desenho

Sketchbook Mochileiro – Mulheres desenhando pelo Brasil

Mulheres desenhando pelo Brasil

Capa escrita Sketchbook Mochileiro com mapa da América do Sul atrás

O Projeto

A Isabella, uma mulher maravilhosa, focada, dedicada a estudar desenho como ninguém, convidou algumas ilustradoras para fazer pate deste projeto lindo e cheio de diversidade chamado Sketchbook Mochileiro, que consiste em um sketchbook viajando por todo país, passando pela mão de mulheres maravilhosas – e olha que sorte eu no meio! – para ilustrarem sobre o tema mulheres do Brasil.

Leia também: Meu sketchbook no Inktober 2017

O Processo

Queria fazer algo bem delicado, então comecei a pensar pelas thumbnails, que são rascunhos pequenininhos feitos rapidamente para saber se o movimento e a composição do desenho vão ficar bacanas. Ali eu já defino que posição eu quero as pessoas e como elas vão ficar dispostas.

Thumbnail, um rascunho bem tosco do desenho que será de três mulheres de mãos dadas
Thumbnail para começar a ideia

Depois passo para uma folha maior e já faço o desenho como quero que ele fique. Olho em algumas referências, se vejo que preciso, (pode ser foto ou outra ilustração de alguém por exemplo) se precisar resolver algum problema. Esta é a parte de dar a forma do desenho. Depois de pronto, uso uma folha de papel manteiga com grafite para passar tudo para o sketchbook.

Mesa com os rascunhos do desenho, o caderno com o desenho mais bem elaborado e ele já transpassado para o sketchbook

Depois passo para finalização. Neste caso escolhi aquarela – usei Winsor & Newton e Pestilento – lápis grafite e lápis de cor (Faber). Para o pontilhismo usei as Micron Sakura. Aproveitei a oportunidade e usei meus pincéis com reservatório de água que comprei ano passado.

Zoom em detalhes de uma das mulheres desenhadas. Aquarela, lápis de cor e pontilhismo

Desenho do sketchbook finalizado - três mulheres diferentes de mãos dadas em uma dançaDesenho finalizado

No final ficou super delicado e mostrou a parceria e a diversidade que eu queria passar entre mulheres. O que acharam?

Quer seguir? Saber mais?

Siga o Instagram e o Facebook do projeto para ver as artes de todas as participantes. Quem já foi: Kris Efe, Lidy Dutra, Fefe Torquato, Mika Takahashi e Thaly Tamura.

Inktober 2017

inktober 2017

O que é o Inktober?

O Inktober já é um evento quase que obrigatório para ilustradores que estão neste mundão de internet. Acho que Jake Park, artista estadunidense que criou este desafio, não imaginava a proporção que a ideia que ele teve iria tomar, hoje rolando nos sketchbooks de artistas pelo mundo todo, desde os mais iniciantes até os artistas mais conhecidos, todo mundo no mesmo barco.

Eu e o Inktober

Comecei participando do Inktober em 2015, com o tema “Girls at The Sea”, que virou um zine fofinho que vendi por aqui, e ano passado fiz o tema kung fu para treinar um pouco mais de tecidos e movimentos. Para ente ano eu quis aproveitar a vibe das minhas férias sabáticas e escolhi o tema Paris. Assim eu poderia treinar cenários e composições.

Comecei o projeto aqui no Brasil mesmo, que foi complicado pois eu teria que desenhar coisas por referências fotográficas, mas depois chegando lá tudo ficou mais fácil e me joguei nos sketches urbanos. Foquei em desenhos feitos rapidamente, sem muita borracha – afinal estava bem frio – assim treinava um pouco mais a velocidade, e por este motivo o inktober foi se transformando ao longo do mês. Ficou meio sem unidade, mas quem disse que tem que haver uma? A ideia era DESENHAR!

Foram trinta e um desenhos bem diferentes, mas que eu fiquei bem feliz em fazer.

Quem acompanhou? Curtiram?

Curso: Desenho Gestual | Alex Woo | Schoolism

Desenho Gestual – Gestual Drawing

desenhos gestuais de Alex Woo

Sinopse do curso

“Os melhores artistas dos melhores estúdios nunca param de aprender. Mas você já imaginou quem os ensina? O vencedor de prêmios Alex Woo faz isso.

Neste incrível curso para abrir os olhos, Alex quebra os fundamentos dos desenhos gestuais em sete tópicos fundamentais. Você aprenderá a importância de destilar gestos em linhas de ação e formas simples, criando silhuetas fortes, efetivamente usando espaço, extrapolando ideias de uma pose melhor do que apenas anatomicamente, e finalmente, encontrar histórias nos seus desenhos gestuais.

O curso consiste em 8 palestras apresentadas em 12 semanas.”
Sinopse do próprio Schoolism

O que achei do curso

Este é de longe o curso que eu mais gostei do Schoolism. Alex Woo vai direto ao ponto, sem falar muito e passa de forma prática e simples o que ele quer dizer. Cursos on-line são feitos pra aprender sim, mas para mim eles devem ser feitos com base em pessoas 1. não podem gastar tanto em um curso presencial ou 2. não tem muito tempo. Como falei no outro post sobre o curso do Fluharty, eu gosto de cursos que vão direto ao ponto. Algumas histórias e demonstrações são sim bacanas, mas na medida certa e aqui temos Alex Woo provando que é possível.

Depois do que aprendi no curso dele senti meus desenhos com muito mais movimento e equilíbrio, dicas valiosíssimas e exercícios práticos ótimos que repito com frequência quando estou esperando alguém em algum lugar ou em um consultório médico.

Lições e Exercícios

Lição 1 – Linha de ação
A fundação pra você construir seus desenhos. No primeiro exercício você vai achar a essência de cada pose com as linhas de ação.

Lição 2 – Forma
Formas te ajudarão a determinar o sentimento e a dinâmica do seus desenhos. Seu exercício esta semana é abstrair poses em formas.

Lição 3 – Silhueta
Criar uma silhueta forte vai melhorar a leitura dos seus desenhos. Um bom desenho deve ser lido mesmo quando todo pintado de preto. Nesta semana você deve desenhar com a intenção de criar silhuetas.

Lição 4 – Espaço
Usar espaços te ajudará a dar mais profundidade aos seus desenhos, e vai faze-los mais reais, adicionando dimensão. Esta semana o foco será criar espaços mais profundos nos desenhos.

Lição 5 – Exagero
Usar exagero em ilustrações é como usar uma hipérbole em um debate: você está dando exemplos extremos em ordem de se comunicar uma ideia. Em desenhos gestuais, devemos priorizar a comunicação do que a anatomia. Para esta semana você vai focar em puxar e empurrar formas para que elas comuniquem uma ideia.

Lição 6 – Extrapolação
É o processo de se ler entre as linhas e ver além do que há lá. Através de uma extrapolação de sucesso, você verá uma pose de membros, músculos e ossos e sentirá a ideia, emoção, ou ação. Para esta semana você extrairá ideias das poses e fará isso com outros personagens e objetos.

Lição 7 – História
É o elemento mais importante do desenho gestual. Todos os tópicos anteriores são sem significado se eles não forem usados para contar uma história. Seu exercício da semana irá focar em desenhar poses em um contexto de uma história.

Lição 8 – Revisão Final
Neste tópico Alex Woo faz uma revisão e fala sobre comunicação da história, e oferece dicas finais em desenho gestual, falando da importância disso para o crescimento de um artista.

Você é Foda

Caso você se esqueça, você é foda!

Once Upon a Time

Esta semana que passou eu tive que resolver alguns problemas aqui no blog, resolvi links que não existem mais e várias imagens que eu hospedava no Photobucket ficaram quebradas e tive que baixar todas, uma a uma, pra poder arrumar. Estou fazendo isso aos poucos, pois são mais de mil imagens em posts diversos e vai levar um tempo, mas saibam que estou arrumando. Acontece que com isso eu tive o prazer de reler alguns posts mais antigos e rever meus desenhos antigos.

Quem acompanha o blog desde meus tempos de adolescente ou desde a época da faculdade, deve se lembrar de um projeto que se chamava Caderninho de Quinta. Ele funcionava assim: toda quinta-feira eu deveria postar um desenho feito por mim, assim eu me obrigava a desenhar pelo menos uma vez por semana. Comecei com isso em 2009 e levei até 2014 e vou contar pra vocês, esta experiência me trouxe muitas recordações lindas, além de perceber como mudei de opinião em várias coisas, mas o principal mesmo foi ver minha evolução no desenho.

First Things First

Nos primeiros que vi eu já falei: “GZUZ! Como eu tinha coragem e postar isso?”, e a cada nova descoberta, uma exclamação. Na época eu achava eles bem ruizinhos já (aliás, achar trabalho próprio ruim é minha especialidade, já contei?), mas hoje eu vejo como eram bem fracos.

No começo eles eram feitos no meu caderno da faculdade no meio das aulas ou no meu caderninho que ganhei na época e ia comigo pra todo lugar. Eu não estudava anatomia nem nada, era desenhar por desenhar. Depois comprei uma mesa gráfica e comecei a me arriscar em alguns desenhos digitais – arriscar mesmo porque vix! – e até algumas pinturas. Os últimos desenhos do projeto já tinham mais exercícios do curso de desenho que fiz aqui em São José dos Campos que comecei logo quando vim pra cá, mas nem por isso eram melhores dos que eu consigo fazer hoje.

Eu comecei a estudar mais seriamente desenho e aquarela depois do workshop da Sabrina Eras em 2013 – sim, ela mesma – foi um momento de catarse pra mim, onde descobri que dava pra viver de ilustração de alguma maneira, conheci pessoas que gostavam disso assim como eu e me senti animada pra fazer melhor algo que eu já amava fazer.

Nem tudo são flores

Acontece que nem sempre eu consigo me manter bem o suficiente para me manter focada nos estudos. Este ano comecei muito bem fazendo vários cursos do Schoolism , me dedicando pelo menos 2/3 horas diárias para os desenhos, pelo menos 22 dias por mês, mas algo acontece e minha energia vai caindo, o habit tracker começa a ser esquecido e quando vejo me perdi de novo. Isso acontece em várias coisas na minha vida, mas o desenho é algo que sempre volto. SEMPRE. Por isso continuo insistindo e pelo visto tá dando certo.

Até Pokemons Evoluem

Depois de rever tanta coisa mais antiga, trabalhos de quase 10 anos atrás eu pude ter uma visão REAL da minha evolução. Já falei por diversas vezes aqui do livro Perfect Bait do Bobby Chiu no qual ele fala sobre você não se comparar com mais ninguém, apenas com você. É algo complicado, a todo momento a gente está se julgando, mas depois de rever meus desenhos antigos, senti que precisava disso e fiz um antes e depois: escolhi dois desenhos mais antigos e refiz eles com o meu traço e conhecimento de hoje, e vejam só como a coisa está diferente:


Post antigo.


Post antigo.

Ainda vejo muito onde melhorar, mas o movimento, a pose, a composição a noção de corpo melhorou de um tanto que eu fiquei muito feliz com o resultado. Deu pra ver como estou aprimorando dia a dia minhas habilidades e como continuar insistindo no desenho está me fazendo melhorar mesmo.

Na faculdade eu comprei umas aquarelas da Pentel porque queria começar a pintar, mas não tinha informação de nada e esta foi minha primeira vez que resolvi aprontar com a tinta, em 2010:

Minha primeira aquarela, se é que se pode chamar disso, em 2010

Eu não acho que eu deveria ser presa pela “polícia das artes”, a coisa está terrivelmente macabra, mas se não fosse este começo eu nunca teria chegado onde estou hoje, que pode não ser o maior patamar do mundo, mas cada degrau aqui tem que ter sua importância. Depois do curso da Sá em 2013 eu me arriscava mais com materiais e papéis corretos e veja a evolução pro ano de 2014:

Aquarela de pássaro feria em 2014

Você É Foda!

Como diriam algumas pessoas: “me perdoem o “francês”, mas vira e mexe a gente se esquece de quanto a gente sonha com algo, de quanto a gente estuda e investe em algumas coisas, esse recado é pra mim e pra todo mundo que lê este post e que pode se sentir meio na bad de vez em quando: VOCÊ É FODA.

Por mais que as vezes a coisa não corra como queremos, que a gente ache que nunca vai conseguir, a gente é foda por continuar, por insistir e por acreditar. A gente as vezes apoia tanta gente e esquece de se apoiar, então fica aqui meu recado pra gente ser menos mal com a gente mesmo.