video game

Plants vs Zombies

 
Eu não tenho um Iphone, mas tenho um irmão que tem e nesse feriado a minha diversão foi jogar muito no Iphone do irmãozinho. E como esses jogos de Iphone são viciantes, roubaram metade da minha vida no feriado então preciso falar de alguns que eu adorei. O que eu me diverti mais foi, sem dúvida alguma, o Plants vs. Zombies, que é produzido pela PopCap Games e pode ser jogado em PC, Mac, Iphone ou XBox. Ele é do tipo Tower Defence (defesa da torre), porque é basicamente um jogo só de defesa. Você deve plantar flores e plantinhas que irão proteger sua casa dos zumbis que querem comer seu cérebro. Então você tem um campo que é seu jardim e a cada nova fase você ganha plantas de diferentes características: uma atira, a outra só serve pra ser comida, outra põe fogo no projétil que a outra atira e por aí vai. Assim como a cada novo nível aparecem novos zumbis. Tem o que voa, o que corre, o que tem mais proteção, o que nada então a cada começo de fase você analisa os zumbis que vão te atacar e vê qual tipo de planta você vai precisar pra matá-los.

Seu jardim de dia

Seu jardim de noite
É bem divertido de jogar, simples demais também, não tem segredo, é plantar e só, isso torna o jogo rápido e não enjoativo. Além disso tem uns zumbizinhos que são umas figurinhas! Tão engraçadinhos!
Eu achei que o jogo ia ser daqueles fáceis demais e por isso chatos, engano meu. Sou uma lerda que ficou presa em uma fase e por causa disso não consegui cumprir a meta de “zerar” o jogo no feriado. Quem sabe no próximo (irmão com cara de assustado lendo esse post).

Compre e jogue!
Pc/Mac – $19.95
Iphone – $2.99
Ipad – $9,99

Video Game: PlayStation 1 e Dreamcast

E vamos para a segunda parte da minha vida de jogatina, onde vou mostrar os vídeo games que eu brincava quando era mais nova. Pra quem se interessar, aí vai o link da parte I.

Bem depois do Super Nintendo, não tive nenhum video game MEU, só jogava na casa dos outros. Um que joguei até cansar foi o Playstation 1 da minha tia. Eu e meu irmão passávamos horas zerando todos os jogos do Crash, a rapozinha laranja que, não é do Firefox. Nosso predileto virou o Crash CTR, de corrida.

Depois tinha o Heart of Darkness. Eitha jogo capcioso! Até hoje não zeramos. Tá que o tempo na frente do Play acabou, então vai ver é isso. E o jogo tinha umas cenas nojentas, como as sombras comendo o menino, eca. Mas a história era que o cachorro do menininho era sequestrado por essas sombras-aliens, e ele tinha que resgatá-lo.

Eu também sempre fui fã de corrida e luta, então vivíamos no Need For Speed (como amo tunar carro!) e no Star Wars de luta, que no momento não me lembro do nome. Importante, o porco não era válido para ninguém jogar, já que a velocidade de ataque dele era muito grande e ninguém que estava com ele perdia.

Então, meu primo ganhou um Dreamcast, e nossos domingos (eu, maninho e primoso) eram de puro Sonic na veia! Tínhamos que escolher um personagem e jogar com ele até o fim do dia pois ele não tinha o tal VMU(Visual Memory Unit) que é praticamente um memory card, ou seja, nada de gravar.

Video Game: Turbo Game e Super Nintendo

Que criança não teve, ou já não jogou video game? Eu era a maior ratinha de jogos e “zerava” todas as fitas. É porque eu jogava em FITA, aquelas coizinhas lindas, na maioria das vezes cinza e que agente vivia soprando pra ver se funcionava. Vou falar um pouco dos jogos que eu tinha e gostava de jogar até doer os dedos e ficar com a vista embaçada.
Começaremos pelo meu primeiro video game, o Turbo Game. Essa coizinha preta linda me rendeu horas de jogatina ainda quando pequenina. Um tal jogo chamado Circus tirava meu sono, e eu amava pular por entre aros de fogo em cima de um leão. Outro jogo que me lembro de vir na linda fita amarela é o jogo X-Men, citado no Nerdcast #176. Terrível.

O segundo video game foi o Super Nintendo.Coisa fofa, cinza com botões roxinhos. Neste eu me esbaldei! Meus jogos prediletos eram:


Aladdin – conforme você ia passando as fases a história do filme ia sendo contada, havia password e eu corria até pra anotá-los achando que o tempo ia acabar. Só a parte de uma pirâmide que o Abu cai que não existe, mas achei que o jogo ficou maior, então, melhor!


Magical Quest 3 – Tudo pra salvar Huguinho, Zezinho e Luizinho, e pra isso os dois vão parar até embaixo d’água. Os caras bolaram bem o jogo, muitas meninas jogaram porque dava pra trocar a roupa deles no meio do jogo, sendo que cada roupa ajudaria em uma habilidade (escalar, fazer mágica, flutuar…). Donald era mais que fofo no barril!


Bela e a Fera – o terror das minhas tardes. Não tinha password e eu quase morria pra passar as fases. A Fera sempre morria e tínhamos que começar tudo de novo. No dia que eu terminei o jogo, e a Bela e a Fera começaram a dançar eu quase morri de alegria, lembro até hoje: mamãe passando roupa e eu depois de uma tarde toda de jogatina, dançando com o controle.

Lógico que também existia Mario, que zerei mais de N vezes, um do Pernalonga que também era meu sofrimento sem password, mas que sumiu em uma mudança, o Mario Paint (sabe comé, design corre nas veias desde pititinha), mas esses eram os que eu era mais viciada.

Bem, vou contar sobre os outros jogos e consoles em outro futuro post, então aguardem a próxima edição do “Coisas da Minha Infância: Video Game II”

Fotos: Clássicos do Super Nintendo e Wikipédia