diarinho

Nosso Casamento a Dois

Nosso casamento a dois foi surpresa pra todos, vem saber como foi essa aventura.

João Manoel (vulgo, marido) me pediu em casamento no topo de Sacre-Cœur em uma viagem que fizemos para Paris em 2014. Já morávamos juntos há dois anos, mas ele resolveu fazer esta surpresa e achei mega fofo. Nunca marcamos data nem nada e tudo ficou como já estava.

João Manoel e eu em um campo de lavanda - Casamento a dois
João Manoel e eu, esse momento é nosso.

Como tudo começou…

Aí que eu resolvi fazer uma festa de 30 anos pra mim no ano passado, pois tinha na minha cabeça que queria fazer algo assim.

A festa foi incrível, juntei muita gente amada, mas no meio do processo eu vi como dava trabalho fazer tudo, mas – principalmente – quanto dinheiro eu ia gastar pra fazer uma festa simples.

Vinhos e frios do dia dos namorados em cima de uma mesa e uma placa com escrito Chell e João Faltam 43 dias.
Vinhos e frios no dia dos namorados do ano passado e a plaquinha fazendo a contagem.

Com isso em mente, dia 12 de junho de 2018, durante o jantar de dia dos namorados na nossa varanda, entreguei o único convite de casamento que tivemos para o noivo: “Você é o único convidado para o casamento”.

Sim, agora eu pedia e dava uma data: 1º de outubro, dia que comemoramos aniversário de namoro. Falei como eu queria que fosse: só eu, ele e as testemunhas. Mais uma vez, dissemos sim um pro outro. Começou então nossa contagem regressiva.

Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.
Eu, Vera, Gláucio, Gi e JM. Os únicos que sabiam de tudo.

Como já tínhamos uma união estável, o processo foi bem tranquilo: 20 dias antes da data que queríamos que constasse na certidão de casamento fomos até o cartório com nossos documentos e amigos que seriam as testemunhas e assinamos tudo. Pronto! Estávamos casados.

Recordações de um casamento a dois

Para comemorar e deixar este momento guardado, fizemos um ensaio a dois com a minha querida amiga Gio Coppi, que já havia feito um ensaio meu. Para este ensaio de casal fomos até Campos do Jordão, afinal já que gostamos de natureza, trilhas e viemos de uma cidade de montanha, seria perfeito.

Eu e João olhando para as alianças em novo lugar. Casamento a dois.
Aliança mudou de mão!
João Manoel me abraçando em meio a árvores.
Eu e João caminhando entre as árvores.

Queria tirar fotos em um campo de lavandas, mas o mais próximo de nós foi bem difícil de entrar em contato. Chegamos cedo para pegar tudo tranquilo e acabou que deu tudo meio “errado”. Lugar fechado por falta de informações e saímos por tirar fotos em lugares alternativos. Mesmo assim, ficaram maravilhosas!

Por fim o campo de lavandas abriu e conseguimos tirar fotos por lá. Ou seja, felicidade completa! O ensaio foi cansativo por conta dos contratempos, mas a Gio foi incrível. Adoramos o resultado e temos lindas fotos pra marcar este momento que foi importante pra gente.

Um casamento bem a gente, cheio de amor e simplicidade.

Contamos para as famílias depois de nossa viagem de lua de mel que fizemos para a Amazônia, uma surpresa do marido pra mim. Mas isso será assunto para um outro post.

E vocês? Já pensaram em fazer um casamento assim? Que acharam?

Pra não dizer que não falei de 2018


Marido e Mulher

2018 foi muito bom pra mim. Ele me tratou com carinho e atenção, ou vai ver fui eu que me tratei assim e com isso o ano ficou com aquele gosto de jujuba. Claro que a vida são altos e baixos, mas 2018 me reservou recomeços, aprendizados e novas etapas e passo por ele sabendo que sou uma pessoa melhor depois disso.

Recomeços

Depois de três anos trabalhando em casa com a minha própria marca – a Alpaka – decidi que queria voltar pro trabalho com salário fixo todos os meses. Queria poder fazer planos, fazer cursos, planejar viagens e sair com amigos sem contar os centavos. Foram três anos de muito (MUITO) aprendizado, nos quais conheci pessoas maravilhosas e tive oportunidades diferentes e muito incríveis, só que cheguei no ponto de escolha: tento investir muito na loja e viro administradora ou volto pro mercado e invisto numa carreira? Resolvi que agora eu quero mais sossego e certezas de dinheiro no bolso, e tá tudo bem. Ter um negócio próprio não é mole não! A gente trabalha e pensa no negócio 100% do tempo e eu vi que não ia fazer o que eu queria se ficasse ali.

Aproveitei então a oportunidade que surgiu em 2017 em um freela e voltei 2018 pra agência. Quem me conhece sabe que eu temia muito esse momento. Era um misto de tristeza, sensação de fracasso (por conta da loja) e medo. Medo de voltar a ter crises de ansiedade e pânico de novo. Mas na Árvore me receberam como em um abraço delicioso e confortável. Me senti valorizada, útil e contente por estar conseguindo viver novamente aquele estilo de vida de levanta, pega ônibus, vai e volta. Além disso pude conhecer muita gente linda que quero manter juntinha no meu coração pra sempre.

Pico dos Marins
Nós no Pico dos Marins.

Novas aventuras

Depois de alguns poucos meses acostumada na agência, surgiu uma oportunidade bem diferente de trabalho: uma vaga na área de marketing na empresa que o marido trabalha. Mesmo com aquele frio enorme na barriga, me joguei. A maioria dos dias agora trabalho home office e me sinto tão feliz com isso! Empresas alow! façam home office!

Então já que estava bem no trabalho, fui realizar alguns sonhos! Depois de 8 anos tentando arrumar oportunidade, finalmente subi o Pico dos Marins. Quando comecei a pegar firme nas minhas corridas e atividades físicas há anos atrás, foi porque o marido (na época namorado) falou que eu não teria condicionamento pra fazer esta trilha. Anos depois eu subi e fui muito bem obrigada!

Aniversário 30 anos
Galera linda.

Além disso fiz pra mim uma festa de aniversário de 30 anos. Chamei os amigos mais queridos que poderiam comparecer (mamãe também veio S2) e com toda a temática de Harry Potter fiz trinta-com-cara-de-vinte-e-dois e não acredito que já fiz tudo isso.

Antes disso eu fiz um pedido. Ele já havia sido feito em 2014 no topo da Basílica de Sacré Cœur em Paris, mas eu reforcei com data e tudo! Ai que no dia 02 de outubro eu e o noivo buscamos nossa certidão de casamento e agora finalmente e legalmente somos marido e mulher. Não teve cerimônia, mas teve e sempre haverá muito amor. Pra marcar o acontecimento fizemos um ensaio de fotos lindo com a Gio Coppi e fomos para uma lua de mel linda, que só descobri no dia pra onde iria: Amazônia.

Uma das viagens mais cheias de conhecimento, novas comidas e lugares lindos que fui. Foram dias deliciosos descobrindo uma das maravilhas do mundo. Vou contar mais sobre ela por aqui em breve, com detalhes e lugares pra vocês conhecerem, claro.

Junto com tudo isso teve o começo de uma nova psicóloga, que me ajudou a passar por 2018 plena, e a troca do kung fu que praticava há cinco anos para o tecido acrobático. Acho que pode ter sido parte das mudanças que senti em mim no ano que passou, mas estou apaixonada pela minha nova vida de acrobata.

No meio de tudo isso teve indas e vindas pra Minas, passeios com a minha irmãzinha linda que amo cada dia mais, séries, filmes, livros (13 lidos em 2018!), doramas e até tatuagem. 2018, você foi bacana, apesar das tretas por conta de política. Pudemos conhecer quem somos, quem está ao nosso lado e quem sabe, aprendemos a lidar com isso.

Que venha um 2019 incrível pra gente!

Me conta uma coisa legal que você aprendeu em 2018 ;D

Não aprendi dizer adeus

Adeus, tchau, bye, au revoir…

Pessoa deitada na cama
Foto: Gregory Pappas

Quando era pequena e minha mãe dizia que os filhos dela eram do mundo, que um dia eles iriam sair daquela cidade pequena do Sul de Minas Gerais, eu achava interessante. No partir via possibilidades, descobertas, aventuras e novidades. Quem não gostaria de uma vida com tantas novas descobertas? Sei de pessoas que dispensam estas coisas, mas eu disse como minha mãe falava, não? Ela criou a gente passarinho solto, e quem nasce assim dificilmente sonha com gaiola.

O tempo passou e conseguimos trilhar nossos caminhos para fora daquela cidade que abraçou toda nossa infância. Ali deixamos nossos joelhos ralados, as brigas de crianças, bolas no telhado, as escapadas para andar de bicicleta na rua, a canja da vovó quando ficávamos doentes, as tardes estudando e o melhor arroz e feijão de vovó do mundo. Escolhemos tudo que conseguíamos levar nas malas e partimos para descobrir o tal do mundo.

Durante anos os feriados foram feitos para reencontros: de estômagos com comidas gostosas, de histórias de cantos diferentes e de braços com abraços. Voltávamos sempre de malas cheias de comida e abastecidos com o melhor carinho e amor de família que poderíamos ter.

(Você leitor pode estar meio confuso, mas conto tudo no plural, pois assim como eu, meu irmão também se jogou nesta vida maluca de estudar fora. Com um ano de diferença fizemos nossas “matulinhas” e deixamos o aconchego do lar, dois passarinhos voando alto.)

A faculdade passa, as aulas terminam, a vida de adulto te chama. O nervosismo, o primeiro emprego, as primeiras responsabilidades como alguém que trabalha e contribui para a riqueza do país. De repente, percebemos que estamos há onze anos longe da casa dos nossos pais. Como foi que tantos anos passaram assim, num estalar de dedos?

As férias de julho deixaram de ser algo importante, os boletos chegam, mas eu posso sair e tomar meu sorvete preferido no dia que eu quiser. Conheci outros continentes e pude ver meu irmão voar mais longe ainda, mas apesar de tudo isso, de todo este tempo fora, eu ainda não aprendi a dizer adeus.

A cada reencontro e partida, um nó pára na garganta com aquela sensação que tudo correu demais. A saudade ainda está ali. Percebo que quando a gente ama tanto as pessoas, não importa o tempo que fiquemos, sempre temos a sensação de que foi rápido demais. Que poderíamos ter ficado mais cinco minutos, que esquecemos de contar uma história, jogar mais uma bola e abraçar um pouco mais.

Os trinta

Eu segurando uma bicicleta com Invalides e árvores ao fundo

Minha psicóloga – maravilhosa – repete sessão ou outra a seguinte frase: “sempre que você estiver em contato com quem você realmente é, você vai estar bem”. Acho que nunca uma frase fez tanto sentido pra mim quanto neste último ano. Acontece que é difícil estar em contato com quem realmente somos, pois pra isso acontecer temos que saber quem somos.

Filosofias à parte, este último ano foi o ano de acertar alguns ponteiros. Vai ver tem a ver com a parte que a psicóloga também diz: que os 30 anos são a porta de entrada para a primeira maturidade. Viajei, tive momentos incríveis com meu irmão, que estão guardados com o maior carinho do mundo na minha memória, conheci a Disney Paris, me senti em filmes medievais na Escócia, fiquei 2 meses longe do noivo trabalhando que nem doida, apesar de sentir medo, voltei para o mercado de trabalho, achei um lugar que eu finalmente me senti confortável e estou experimentando uma paz que há tempos não sentia. Conheci pessoas incríveis, passei por momentos bem malucos e cheguei aos trinta.

Aos trinta eu percebo tanta coisa. Parece que o mundo tem mais clareza, me entendo melhor no mundo, meus gostos, sonhos, preocupações. Algumas coisas já ganharam um foda-se bem gigante e com isso alguns pesos saíram das costas e como é bom se livrar de algumas coisas.

Hoje sinto meu coraçãozinho cheio de amor, como quando andava de bicicleta com meu irmão às margens do Sena com um pôr-do-Sol lindo, o vento batendo no meu rosto e chacoalhando meus cabelos. Estava um clima delicioso, nem calor, nem frio. As pessoas compravam cafés e se sentavam pra ver a luz do sol refletindo nas águas do rio. Um cheiro de café e crepe estava no ar. Meu coração se encheu de alegria. Lágrimas me vieram aos olhos e eu tive a experiência do que se chamam sentir-se plena.

Atualmente este sentimento se repete com frequência e eu não preciso estar lá pra sentir isso, apenas preciso estar em um lugar calmo, talvez uma música boa rolando ao fundo e uma bela paisagem ao alcance dos olhos. Pode ser a luz do nascer ou do dormir do sol – minhas iluminações preferidas. Acho que é isso que chamam de Carpe Diem.

Aos poucos a ansiedade vai sendo controlada e o um dia de cada vez aparece mais presente na minha vida. Coisas que só o tempo pode te trazer.

Não trocaria meus 30 pelos meus 15. Sou muito melhor como pessoa hoje, sou mais saudável, tenho capacidade de correr atrás de meus sonhos (e de correr também porque nos 15 era bem terrível nisso), tenho menos vergonha e me preocupo muito menos com que os outros vão pensar, o tempo amigos, ele é o verdadeiro mestre.

%d blogueiros gostam disto: