Tiquin de Mim: Coleção de Chaveiros de Viagem

coleção de chaveiro de viagem

Depois de contar pra vocês sobre meu perfume super especial que ganhei de presente, resolvi dividir mais um “tiquin” de mim. Desta vez vim mostrar a coleção de chaveiros de viagem que eu e o marido temos.

Você pode gostar de ler sobre viagens e passieos

chaveiros de viagem

Colecionando coisas

Quando eu era pequena eu tinha coleção de cartões telefônicos. Talvez se você cara leitora – ou leitor – tiver menos de vinte anos, possa não se recordar desta tecnologia toda utilizada para ligar para pessoas, os famosos telefones públicos, mas na minha infância e metade da adolescência esses cartões eram muito utilizados e tinham figuras bem diferentes e bonitas, por isso muita gente colecionava. Já o marido é o doido das coleções: latinhas de refrigerante/cerveja, cartões telefônicos e maços de cigarro estão entre as coisas que ele ainda tem na casa da mãe dele.

Colecionando Chaveiros

Quando começamos a trabalhar e por isso passear mais, começamos a querer ter uma lembrança de cada lugar que nós íamos. Globinhos de neve não são facilmente encontrados no Brasil, shots de bebida você não vai encontrar em Poços de Caldas, mas uma coisa que temos em quase todos os lugares é aquele ítem que toda tia traz das viagens e são super baratinhos: chaveiros. Estava aí então determinado o item obrigatório de toda viagem e passeio que faríamos.

chaveiros de viagem

Nossa coleção de chaveiros

O primeiro chaveiro que compramos foi do musical Mamma Mia, que o marido da minha mãe levou a gente pra assistir. Estávamos na faculdade e foi o primeiro musical que João Manoel (vulgo, meu esposo) assistiu. Depois dele vieram tantos outros como Rei Leão, que também está na nossa coleção.

Em cada cidade ou evento marcante que vamos – OI ROCK IN RIO! – compramos o chaveiro mais diferente e que tem a ver com o lugar que estamos. O da Argentina, quando viajamos pra Foz do Iguaçu é um apitinho de cerâmica mega fofo com uma lhama, o de Penedo é um pedaço de madeira gravado com aquela caneta quente, Londres tem um ônibus de dois andares e Ubatuba uma tartaruga super fofa pra lembrar a visita ao Projeto Tamar.

chaveiros de viagem

Decidimos há algum tempo colocar todos eles em um painel e pendurar na parede. O painel é de cortiça e colocamos pins pra poder arrumar quando um novo chaveiro chega pra coleção, assim sempre fica organizado. É uma delícia ter algo assim em casa, pois cada um desses objetos nos lembra momentos muito especiais e dá mais ânimo para pensar em novas viagens.

E vocês, tem algum jeitinho de manter lembranças gostosas sempre vivas? Conta pra mim!

Assistir: The Handmaid’s Tale | 2ª Temporada (2018)

A segunda temporada de The Handmaid’s Tale

June com uma mordaça - The Handmaid's Tale
June com uma mordaça.

Sobre a segunda temporada

Vivendo no governo totalitário de Gilead, Offred (Elisabeth Moss) é uma Aia, forçada a viver pelo resto da sua vida com o propósito de procriar para os Comandantes com mulheres inférteis. Nesta apavorante sociedade, Offred precisa navegar entre os Comandantes, suas cruéis esposas, as domésticas Marthas e as próprias Aias – onde qualquer um pode ser um espião em prol de Gilead – com um único objetivo: sobreviver e encontrar sua filha que lhe foi tirada. Porém o que aconteceria neste plano se alguma coisa mudasse na vida de Offred? O instinto materno de June, o amor e os valores de Gilead são colocados à prova em vários momentos nesta nova temporada.

Você pode gostar também de Anne With an E.

Aias na chuva.
Aias na chuva.

O que achei?

Apesar de não sair muito do lugar, a segunda temporada me agradou bastante, mas vai ser bem difícil falar algo sem contar alguma coisa da temporada anterior, então sim, cuidado que vai rolar muito spoiler aqui.

Adorei ver June fugindo e indo para um lugar longe da casa dos Waterford. Foi importante pra ver como as pessoas vão se acostumando com tudo aquilo que é ruim e quando se vêem fora, tudo parece insano e errado. Foi importante para a personagem se sentir mais viva e se libertar um pouco de tudo aquilo que estava há tanto tempo nela. Também foi uma boa passagem para aumentar os laços dela e de Nick. Ver os dois juntos e perceber que eles nunca formariam uma família normal era de partir o coração.

Infelizmente June não consegue fugir e parece perder toda a esperança. É quando arrumam um casamento para Nick e uma nova personagem aparece: Eden. Dá pra falar de pedofilia aqui, mas mais que isso a personagem que é delicada, doce e esposa dedicada é uma das mais bravas até hoje demonstradas na série. Ela desafia as regras por algo que ela acredita ser correto. Um soco no estômago das pessoas que vão deixando se levar por medo. Na cena final da personagem todos olham o que está acontecendo pensando que ela é burra, mas no fundo, todos sabem que nela há a coragem que lhes falta.


Aias indo para forca.

Conhecemos mais de Serena, dos motivos que fizeram ela não poder ter filhos e como tudo foi sendo tirado dela aos poucos, transformando ela em uma mulher amarga, mas que no fundo busca seu orgulho. Conhecemos a realidade das colônias com Emily (Alexis Bledel ), entendemos mais da história dda personagem e temos a oportunidade de torcer muito por ela, que já teve tanto retirado da vida. Janine (Madeline Brewer) continua como uma personagem maravilhosa, sensível e que busca naquela insanidade toda um pouco de amor e cuidado. A cena dela segurando a filha e cantando foi de uma delicadeza extrema, relatando muito bem a sociedade de Gilead, carente de amor e carinho.

Esta temporada foi um palco perfeito para Elisabeth Moss (June) arrasar demais. Os episódios que ela praticamente carregou sozinha foram ótimos pra situar a gente no passado da personagem. A cena do parto, foi linda e super elucidante.

Emily nas colônias.
Emily nas colônias.

Sigo torcendo para que a série não se perca e que os rumos comecem a ser melhor construídos. E você? Já viu a segunda temporada?

Viagem: Edimburgo – Um guia sobre a capital da Escócia

Edimburgo, a bela capital da Escócia

Edimburgo é a capital da Escócia desde o ano de 1492, quando o Brasil nem constava em mapas. Com um pouquinho menos de 500 mil habitantes, a cidade tem desde arquiteturas modernas até ares medievais com pequenas montanhas, praias – geladas – e atrações bem legais pra se conhecer.

Você também vai gostar de posts sobre Londres.

Dean Village
Dean Village – Caminhando por Edimburgo você pode achar cada cantinho lindo!

O noivo escolheu esta cidade para intercâmbio por ser uma cidade grande comparada com outras que estavam sendo cotadas, ter um preço mais acessível e contar com menos brasileiros por lá, afinal, se você quer melhorar o inglês em pouco tempo, quanto mais falar, melhor! Lá ele ficou hospedado em casa de família Miss Valerie, você é um amor e aproveitou por dois meses a cultura e o clima frio de lá, e eu tive a sorte de conseguir passar quatro dias nessa cidade linda e mágica!

Durante quase o ano todo estive fazendo posts sobre lugares pra conhecer em Edimburgo e você pode ver todos nesta página. Falo sobre o Castelo de Edimburgo, Scott Monument, dicas de lugares pra comer e até sobre Harry Potter, mas faltava um post pra contar sobre algumas curiosidades, hospedagem, dinheiro e coisas de lá que podem te ajudar se por acaso você for passar por lá.

Dean Village
Me apaixonei pelas casinhas.

Câmbio

Se você está indo para o Reino Unido já deve saber que por lá o pessoal usa libras (£), que valem mais do que dinheiro. O que as vezes o pessoal pode não te contar é que na Escócia eles usam a libra escocesa, que tem mesmo valor da esterlina, mas que tem diferenças nas notas. A libra esterlina é aceita normalmente na Escócia, porém o contrário não acontece. Então não se esqueça de gastar o que você tiver de dinheiro escocês por lá se você planeja passear em outro lugar depois.

Princess Street com lua cheia
Tivemos uma bela lua cheia de presente. Todos paravam na rua pra admirar o céu na Princess Street.


Portinhas charmosas.

Estadia

Como o período do intercâmbio do noivo tinha terminado, tivemos que arrumar um lugar para dormir e escolhemos uma guest house, que é tipo um hotel de baixo custo, normalmente era uma casa normal que transformaram em algo como uma pousada. Ficamos na Sonas Guest House, uma casa fofinha, com um quarto muito amorzinho! As mulheres que trabalhavam lá eram sempre um amor com a gente e o café da manhã estava sempre delicioso! Era super fácil chegar na Royal Mile ou na Princess Street pegando um ônibus ali pertinho.

Uma Court da Royal Mile
Casinhas lindas em casa caminhada pelas ruas.

Saint Bernard's Well
Saint Bernard’s Well.

Deslocamento

Por lá faziamos praticamente tudo andando ou de ônibus. Eu comprava o Day Ticket no primeiro ônibus que eu pegava no dia (4 pounds), e podíamos ir e voltar quantas vezes quiséssemos. A gente na verdade saída de manhã, voltava de tarde pra tomar um banho e saía de novo pra comer e voltava. Se você for fazer apenas um bate-volta, nem precisa desse passe diário.

No dia que fomos conhecer South Queensferry paguei um pouco mais na passagem, algo em torno de 5 pounds, por ser mais distante, mas nada mais que isso. Todos os outros passeios fizemos andando.

Calton Hill
Vista do Calton Hill

Calton Hill
Eu nas colunas do monumento do Calton Hill.

Sobre Edimburgo

Acho que Edimburgo me surpreendeu como poucas cidades já fizeram comigo. Cidades como Londres e Paris são muito conhecidas e alvo de turistas do mundo todo, sonhos de muitas pessoas, mas Edimburgo eu não tinha expectativa alguma. Talvez por isso cheguei e já me apaixonei.

– O povo de lá é MUITO simpático. Não tô falando só de algumas pessoas que conheci como a host do noivo, mas sim pessoas nas lojas, nas cafeterias, nos restaurantes, todos maravilhosos e super atenciosos. Apesar de ter um clima frio, Edimburgo mantém o calor entre as pessoas e isso é algo maravilhoso.

– Em cada caminhada me apaixonava pelas casas, portas, janelas, floreiras, escadarias e tudo me fazia suspirar. Uma das descobertas que mais amei: uma loja praticamente exclusiva de calendários e cartões. Cartões de aniversário, de casamento, de aniversário pra avó, padrinho, tia, mãe, nascimento de bebê, formatura, tudo que imaginar! Eu sou a apaixonada por cartões e só imaginei como seria fazer artes pro pessoal de lá.

Circus Lane
Circus Lane – Mais uma rua charmosa de Edimburgo.

– Passei muito frio, mesmo com roupas térmicas e camadas de calças e agasalhos. Estava no outono, mas Edimburgo no inverno pode chegar a temperaturas de 20 graus negativos, o que proporciona belas paisagens cheias de neve e ajuda nas lindas decorações do festival de natal, que infelizmente não pegamos por muito pouco.

– Se você é fã de V de Vingança, vai achar demais descobrir que no dia 5 de novembro eles fazem uma queima de fogos linda em homenagem a Guy Fawkes. Estava lá e presenciei a festa que eles fazem.

Fettes College
Fettes College ao fundo.

Hawthornbank Lane
Hawthornbank Lane

Tem dúvida ou curiosidade sobre algo que não contei por aqui? É só colocar nos comentários! Agora vou para os posts de lugares lindos que conheci pela França e que podem ser desconhecidos por aqui, aguardem!

Assistir: Anne With An E | 2ª Temporada (2018)

Anne With An E e mais uma temporada deliciosa

Anne e Daiana - Anne With an E

Sobre a segunda temporada

Dois hóspedes de Green Gables podem estar aprontando alguma coisa muito estranha. Enquanto isso Anne se questiona sobre seu papel no mundo e qual profissão deve seguir. Uma nova professora aparece na escola depois de muitas mudanças, mas ela é certa para ensinar as crianças dali? Enquanto a cidade vive e passa por mudanças, Gilbert vai trabalhar em navios e conhecer um grande amigo e novos lugares que vão transformá-lo.

Você pode gostar também de The Handmaid’s Tales.

A nova professora - Anne with an E

O que achei?

Assistir cada episódio de Anne é como andar de manhã entre árvores com raios de sol brilhando entre galhos com uma leve brisa batendo no rosto. A série traz temas tão atuais, e talvez polêmicos, de uma maneira tão doce que faz suspirar.

Na segunda temporada temos uma Anne questionadora sobre o futuro, sobre escolhas e sobre quem ela é. Ela tenta encontrar naquele lugar uma resposta para o que ela será, já que parece que tudo é tão distante e não possível em sua pequena fazenda. Green Gables começa a se fazer pequena para nossa querida Anne, sem ela se dar conta.

O melhor episódio para mim é o da festa. Alí temos dois personagens, Anne e Cole, se descobrindo, vendo possibilidades e abrindo os braços pro que pode acontecer com eles. E além deles Diana, grande amiga de Anne, mas que ainda carrega toda tradição e conservadorismo da pequena fazenda que vive. É nítido o desconforto perante vários questionamentos que ela sofre e como ela começa a se diferenciar de todos ali. Um episódio cheio de sutilezas, com figurinos e cenários maravilhosos.

Com a chegada de Sebastian, grande amigo de Gilbert, começamos também a ter ótimas cenas e questionamentos sobre preconceito racial. Alí cabe tantos temas atuais que é até difícil falar todos!

Uma série tão doce que trata sobre homofobia, xenofobia, preconceito racial, feminismo, misoginia e auto-aceitação de uma maneira tão poética merece cada minuto de atenção. Ainda bem que a Netflix atendeu ao chamado de todos os fãs e disse que vamos ter uma terceira temporada. Queremos ver Anne se tornar uma mulher maravilhosa Netflix!

Se você ainda não viu esta série, indico começar agora.

Sebastian

%d blogueiros gostam disto: