Aí que eu resolvi fazer uma festa de 30 anos pra mim no ano passado, pois tinha na minha cabeça que queria fazer algo assim.

A festa foi incrível, juntei muita gente amada, mas no meio do processo eu vi como dava trabalho fazer tudo, mas – principalmente – quanto dinheiro eu ia gastar pra fazer uma festa simples.

Vinhos e frios do dia dos namorados em cima de uma mesa e uma placa com escrito Chell e João Faltam 43 dias.
Vinhos e frios no dia dos namorados do ano passado e a plaquinha fazendo a contagem.

Com isso em mente, dia 12 de junho de 2018, durante o jantar de dia dos namorados na nossa varanda, entreguei o único convite de casamento que tivemos para o noivo: “Você é o único convidado para o casamento”.

Sim, agora eu pedia e dava uma data: 1º de outubro, dia que comemoramos aniversário de namoro. Falei como eu queria que fosse: só eu, ele e as testemunhas. Mais uma vez, dissemos sim um pro outro. Começou então nossa contagem regressiva.

Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.
Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.

Como já tínhamos uma união estável, o processo foi bem tranquilo: 20 dias antes da data que queríamos que constasse na certidão de casamento fomos até o cartório com nossos documentos e amigos que seriam as testemunhas e assinamos tudo. Pronto! Estávamos casados.

Recordações de um casamento a dois

Para comemorar e deixar este momento guardado, fizemos um ensaio a dois com a minha querida amiga Gio Coppi, que já havia feito um ensaio meu. Para este ensaio de casal fomos até Campos do Jordão, afinal já que gostamos de natureza, trilhas e viemos de uma cidade de montanha, seria perfeito.

Eu e João olhando para as alianças em novo lugar. Casamento a dois.
Aliança mudou de mão!
João Manoel me abraçando em meio a árvores.
Eu e João caminhando entre as árvores.

Queria tirar fotos em um campo de lavandas, mas o mais próximo de nós foi bem difícil de entrar em contato. Chegamos cedo para pegar tudo tranquilo e acabou que deu tudo meio “errado”. Lugar fechado por falta de informações e saímos por tirar fotos em lugares alternativos. Mesmo assim, ficaram maravilhosas!

Por fim o campo de lavandas abriu e conseguimos tirar fotos por lá. Ou seja, felicidade completa! O ensaio foi cansativo por conta dos contratempos, mas a Gio foi incrível. Adoramos o resultado e temos lindas fotos pra marcar este momento que foi importante pra gente.

Um casamento bem a gente, cheio de amor e simplicidade.

Contamos para as famílias depois de nossa viagem de lua de mel que fizemos para a Amazônia, uma surpresa do marido pra mim. Mas isso será assunto para um outro post.

E vocês? Já pensaram em fazer um casamento assim? Que acharam?

Evento: Semana Monteiro Lobato 2017 – #SML2017

Semana Monteiro Lobato em Taubaté

Eu, Renata Cundari, Armindo Ferreira, Má Moraes, Thiago Galvão e Marcela Cerqueira numa selfie.

Um convite delicioso

Este ano fui convidada para um evento que já está no meu coração, a Semana Monteiro Lobato, lá em Taubaté, terra do escritor. Organizada pelo Almanaque Urupês, pelo Taubaté Shopping e pela Livraria Leitura, o evento reuniu uma programação maravilhosa entre os dias 19 e 23 de abril.

Vários nomes de peso passaram por lá, como Carina Rissi, Carolina Munhoz, Raphael Draccon, Heloisa Prieto e Bruno Honda, e eu fui convidada, juntamente com outros criadores de conteúdo aqui da região do Vale do Paraíba, para falar sobre produção de conteúdo digital por aqui.

Thiago Galvão, eu, ma Moraes, Marcela Cerqueira e Armindo Ferreira.

Thiago Galvão olhando para mim, que estou falando no microfone, ao lado, Ma Moraes.

A mesa dos boletos

Foi bem legal reencontrar pessoas que sigo aqui do Vale. Eu, Má Moraes, Marcela Cerqueira, Armindo Ferreira e o mestre de cerimônias Thiago Galvão falamos sobre como é complicada a relação entre as marcas e o produtor de conteúdo por aqui, de como mantemos os trabalhos paralelos da nossa vida “na internet” para pagar os boletos que chegam no fim do mês, mudanças de regras nas plataformas, etc.

Ganhamos um kit fofíssimo pela participação, com direito até a pó de pirlimpimpim!

Eu e Draccon no maior papo.

Carolina Munho e eu.

Autógrafos e espaço pra uma fã.

Fora a mesa, aproveitei para ficar na palestra super legal com Carolina Munhoz e Raphael Draccon, escritores brasileiros que eu adoro e sigo faz tempo nas redes sociais. Draccon é meu querido por conta da trilogia de livros Dragões de Éter que eu adorei ler. Infelizmente não tinha livros para autógrafo, mas fiz questão de tirar foto com os dois.

Eu segurando a pelúcia do Jovem Link, personagem do Zelda, e Camila Loricchio.

Ainda encontrei minha amiga e eterna bixete da faculdade, Camila Loricchio, que é escritora e estava com livros dela numa máquina linda que você podia pegar livros. Aliás indico muito a trilogia Castelo de Cartas.

Eu usando um capacete de papelão criado por Bruno Honda, que estava na exposição dele.

Caixas da exposição de Bruno Honda

Leitura e Arte

Pude ainda conferir a exposição do Bruno Honda, criador do famoso Mônica Toy, animação bem simplificada e engraçadinha da Turma da Mônica. O cara manda muito bem e fiquei só alí babando nas artes que ele faz em coisas que provavelmente jogaríamos fora, como desodorantes e caixas de pizza.

Pra completar a felicidade, estava rolando a exposição Donas da Rua, com artes de personagens da Turma da Mônica feitas por artistas que admiro muito. Mas é tanto que deixei isso pra falar em um próximo post e dar a devida atenção. Calma que logo ele chega.

E você, conhecia o evento? É da região? Conta mais se você foi e o que achou =D

Ensaio Fotográfico com Gio Coppi

gio_9

Teve uma época da minha vida que você poderia me achar uma garota muito moleque: andava de rabo de cavalo com meu cabelo que ia pra lá da cintura, uma bermuda de tactel, uma camiseta e meu All Star. Pra mim era aquilo que eu precisava. Sandálias, saias, blusinhas, passavam bem longe do meu guarda-roupa. Mesmo assim eu ainda chamei atenção de um rapaz, que hoje é meu noivo. Eu sempre disse que ele deve ter tido algum vislumbre de potencial ali.

Depois de um tempo adicionei algumas saias e sandálias, mas nunca nada demais. Na faculdade as minhas amigas de república falavam pra eu colocar outras roupas na hora de sair pra algumas festinhas, e algumas vezes elas me emprestavam coisas delas, mas depois me via nas fotos e raramente achava que aquilo era eu. Eu sempre me senti uma menina, mesmo depois da terrível fase da adolescência, quando parece que seu corpo é uma geringonça total, eu ainda não tinha uma visão real de quem eu era. Sempre quis ser como as mulheres que eu via na rua, pessoas que eu conhecia, mas quando eu usava algo parecido eu já não me encontrava. Meu querer era completamente diferente do que eu era.

Há um tempo atrás olhei algumas fotos do kung fu e percebi como eu sou magra. Nunca havia me enxergado daquela maneira. Cintura, pernas longas, braços cumpridos, até parecia que alguém tinha feita uma montagem com meu corpo, mas não, era puramente apenas eu. A grande maioria das pessoas sempre quer ser “mais magra”, entrar em padrões, ter abdômen trincado, parece que nunca está bom, mas eu comecei a ver como eu estava me sentindo bonita.

Neste momento uma amiga muito especial, dessas que tem um olhar bonito pra enxergar além das lentes de uma máquina, me chamou pra tirar fotos. Eu topei. Sabia que as fotos dela são de mulheres maduras, mas horas, se aos meus 28 anos eu não me considerar uma mulher, quando isso vai acontecer? Apesar das minhas playlists de músicas da Disney e meu tênis de LED eu me considero madura.

gio_1

gio_2

gio_3

gio_4

gio_5

gio_6

gio_7

gio_8

Foi uma tarde divertida, eu me despi bem pouco da vergonha que sentia e ela foi vendo como eu estava no momento. O resultado, foram fotos de um momento único pra mim. Um momento que eu estou me descobrindo como uma pessoa dona de mim, mais confiante de quem sou, do que gosto e de quem quero ser.

Essa amiga linda é a Gio, ela faz retratos MARAVILHOSOS de mulheres, além de fotos de modelos ótimas. Você pode agendar com ela, os preços são muito bacanas e posso dizer que é uma experiência única. Você termina de ver as fotos e se sente linda e maravilhosa, porque você é linda sim!

Já agradeci muito ela, porque foi muito importante pra mim este ensaio. Foi um presente pra minha alma, que andava perdida na minha ansiedade, e acredito que sim, um ensaio pode fazer muito por você.

Conheça a Gio
Site | Instagram | Facebook

%d blogueiros gostam disto: