Dorama: Romance is a Bonus Book | K-Drama (2019)

Hoje conto sobre “Romance is a Bonus Book” um dorama bem fofinho no Netflix.

“Romance is a Bonus Book” é um k-drama Kang Dan-i( Lee Na-young ) é uma mulher com seus 40 anos, separada, com uma filha e que tenta se recolocar no mercado de trabalho depois de anos dedicando-se apenas aos cuidados da família. Antes de se casar ela era uma talentosa publicitária, mas agora tudo parece tão difícil. Ela começa a contar com a ajuda de Cha Eun-Ho ( Lee Jong-suk ), seu amigo desde pequeno que é um escritor famoso e editor em uma reconhecida editora de livros. Entre indas e vindas e muitos segredos, o que será que o futuro reserva para esses dois?

Romance is a Bonus Book escrito. Dan-i à esquerda e Eun-ho à direita deitados em cima de vários livros, cada um segurando o seu.
Dan-i e Eun-ho.

Recentemente finalizado na Coreia e com todos os episódios no Netflix, “Romance is a Bonus Book” é tão fofo e delicado, que lembra um livro de poesia.

A história de Romance is a Bonus Book

Começamos o k-drama acompanhando Dan-i indo se casar e vendo como Eun-ho está ao seu lado em todos os momentos. Já conseguimos perceber como ele adora a amiga e como se preocupa com a felicidade dela.

Enquanto trabalha em bicos e dorme literalmente onde dá, Dan-i não desiste fácil. Para conseguir um emprego, omite sua formação para conseguir algo como assistente, o que acaba funcionando. Ela então começa a trabalhar na mesma editora que Eun-Ho.

Dan-i e Seo-joon no ônibus. Dan-i lê um livro e divide um fone de ouvido com Seo-joon que olha todo apaixonado para ela.
Dan-i e Seo-joon no ônibus.

O tempo passa e nos deparamos com uma Dan-i sozinha, lidando com boletos, separação e desemprego. Ou seja, ela tenta há muito tempo se recolocar no mercado de trabalho, mas esta tarefa se tornou muito difícil depois de tanto tempo afastada. Muito conhecimento para vagas de iniciante, conhecimento parado para vagas mais qualificadas.

Ali ela vai conhecer pessoas incríveis, passar por altos e baixos, sempre com ajuda de Eun Ho. Ainda mais, neste meio tempo ainda vai conhecer Ji Seo-Joon, um divertido e fofo designer de capas de livros que vai balançar bem o coração dela.

Park Hoon, Oh Ji-yool e Chae Song-ee. olhando para o mesmo ponto espantados.
Park Hoon, Oh Ji-yool e Chae Song-ee.

Sobre Romance is a Bonus Book

Apesar de achar que iria mergulhar em clichês, “Romance is a Bonus Book” me provou o contrário. Por exemplo, Dan-i é uma personagem cativante que nos leva a ficar super encantados pela sua história de perseverança. Seus sentimentos vão sendo descobertos ao longo do dorama de uma forma leve e delicada, que combina com toda a temática do programa.

Temos personagens femininas fortes, enfrentando vários altos e baixos (casamentos acabando, solidão, emprego… etc), e com o passar dos episódios todas crescem juntas.

Song Hae-rin é uma personagem que me cativou muito, pois ela poderia ter tudo para ser a “vilã” da história, mas mostrou uma maturidade enorme durante os acontecimentos, mostrando o verdadeiro significado de sororidade.

Eun-ho dando uma aula.
Eun-ho dando aula. Achei ele plastificado demais no começo, mas depois me acostumei.

Adicionando a tudo isso, a história tem desdobramentos diferentes além do romance, já que ele fala sobre ciclos e vida de maneira leve, assim como sua abertura. Uma história bem gostosa de se companhar e feita pra se aproveitar bem devagar, como uma poesia.

Nada de vilões malvados e gente se odiando, apenas a poesia da vida.

Song Hae-rin cochilando sentada com  Ji Seo-Joon encostado nela.
Song Hae-rin e Ji Seo-Joon.

Viagem: Monte Saint-Michel

Conheça Monte Saint-Michel, um lugar peculiar na França.

Sobre o Lugar

O Monte Saint-Michel é uma ilha rochosa na foz do Rio Couesnon na França, local onde foi construída uma abadia em homenagem em homenagem ao arcanjo São Miguel. É um dos pontos mais visitados da França com mais de 3 milhões de visitantes por ano e faz parte do Patrimônio Mundial da UNESCO.

Eu segurando Monte Saint-Michel
Monte Saint-Michel e eu, há 2 anos atrás.

Na época de Luís XI, a ilha se tornou uma prisão, recebendo prisioneiros até 1860. O lugar foi restaurado em 1922, porém só começaram a existir visitas a partir de 1966 (celebração de 1000 anos da abadia). Em 2001, monges e irmãs da Fraternidade Monástica de Jerusalém se instalaram e atualmente organizam celebrações todos os dias por lá.

Monte Saint-Michel

Passeio pelo Monte Saint-Michel

Depois que vi este lugar em um canal do YouTube, posso dizer que ele estava entre os lugares que eu adoraria ver no mundo. Uma ilha que é ligada ao continente que durante a maré alta fica isolada da terra e que no topo tem uma cidade? Claro que todos deveriam conhecer o Monte Saint-Michel!

Algumas pessoas fazem bate-volta com companhias de turismo saindo de Paris, mas fomos de carro com meu irmão, cunhada e irmão dela para a ilha e chegamos em pouco mais de 4 horas.

Casinhas em Saint-Michel.
Casinhas em Saint-Michel.

Dá pra ir do estacionamento até Saint Michel de ônibus gratuito ou andando, preferimos aproveitar e movimentar o corpo com o frio que estava fazendo, e com isso ir aproveitando a vista do lugar ficando cada vez mais pertinho de nós.

Existe um ponto de apoio com informações sobre o lugar e banheiros bem próximo ao estacionamento, caso você precise.

Ruas de Monte Saint-Michel
Ruas dentro de Saint-Michel.

Chegando lá, as ruas se encontravam bem vazias, com bastante espaço para curtir cada lojinha, já que fomos em uma época mais tranquila. Parecia que acabávamos de entrar em um filme medieval e todos ficamos encantados com tudo que víamos por lá.

Uma rua pequenininha e uma porta legal em Monte Saint-Michel
Uma rua (sim!) e portinha pequenininha em Saint-Michel.

Andar pelo lugar já é uma atração: ruas incrivelmente minúsculas, portinhas fofas, vistas lindas do mar, casinhas e muitos lugares lindos pra tirar foto.

Vista do mar e das casas de Monte Saint-Michel
Belas vistas andando por Saint-Michel.

Escolhemos o passeio da abadia com um guia em inglês e foi muito legal, pois aprendemos sobre as salas e como tudo por lá funcionava. Apesar do frio congelante, adoramos conhecer tudo por lá. No verão/primavera os jardins são incrivelmente floridos e verdinhos, pelo que vimos em fotos, então se você quiser algo mais quentinho vale a pena programar o passeio para outra época.

Interior da abadia de Saint-Michel
Um dos salões da abadia e a vista de uma roda que era utilizada para transporte de comida e mantimentos.

Se você quiser uma experiência bem diferente, escolha ir em época de maré alta e se hospede na ilha, isso com certeza deve ser incrível.

Saida da Abadia de Saint-Michel
Saída da Abadia de Saint-Michel depois da visita guiada.

O dia foi muito divertido, todos adoramos o passeio e logo seguimos viagem para Nantes, que em breve conto mais detalhes por aqui.

ONDE FICA?
O Monte Saint-Michel fica numa distância de 350 km de Paris, bem na fronteira da Normandia com a Bretanha.

QUANTO CUSTA?
Para entrar na ilha não é necessário pagar nada, apenas na abadia (9 euros).

HORÁRIOS
A ilha é de livre passagem, mas se você for ir e voltar no mesmo dia é importante ver o guia das marés para não ficar preso por lá. A abadia funciona assim:
Baixa: das 9h30 às 18h, de 1 de setembro a 30 de abril
Alta: das 9h às 19h, de 2 de maio a 31 de agosto

Mais informações?
Visite o site oficial do Monte Saint-Michel, com lista de marés e tudo mais!

Deixando o cabelo crescer

Deixando o cabelo crescer: do curto ao cumprido


AI SEGURA A CABELEIRA PORQUE VOU
FALAR DE UM ASSUNTO QUE EU A-DO-RO: CABELO!

Como comecei

Lááááá em 2016 eu tive um cabelão. Não era qualquer cabelão, acho que foi o maior tamanho de cabelo que eu tive na minha vida. Eu era apaixonada nele, porém já estava enjoada de olhar no espelho e ver aquele monte de cabelo que me dava um trabalhão e gastava muita tinta colorida.

Foi aí que comecei a ver alguns cortes pelo Pinterest e resolvi que queria um corte igual da Ruby Rose no filme XXX. Meu pai, como exímio cabeleireiro que é, mandou super bem e lá entrava eu na vida de cabelo curto. Cheguei a contar no meu canal do YouTube sobre ter o cabelo curto e até fiz post aqui no blog contando quais cuidados eu tinha com meu cabelinho.


Apresento-lhes: o cabelão. Foto por Gio Coppi


Meu médio-curto por Letícia Aimer

Passando a tesoura

Só que não bastou cortar ele assim, eu queria mais. De repente percebi que estava morrendo de vontade de ver como eu ficaria com um pixie hair. Tipo Anne Hathaway depois de “Os Miseráveis”, sabe? Então cheguei pro meu pai e falei “Pai, quero curtíssimo”. Depois de três vezes ele perguntando se era real oficial, lá fomos nós pra tesourada. Se você acha que um channel é curto, não sabe quanto cabelo pode sair da sua cabeça se pedir um pixie.

No começo achei meio estranho, mas foi bem fácil acostumar. A gente não precisa fazer muita coisa, só acordar jogar uma água, se quiser aproveitar joga uma pomadinha e pronto! Os mesmos trabalhos com o cabelo channel valem pro pixie, porém com muito menos produto.

Eu gostava da praticidade e velocidade que ele secava depois do banho. Tenho verdadeiro ódio de secar o cabelo no dias frios ou depois de treinos de noite, então pra mim foi a festa do caqui poder tomar banho e ter o cabelo seco em minutos.

Deixando o cabelo crescer

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2016 e 2017

Depois de matar a vontade, resolvi deixar o cabelo crescer de novo, e aí vem a parte difícil. Se você quer ele curto, resolve-se o “problema” em segundos, mas pra crescer demora um bocado e aqui requer um pouco de paciência e uma pitadinha de… paciência. O cabelo curto perde a forma e o corte bem rápido e assim a gente começa a ficar com ele todo desengonçado.

Nestas fotos acima dá pra perceber como eu tive que começar a usar faixa/tiara pra segurar os fios quatro meses depois de cortar o cabelo todo.

Presilhas, tiaras e o que mais virar

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2017 e 2018

Coloquei uma sequência de três meses seguidos pra vocês verem como o corte muda em pouquíssimo tempo. Se você acha que seu cabelo cresce devagar, experimente cortar bem curto, você vai ver que é tudo questão de ponto de vista. Em poucos meses eu tinha um cabelo com mullets e eu estava quase indo jogar na Argentina péssima piada. Como meu pai é meu único e soberano cabeleireiro, eu tinha que aguardar até a próxima visita pra arrumar os fios. HAJA PRESILHA!

Cresceu!

Fotos de 2018 e 2019

Depois de um tempo você percebe que já dá pra fazer um rabo de cavalo. Com uns meses mais as tranças voltam e agora eu tô toda serelepe com ele grande de novo com direito a tranças, rabos, chuquinhas e o que mais vier. Um pouco longe de ser do tamanho que ele era ainda, mas quase lá. Foram dois anos deixando ele crescer, cuidando dele para que os fios ficassem saudáveis nessa jornada e sempre aparando as pontas para o corte se ajustar e deixar ele forte.

Como comentei no vídeo, cabelo cresce e este post é a prova disso! E você, já pensou em mudar radicalmente? Conta pra mim aí nos comentários!

Assistir: The Marvelous Mrs. Maisel

A Maravilhosa Sra. Maisel

The Marvelous Mrs. Maisel

Sinopse

Se formar na faculdade, arranjar um marido, ter duas ou três crianças e um apartamento em Manhattan elegante o bastante para oferecer os melhores jantares de Yom Kippur: Miriam “Midge” Maisel (Rachel Brosnahan) não queria muito mais que isso. Mas a vida apronta para a jovem, e ela precisa depender do que mais consegue fazer bem. E a diferença entre dona-de-casa de elite e comediante stand-up num barzinho de hipsters não é tão assustadora assim. Sinopse do Adoro Cinema

Mrs. Maisel e Susie

O que achei?

Estava muito curiosa para saber como seria esta série tão aclamada, com prêmios de melhor série de comédia no Globo de Ouro e no Emmy. Pra colocar a cereja no bolo, a série ainda é criada pelas mesmas mentes que criaram Gilmore Girls, (uma série que acompanhei, revi no Netflix e sou muito fã): Amy Sherman-Palladino.

A série tem atualmente duas temporadas no Amazon Prime, cada uma com 10 episódios, e conta a vida de uma dona de casa tipicamente norte-americana da década de 60 que leva um pé na bunda do marido e se vê tendo que lidar com o preconceito e o machismo da sociedade da época, e a maneira delicada que a série mostra essas nuances é incrível. Em um dia Mrs. Maisel está fazendo maquiagem antes do marido acordar para parecer linda quando ele acordar, no outro está sendo deixada pra trás por ele e correndo atrás de se virar como pode, descobrindo o primeiro emprego e as oportunidades que a vida lhe apresenta: ser uma comediante.

I'm going to work gif

A primeira temporada conta mais sobre Midge se acostumar com a vida de divorciada e começar a entender se ela quer seguir a carreira no stand-up ou não, já a segunda ela ainda parece que não entende a importância da decisão que ela toma (vide ela viajando de férias e nem ligando para Susie e saindo correndo quando a loja liga pra ela sobre o balcão da Revlon). Midge ainda está descobrindo que suas decisões podem e valem muito mais, está se descobrindo dona de si e é muito interessante ver essa transformação na personagem, em como ela vai se empoderando pouco a pouco, mesmo com a família e alguns amigos falando coisas contrárias ao seu redor.

Mrs. Maisel e família

Além dela, a família passa por transformações, o pai, a mãe e o ex-marido estão se descobrindo também e vão crescendo ao longo dos episódios. A relação com Susie é, na minha opinião, uma das melhores coisas da série! Divertidas, diálogos rápidos (#LorelaiFeelings) e muito amigas, apesar de Susie negar. Uma amizade que passa por altos e baixos, mas que é recheada e GirlPower.

Uma delícia de série pra ver, locais, maquiagem, figurinos lindos e aquele ar de musical que quem viu Gilmore Girls vai adorar! Tits up!

%d blogueiros gostam disto: