Eu e o tecido acrobático

Força, definição de músculos, elasticidade e muita diversão é o que o tecido acrobático vai te trazer.

Eu com os pés amarrados em um espacate no ar entre as árvores. Tecido acrobático.
Nem tá doendo.

Sobre o tecido acrobático

Originado no circo, o tecido acrobático é um esporte no qual a pessoa, sem linhas de segurança, realiza acrobacias em um tecido que fica suspenso e preso no alto de alguma estrutura. A pessoa usa o tecido para se enrolar, dar travas e nós para realizar figuras no ar.

Duas fotos. Na primeira realizo a posição bali: com os dois pés presos as pernas são dobradas em 90 graus, uma para frente e outra para trás, a colubna se curva para trás e o corpo forma uma letra N. Na segunda a posição flamingo: pernas trançadas em uma ponta, o corpo fica de ponta cabeça e as mãos ficam livres.
Posições Bali e Flamingo.

Como tudo começou

Eu sou muito a louca de descobrir atividades físicas, né? Já contei aqui minha experiência com a dança do ventre, com a corrida, com o pilates, com o kung fu e agora eu trago pra vocês o tecido acrobático! Porque o importante mesmo é a gente se manter sempre exercitando o corpo, né?

Ano passado queria experimentar algo novo e aí uma amiga que já praticava o tal tecido me levou pra conhecer uma aula. Posso dizer que meu lado criança-que-trepa-em-tudo se realizou e eu resolvi trocar um pouco as artes marciais pelos tecidos.

Então desde novembro do ano passado eu me encontro nas aulas de tecido e queria muito contar como está sendo esta experiência pra vocês.

tecido acrobático
Caixinha de música e Amazon.

Eu e o tecido acrobático

Uma das coisas que mais estou amando no tecido é a força que eu estou ganhando. Braços, pernas e PRINCIPALMENTE meu abdômen, minha pior parte pra ganhar força, estão ficando melhores a cada dia e isso é visível.

Muita gente fala que precisa de força pra começar as aulas, mas eu digo: você ganha a força conforme as aulas vão acontecendo, e ver isso se refletindo nas posições que você faz é incrível.

A cada aula somos levados para mais um desafio e quebrá-los se torna maravilhoso, ainda mais com as turmas super animadas que encontrei no estúdio que pratico. As colegas de classe e a professora são pessoas incríveis e todas as vitórias, de todo mundo, são comemoradas.

Tecido acrobático.
Grega e Grande L.

Em sete meses treinando tecido além de toda a força que ganhei – e pessoas queridas ao meu redor – consegui vencer desafios pessoais, como o medo de algumas quedas que tenho começado a aprender. Afinal, cair faz parte da vida, né? Ainda mais no caso das quedas que são controladas e que ficam LINDAS pra quem assiste.

O tecido me deu um senso de quebrar meus limites além dos que eu achei que conseguiria e estou me descobrindo mais capaz do que nunca. Estar lá em cima entre as “minhas cortinas”, como diz o marido, é de uma paz incrível, uma sensação de leveza e poder sem igual.

A cada dia me apaixono mais por esta prática, que só tem um defeito: não dá pra fazer em todos os lugares.

Quer saber mais? Fazer uma aula teste? Onde eu faço?
As aulas são no Studio Thais Holiveira que fica na Blackfit do Shopping Vale Sul. Segue no Insta! @studio.thaisholiveira.

Dorama: Responde 1994 | K-drama (2013)

Responde 1994 é um k-drama que te segura até o final da história.

Responde 1994

Sinopse

Através dos personagens, o drama segue vários eventos culturais em 1994, incluindo o surgimento do grupo “Seo Taiji and Boys” e a Korean Basketball League.

Sung Na Jung é uma garota forte e decidida, ela é filha de Sung Dong Il e Lee Il Hwa, eles se mudaram para Seoul há pouco tempo e fizeram de sua casa uma pensão para jovens.
Sseureki (Trash) é amigo da Na Jung desde a infância, ele também mora na pensão. Chilbongi é um jogador conhecido do pai da garota e passa a fazer parte da turma.SamchunpoHaetaeBinggeure e Jo Yoon Jin também moram na pensão.

Via LoveCode.
 Chilbongi e Na-Jung.
Chilbongi e Na-Jung.

Sobre Responde 1994

A história se passa nos anos 2013 e 1994. Em 2013 temos Na-Jung reunida com seus amigos em sua nova casa assistindo ao seu vídeo de casamento, enquanto relembram histórias dos anos 90.

Enquanto isso vamos sendo levados para os anos 90 nessas lembranças, mais especificamente 1994, quando Na-Jung morava com seus pais na pensão que tinham para estudantes em Seul.

Entre essas indas e vindas da história a questão que nos prende até o final é: quem dali se casou com Na-Jung?

Responde 1994 - K-drama
Quem fica com Na-Jung?

Ao longo da história conseguimos nos divertir bastante vendo referências ao início de tecnologias como bipe, celular e computador, assim como o surgimento de bandas de kpop e as fãs fanáticas e super kpoppeiras.

Os personagens evoluem bastante conforme os episódios avançam, as histórias “da época da adolescência” deles vão se tornando cada vez mais fofas e logo estamos presos querendo saber quem será o marido da protagonista.

Haetae, Binggeure, Jo Yoon Jin e Na-jung. - Responde 1994
Haetae, Binggeure, Jo Yoon Jin e Na-jung.

O gostoso desta série e sentir aquela nostalgia boa dos anos 90. Eu era criança, mas as roupas, as músicas estão bem vivas na minha cabeça, por isso diverti muito com a relação bem doida de Na-jung e Trash Oppa e os pais de Na-Jung. Casal mais que engraçado!

Apesar de char que 21 episódios foram muita coisa para este dorama, valeu a pena ver todos eles. Se quiser assistir, ele está disponível no Netflix e Viki.

Viagem: Nantes | França

Nantes foi uma descoberta incrível que tive que compartilhar com vocês.

“Fique de olho nas crianças!”

Chegando em Nantes

Da última vez contei pra vocês como fomos para o Monte Saint Michel de carro saindo de Paris. Nosso plano era ir mais longe, iríamos visitar a família da minha cunhada em Saint-Agnant, então resolvemos parar no meio do caminho para descansar.

A cidade escolhida para essa parada foi Nantes. Chegamos tarde por lá e fomos direto para o hotel que dormiríamos e descansamos um pouco para continuar a viagem no dia seguinte, mal sabíamos que o dia seguinte seria tão incrível.

Ruas de Nantes
Ruas de Nantes.
La Place Royale - Nantes
La Place Royale – Nantes

Sobre Nantes

Nantes é a sexta maior cidade da França, conhecida por ter sido local onde os Duques da Bretanha viveram, além de ser o lugar onde Jules Verne, escritor de “A Volta ao Mundo em 80 dias” e “20 Mil Léguas Submarinas”, nasceu e teve suas inspirações para os livros. A cidade também é conhecida por ser um local que respira arte.

Château des ducs de Bretagne - Castelo dos Duques da Bretanha.
Château des ducs de Bretagne – Castelo dos Duques da Bretanha.
Dentro o Château des ducs de Bretagne .
Dentro do Castelo.

Passeando por Nantes: A Linha Verde

O dia seguinte acordou com cara de preguiça: nublado e chuvoso. Porém, viajantes não se espantam com este tipo de clima, ainda mais na Europa, e logo tratamos de sair e explorar!

Logo de cara me apaixonei pelas ruas e a arquitetura da cidade. Tudo tão fofo, parecia um filme! Então descobrimos uma coisa que eu simplesmente achei genial: The Green Line (a Linha Verde).

A Linha Verde de Nantes.
A Linha Verde de Nantes.

Se você seguir pelos 12 km da Linha Verde que corta a cidade de Nantes, você vai conhecer os melhores lugares da cidade. Meu lado designer, fã e “Mágico de Oz” foi à loucura? Com certeza. Porém como não tínhamos um dia completo pra ficar na cidade, seguimos ela apenas por alguns lugares, o que já foi magnífico!

Catedral de São Pedro e São Paulo em Nantes
Catedral de São Pedro e São Paulo. Sua construção iniciou-se em
1434 e apenas for finalizada em 1891.
Nantes
Vista das lojinhas de dentro do castelo dos duques.
Nantes e o Rio Loire.
O Rio Loire corta a cidade por vários lados.

Les Machines de l’île

Uma super atração turística de Nantes são “As Máquinas da Ilha”, uma atração cultural e artística que fica em estaleiros antigos da cidade. São máquinas criadas pelos artistas François Delarozière e Pierre Orefice que visam promover a identidade de Nantes como uma cidade de sonho, criatividade e fantasia ou seja, feita o pra mim.

Entrada do Les Machines de l'île
Entrada do Les Machines de l’île.

O projeto começou em 2007 e é simplesmente incrível! Eles fazem máquinas articuladas inspiradas muitas vezes nas obras de Jules Verne, e você pode ver todas elas e até interagir com várias. O mais famoso é o Grande Elefante, que tem 12 metros de altura, pesa 45 toneladas e pode levar até 49 passageiros.

©Ulrike Lemmin-Woolfrey

Infelizmente fomos em uma época que tudo estava em manutenção, o que só me deixa mais animada para voltar até a cidade uma próxima vez.

Dentro do estaleiro.
O Carrossel dos Mundos Marinhos, com seus 25 m de altura. Dá pra entrar e explorar todas as 39 criaturas mecânicas que fazem parte da atração.

Passado e futuro nas ruas de Nantes

Andando pela pela Linha Verde nos deparamos com construções bem modernas, como é o caso de “Air“, uma instalação com várias peças de alumínio que podem ressoar com o vento se tornando uma “fachada sonora”.

Ela foi criada pelo artista alemão Rolf Julius e foi incorporada na fachada do prédio Manny.

Ao mesmo tempo podemos entrar em uma brasserie (padaria) de 1895, projetada pelo arquiteto Émile Libaudière, e sermos transportados para um filme antigo.

No La Cigale tomamos um café da manhã francês incrível e ainda aproveitamos pra ficar babando em cada um dos detalhes do lugar mais Art Noveau que já fui na vida.

La Cigale
Foto no espelho mais lindo do mundo no La Cigale.
Fachada do La Cigale.
Fachada do La Cigale.

O que achei de Nantes?

Passeamos por Nantes por pouco mais de oito horas e fiquei encantada. Street arts pelas paredes, postes e chão, vistas lindas e lugares super diferentes para conhecer e explorar, simplesmente um lugar mágico e incrível pra se conhecer em um passeio na França. Ainda volto lá e fico pelo menos 3 dias pra conhecer bem a cidade.

Eu e JM, o marido, no Castelo.
Ruas fofas de Nantes.

Onde fica?

La Cigale – 4 Place Graslin
Les Machines de l’île – Parc des Chantiers, Boulevard Léon Bureau

Nosso Casamento a Dois

Nosso casamento a dois foi surpresa pra todos, vem saber como foi essa aventura.

João Manoel (vulgo, marido) me pediu em casamento no topo de Sacre-Cœur em uma viagem que fizemos para Paris em 2014. Já morávamos juntos há dois anos, mas ele resolveu fazer esta surpresa e achei mega fofo. Nunca marcamos data nem nada e tudo ficou como já estava.

João Manoel e eu em um campo de lavanda - Casamento a dois
João Manoel e eu, esse momento é nosso.

Como tudo começou…

Aí que eu resolvi fazer uma festa de 30 anos pra mim no ano passado, pois tinha na minha cabeça que queria fazer algo assim.

A festa foi incrível, juntei muita gente amada, mas no meio do processo eu vi como dava trabalho fazer tudo, mas – principalmente – quanto dinheiro eu ia gastar pra fazer uma festa simples.

Vinhos e frios do dia dos namorados em cima de uma mesa e uma placa com escrito Chell e João Faltam 43 dias.
Vinhos e frios no dia dos namorados do ano passado e a plaquinha fazendo a contagem.

Com isso em mente, dia 12 de junho de 2018, durante o jantar de dia dos namorados na nossa varanda, entreguei o único convite de casamento que tivemos para o noivo: “Você é o único convidado para o casamento”.

Sim, agora eu pedia e dava uma data: 1º de outubro, dia que comemoramos aniversário de namoro. Falei como eu queria que fosse: só eu, ele e as testemunhas. Mais uma vez, dissemos sim um pro outro. Começou então nossa contagem regressiva.

Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.
Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.

Como já tínhamos uma união estável, o processo foi bem tranquilo: 20 dias antes da data que queríamos que constasse na certidão de casamento fomos até o cartório com nossos documentos e amigos que seriam as testemunhas e assinamos tudo. Pronto! Estávamos casados.

Recordações de um casamento a dois

Para comemorar e deixar este momento guardado, fizemos um ensaio a dois com a minha querida amiga Gio Coppi, que já havia feito um ensaio meu. Para este ensaio de casal fomos até Campos do Jordão, afinal já que gostamos de natureza, trilhas e viemos de uma cidade de montanha, seria perfeito.

Eu e João olhando para as alianças em novo lugar. Casamento a dois.
Aliança mudou de mão!
João Manoel me abraçando em meio a árvores.
Eu e João caminhando entre as árvores.

Queria tirar fotos em um campo de lavandas, mas o mais próximo de nós foi bem difícil de entrar em contato. Chegamos cedo para pegar tudo tranquilo e acabou que deu tudo meio “errado”. Lugar fechado por falta de informações e saímos por tirar fotos em lugares alternativos. Mesmo assim, ficaram maravilhosas!

Por fim o campo de lavandas abriu e conseguimos tirar fotos por lá. Ou seja, felicidade completa! O ensaio foi cansativo por conta dos contratempos, mas a Gio foi incrível. Adoramos o resultado e temos lindas fotos pra marcar este momento que foi importante pra gente.

Um casamento bem a gente, cheio de amor e simplicidade.

Contamos para as famílias depois de nossa viagem de lua de mel que fizemos para a Amazônia, uma surpresa do marido pra mim. Mas isso será assunto para um outro post.

E vocês? Já pensaram em fazer um casamento assim? Que acharam?

%d blogueiros gostam disto: