Viagem: Nantes | França

Nantes foi uma descoberta incrível que tive que compartilhar com vocês.

“Fique de olho nas crianças!”

Chegando em Nantes

Da última vez contei pra vocês como fomos para o Monte Saint Michel de carro saindo de Paris. Nosso plano era ir mais longe, iríamos visitar a família da minha cunhada em Saint-Agnant, então resolvemos parar no meio do caminho para descansar.

A cidade escolhida para essa parada foi Nantes. Chegamos tarde por lá e fomos direto para o hotel que dormiríamos e descansamos um pouco para continuar a viagem no dia seguinte, mal sabíamos que o dia seguinte seria tão incrível.

Ruas de Nantes
Ruas de Nantes.
La Place Royale - Nantes
La Place Royale – Nantes

Sobre Nantes

Nantes é a sexta maior cidade da França, conhecida por ter sido local onde os Duques da Bretanha viveram, além de ser o lugar onde Jules Verne, escritor de “A Volta ao Mundo em 80 dias” e “20 Mil Léguas Submarinas”, nasceu e teve suas inspirações para os livros. A cidade também é conhecida por ser um local que respira arte.

Château des ducs de Bretagne - Castelo dos Duques da Bretanha.
Château des ducs de Bretagne – Castelo dos Duques da Bretanha.
Dentro o Château des ducs de Bretagne .
Dentro do Castelo.

Passeando por Nantes: A Linha Verde

O dia seguinte acordou com cara de preguiça: nublado e chuvoso. Porém, viajantes não se espantam com este tipo de clima, ainda mais na Europa, e logo tratamos de sair e explorar!

Logo de cara me apaixonei pelas ruas e a arquitetura da cidade. Tudo tão fofo, parecia um filme! Então descobrimos uma coisa que eu simplesmente achei genial: The Green Line (a Linha Verde).

A Linha Verde de Nantes.
A Linha Verde de Nantes.

Se você seguir pelos 12 km da Linha Verde que corta a cidade de Nantes, você vai conhecer os melhores lugares da cidade. Meu lado designer, fã e “Mágico de Oz” foi à loucura? Com certeza. Porém como não tínhamos um dia completo pra ficar na cidade, seguimos ela apenas por alguns lugares, o que já foi magnífico!

Catedral de São Pedro e São Paulo em Nantes
Catedral de São Pedro e São Paulo. Sua construção iniciou-se em
1434 e apenas for finalizada em 1891.
Nantes
Vista das lojinhas de dentro do castelo dos duques.
Nantes e o Rio Loire.
O Rio Loire corta a cidade por vários lados.

Les Machines de l’île

Uma super atração turística de Nantes são “As Máquinas da Ilha”, uma atração cultural e artística que fica em estaleiros antigos da cidade. São máquinas criadas pelos artistas François Delarozière e Pierre Orefice que visam promover a identidade de Nantes como uma cidade de sonho, criatividade e fantasia ou seja, feita o pra mim.

Entrada do Les Machines de l'île
Entrada do Les Machines de l’île.

O projeto começou em 2007 e é simplesmente incrível! Eles fazem máquinas articuladas inspiradas muitas vezes nas obras de Jules Verne, e você pode ver todas elas e até interagir com várias. O mais famoso é o Grande Elefante, que tem 12 metros de altura, pesa 45 toneladas e pode levar até 49 passageiros.

©Ulrike Lemmin-Woolfrey

Infelizmente fomos em uma época que tudo estava em manutenção, o que só me deixa mais animada para voltar até a cidade uma próxima vez.

Dentro do estaleiro.
O Carrossel dos Mundos Marinhos, com seus 25 m de altura. Dá pra entrar e explorar todas as 39 criaturas mecânicas que fazem parte da atração.

Passado e futuro nas ruas de Nantes

Andando pela pela Linha Verde nos deparamos com construções bem modernas, como é o caso de “Air“, uma instalação com várias peças de alumínio que podem ressoar com o vento se tornando uma “fachada sonora”.

Ela foi criada pelo artista alemão Rolf Julius e foi incorporada na fachada do prédio Manny.

Ao mesmo tempo podemos entrar em uma brasserie (padaria) de 1895, projetada pelo arquiteto Émile Libaudière, e sermos transportados para um filme antigo.

No La Cigale tomamos um café da manhã francês incrível e ainda aproveitamos pra ficar babando em cada um dos detalhes do lugar mais Art Noveau que já fui na vida.

La Cigale
Foto no espelho mais lindo do mundo no La Cigale.
Fachada do La Cigale.
Fachada do La Cigale.

O que achei de Nantes?

Passeamos por Nantes por pouco mais de oito horas e fiquei encantada. Street arts pelas paredes, postes e chão, vistas lindas e lugares super diferentes para conhecer e explorar, simplesmente um lugar mágico e incrível pra se conhecer em um passeio na França. Ainda volto lá e fico pelo menos 3 dias pra conhecer bem a cidade.

Eu e JM, o marido, no Castelo.
Ruas fofas de Nantes.

Onde fica?

La Cigale – 4 Place Graslin
Les Machines de l’île – Parc des Chantiers, Boulevard Léon Bureau

Nosso Casamento a Dois

Nosso casamento a dois foi surpresa pra todos, vem saber como foi essa aventura.

João Manoel (vulgo, marido) me pediu em casamento no topo de Sacre-Cœur em uma viagem que fizemos para Paris em 2014. Já morávamos juntos há dois anos, mas ele resolveu fazer esta surpresa e achei mega fofo. Nunca marcamos data nem nada e tudo ficou como já estava.

João Manoel e eu em um campo de lavanda - Casamento a dois
João Manoel e eu, esse momento é nosso.

Como tudo começou…

Aí que eu resolvi fazer uma festa de 30 anos pra mim no ano passado, pois tinha na minha cabeça que queria fazer algo assim.

A festa foi incrível, juntei muita gente amada, mas no meio do processo eu vi como dava trabalho fazer tudo, mas – principalmente – quanto dinheiro eu ia gastar pra fazer uma festa simples.

Vinhos e frios do dia dos namorados em cima de uma mesa e uma placa com escrito Chell e João Faltam 43 dias.
Vinhos e frios no dia dos namorados do ano passado e a plaquinha fazendo a contagem.

Com isso em mente, dia 12 de junho de 2018, durante o jantar de dia dos namorados na nossa varanda, entreguei o único convite de casamento que tivemos para o noivo: “Você é o único convidado para o casamento”.

Sim, agora eu pedia e dava uma data: 1º de outubro, dia que comemoramos aniversário de namoro. Falei como eu queria que fosse: só eu, ele e as testemunhas. Mais uma vez, dissemos sim um pro outro. Começou então nossa contagem regressiva.

Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.
Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.

Como já tínhamos uma união estável, o processo foi bem tranquilo: 20 dias antes da data que queríamos que constasse na certidão de casamento fomos até o cartório com nossos documentos e amigos que seriam as testemunhas e assinamos tudo. Pronto! Estávamos casados.

Recordações de um casamento a dois

Para comemorar e deixar este momento guardado, fizemos um ensaio a dois com a minha querida amiga Gio Coppi, que já havia feito um ensaio meu. Para este ensaio de casal fomos até Campos do Jordão, afinal já que gostamos de natureza, trilhas e viemos de uma cidade de montanha, seria perfeito.

Eu e João olhando para as alianças em novo lugar. Casamento a dois.
Aliança mudou de mão!
João Manoel me abraçando em meio a árvores.
Eu e João caminhando entre as árvores.

Queria tirar fotos em um campo de lavandas, mas o mais próximo de nós foi bem difícil de entrar em contato. Chegamos cedo para pegar tudo tranquilo e acabou que deu tudo meio “errado”. Lugar fechado por falta de informações e saímos por tirar fotos em lugares alternativos. Mesmo assim, ficaram maravilhosas!

Por fim o campo de lavandas abriu e conseguimos tirar fotos por lá. Ou seja, felicidade completa! O ensaio foi cansativo por conta dos contratempos, mas a Gio foi incrível. Adoramos o resultado e temos lindas fotos pra marcar este momento que foi importante pra gente.

Um casamento bem a gente, cheio de amor e simplicidade.

Contamos para as famílias depois de nossa viagem de lua de mel que fizemos para a Amazônia, uma surpresa do marido pra mim. Mas isso será assunto para um outro post.

E vocês? Já pensaram em fazer um casamento assim? Que acharam?

Assistir: Romance is a Bonus Book | K-Drama (2019)

Hoje conto sobre “Romance is a Bonus Book” um dorama bem fofinho no Netflix.

“Romance is a Bonus Book” é um k-drama Kang Dan-i( Lee Na-young ) é uma mulher com seus 40 anos, separada, com uma filha e que tenta se recolocar no mercado de trabalho depois de anos dedicando-se apenas aos cuidados da família. Antes de se casar ela era uma talentosa publicitária, mas agora tudo parece tão difícil. Ela começa a contar com a ajuda de Cha Eun-Ho ( Lee Jong-suk ), seu amigo desde pequeno que é um escritor famoso e editor em uma reconhecida editora de livros. Entre indas e vindas e muitos segredos, o que será que o futuro reserva para esses dois?

Romance is a Bonus Book escrito. Dan-i à esquerda e Eun-ho à direita deitados em cima de vários livros, cada um segurando o seu.
Dan-i e Eun-ho.

Recentemente finalizado na Coreia e com todos os episódios no Netflix, “Romance is a Bonus Book” é tão fofo e delicado, que lembra um livro de poesia.

A história de Romance is a Bonus Book

Começamos o k-drama acompanhando Dan-i indo se casar e vendo como Eun-ho está ao seu lado em todos os momentos. Já conseguimos perceber como ele adora a amiga e como se preocupa com a felicidade dela.

Enquanto trabalha em bicos e dorme literalmente onde dá, Dan-i não desiste fácil. Para conseguir um emprego, omite sua formação para conseguir algo como assistente, o que acaba funcionando. Ela então começa a trabalhar na mesma editora que Eun-Ho.

Dan-i e Seo-joon no ônibus. Dan-i lê um livro e divide um fone de ouvido com Seo-joon que olha todo apaixonado para ela.
Dan-i e Seo-joon no ônibus.

O tempo passa e nos deparamos com uma Dan-i sozinha, lidando com boletos, separação e desemprego. Ou seja, ela tenta há muito tempo se recolocar no mercado de trabalho, mas esta tarefa se tornou muito difícil depois de tanto tempo afastada. Muito conhecimento para vagas de iniciante, conhecimento parado para vagas mais qualificadas.

Ali ela vai conhecer pessoas incríveis, passar por altos e baixos, sempre com ajuda de Eun Ho. Ainda mais, neste meio tempo ainda vai conhecer Ji Seo-Joon, um divertido e fofo designer de capas de livros que vai balançar bem o coração dela.

Park Hoon, Oh Ji-yool e Chae Song-ee. olhando para o mesmo ponto espantados.
Park Hoon, Oh Ji-yool e Chae Song-ee.

Sobre Romance is a Bonus Book

Apesar de achar que iria mergulhar em clichês, “Romance is a Bonus Book” me provou o contrário. Por exemplo, Dan-i é uma personagem cativante que nos leva a ficar super encantados pela sua história de perseverança. Seus sentimentos vão sendo descobertos ao longo do dorama de uma forma leve e delicada, que combina com toda a temática do programa.

Temos personagens femininas fortes, enfrentando vários altos e baixos (casamentos acabando, solidão, emprego… etc), e com o passar dos episódios todas crescem juntas.

Song Hae-rin é uma personagem que me cativou muito, pois ela poderia ter tudo para ser a “vilã” da história, mas mostrou uma maturidade enorme durante os acontecimentos, mostrando o verdadeiro significado de sororidade.

Eun-ho dando uma aula.
Eun-ho dando aula. Achei ele plastificado demais no começo, mas depois me acostumei.

Adicionando a tudo isso, a história tem desdobramentos diferentes além do romance, já que ele fala sobre ciclos e vida de maneira leve, assim como sua abertura. Uma história bem gostosa de se companhar e feita pra se aproveitar bem devagar, como uma poesia.

Nada de vilões malvados e gente se odiando, apenas a poesia da vida.

Song Hae-rin cochilando sentada com  Ji Seo-Joon encostado nela.
Song Hae-rin e Ji Seo-Joon.

Viagem: Monte Saint-Michel

Conheça Monte Saint-Michel, um lugar peculiar na França.

Sobre o Lugar

O Monte Saint-Michel é uma ilha rochosa na foz do Rio Couesnon na França, local onde foi construída uma abadia em homenagem em homenagem ao arcanjo São Miguel. É um dos pontos mais visitados da França com mais de 3 milhões de visitantes por ano e faz parte do Patrimônio Mundial da UNESCO.

Eu segurando Monte Saint-Michel
Monte Saint-Michel e eu, há 2 anos atrás.

Na época de Luís XI, a ilha se tornou uma prisão, recebendo prisioneiros até 1860. O lugar foi restaurado em 1922, porém só começaram a existir visitas a partir de 1966 (celebração de 1000 anos da abadia). Em 2001, monges e irmãs da Fraternidade Monástica de Jerusalém se instalaram e atualmente organizam celebrações todos os dias por lá.

Monte Saint-Michel

Passeio pelo Monte Saint-Michel

Depois que vi este lugar em um canal do YouTube, posso dizer que ele estava entre os lugares que eu adoraria ver no mundo. Uma ilha que é ligada ao continente que durante a maré alta fica isolada da terra e que no topo tem uma cidade? Claro que todos deveriam conhecer o Monte Saint-Michel!

Algumas pessoas fazem bate-volta com companhias de turismo saindo de Paris, mas fomos de carro com meu irmão, cunhada e irmão dela para a ilha e chegamos em pouco mais de 4 horas.

Casinhas em Saint-Michel.
Casinhas em Saint-Michel.

Dá pra ir do estacionamento até Saint Michel de ônibus gratuito ou andando, preferimos aproveitar e movimentar o corpo com o frio que estava fazendo, e com isso ir aproveitando a vista do lugar ficando cada vez mais pertinho de nós.

Existe um ponto de apoio com informações sobre o lugar e banheiros bem próximo ao estacionamento, caso você precise.

Ruas de Monte Saint-Michel
Ruas dentro de Saint-Michel.

Chegando lá, as ruas se encontravam bem vazias, com bastante espaço para curtir cada lojinha, já que fomos em uma época mais tranquila. Parecia que acabávamos de entrar em um filme medieval e todos ficamos encantados com tudo que víamos por lá.

Uma rua pequenininha e uma porta legal em Monte Saint-Michel
Uma rua (sim!) e portinha pequenininha em Saint-Michel.

Andar pelo lugar já é uma atração: ruas incrivelmente minúsculas, portinhas fofas, vistas lindas do mar, casinhas e muitos lugares lindos pra tirar foto.

Vista do mar e das casas de Monte Saint-Michel
Belas vistas andando por Saint-Michel.

Escolhemos o passeio da abadia com um guia em inglês e foi muito legal, pois aprendemos sobre as salas e como tudo por lá funcionava. Apesar do frio congelante, adoramos conhecer tudo por lá. No verão/primavera os jardins são incrivelmente floridos e verdinhos, pelo que vimos em fotos, então se você quiser algo mais quentinho vale a pena programar o passeio para outra época.

Interior da abadia de Saint-Michel
Um dos salões da abadia e a vista de uma roda que era utilizada para transporte de comida e mantimentos.

Se você quiser uma experiência bem diferente, escolha ir em época de maré alta e se hospede na ilha, isso com certeza deve ser incrível.

Saida da Abadia de Saint-Michel
Saída da Abadia de Saint-Michel depois da visita guiada.

O dia foi muito divertido, todos adoramos o passeio e logo seguimos viagem para Nantes, que em breve conto mais detalhes por aqui.

ONDE FICA?
O Monte Saint-Michel fica numa distância de 350 km de Paris, bem na fronteira da Normandia com a Bretanha.

QUANTO CUSTA?
Para entrar na ilha não é necessário pagar nada, apenas na abadia (9 euros).

HORÁRIOS
A ilha é de livre passagem, mas se você for ir e voltar no mesmo dia é importante ver o guia das marés para não ficar preso por lá. A abadia funciona assim:
Baixa: das 9h30 às 18h, de 1 de setembro a 30 de abril
Alta: das 9h às 19h, de 2 de maio a 31 de agosto

Mais informações?
Visite o site oficial do Monte Saint-Michel, com lista de marés e tudo mais!

%d blogueiros gostam disto: