Resenhas

Vício em cinema, gosto por doramas, paixão por animes e aquela quedinha pelo teatro.

Viagem: Onde comer em Edimburgo – Escócia

Lugares pra se comer em Edimburgo, para vários bolsos

Quando eu e o noivo viajamos, raramente saímos comendo por restaurantes caros. A gente escolhe as opções mais em conta – às vezes até demais – mas gostamos de experimentar algumas coisas diferentes algumas vezes, e claro que em Edimburgo a gente não ia deixar algumas coisas passarem. Nos restaurantes abaixo as refeições saem entre £6 e £15.

Bread Meats Bread

Bread Meats Bread - Comer em Edimburgo

No dia que cheguei o noivo me levou neste restaurante de hamburguers deliciosos! O tamanho do lanche era bem bacana, nada exagerado – eu acho que comi inteiro – e estava delicioso! Tinha opções vegetarianas também e o atendimento foi super legal.

Onde fica?
92 Lothian Rd, Edinburgh EH3 9BE

Leia também sobre lugares para comer em Paris

Hard Rock Cafe

Comer em Edimburgo - Hard Rock Cafe

A gente que não está acostumado e só ouve histórias, sempre teve vontade de conhecer um Hard Rock Cafe. É gente que viaja e sempre conta do lugar, então resolvemos matar a curiosidade!

Não esperávamos nada mais que boa música ambiente – rock né? – e uma decoração bacana, cheio de CDs, guitarras e roupas autografadas de artistas famosos, e isso a gente teve. A comida estava boa, pedimos um bom e velho hambúrguer da casa, mas posso dizer? Do Bread Meats Bread estava mais gostoso e o preço era melhor.

Onde fica?
20 George St

The Elephant House

The Elephant House

Como uma fã de Harry Potter vai para Edimburgo, terra que inspirou tudo que vem dos livros, e não vai no lugar onde J.K.Rowling em pessoa se sentava para escrever páginas e páginas dos livros mais maravilhosos de todos os tempos? Não tem como.

O lugar é bem aconchegante, cheio de referências indianas e, claro, elefantes. Achei bem legal eles manterem o restaurante com as características originais, sem transformar em algo Pottermaníaco. O máximo que se encontra lá é um painel numa parede com recortes e matérias dedicadas a J.K.Rowling.

No The Elephant House você pode aproveitar e experimentar o prato típico da Escócia, o Haggis, Neeps and Tatties. Haggis é tipo uma carne moída de miúdos (órgãos internos), Neeps são nabos e tatties são batatas. Os vegetais vêm parecendo um purê e você pode se considerar um escocês depois dele, se você tiver coragem.

Onde fica?
21 George IV Bridge

Mais posts sobre Edimburgo? Só clicar aqui!

OINK


Indicação do noivo pra quem adora carne suína. No Oink você pode escolher tamanho do pão e o recheio, porco é o padrão claro – aliás o bicho fica inteiro na frente da vitrine da loja – mas você pode arriscar até um haggis no seu lanche.

Onde fica?
34 Victoria St

Pizzeria 1926

Pizzeria 1926

Outra que o noivo trouxe pra complementar o post. Pizza italiana, de Napoli, na Escócia sim senhor! Ele disse que é diferente de todas as pizzas daqui do Brasil e é uma delícia!

Onde fica?
85 Dalry Rd

The Last Drop

The Last Drop

Diz a história que os condenados que seriam mortos na praça do Grassmarket tinham o direito a uma última gota (Last Drop) de cerveja neste pub super tradicional da cidade. A decoração é toda cheia de imagens antigas de Edimburgo, já que o bar está no mesmo lugar desde 1873. Um lugar muito legal pra se entrar nem que seja para beber um pint – se você beber.

Onde fica?
74-78 Grassmarket

DICA EXTRA

Agora, você quer economizar? Tá achando que £8 libras tá caro pra almoçar todo dia? E é mesmo. Então se joga na dica que eu vou dar aqui pra você se alimentar baratinho numa viagem econômica: meal deal.

O meal deal é um combo que você compra no supermercado – a maioria deles oferece – que consiste em um lanche (natural, wrap, baguete), uma bebida (suco,refrigerante,chá) e uma sobremesa (chocolate, frutinha, balas). Você compra esse combo por £3. Isso mesmo, três libretinhas. É super baratinho, mas acho que no final de uma semana toda você já estará pedindo por um bom prato de comida.

Assistir: The Handmaid’s Tale – 1ª (2017)

A distopia impressionante de The Handmaid’s Tale

Qual a história?

“Em um futuro próximo, as taxas de fertilidade caem em todo o mundo por conta da poluição e de doenças sexualmente transmissíveis. Em meio ao caos, o governo totalitário da República de Gileade, uma teonomia cristã, domina o que um dia foi o território dos Estados Unidos, em meio a uma guerra civil ainda em curso.A sociedade é organizada por líderes sedentos por poder ao longo de um regime novo, militarizado, hierárquico e fanático, com novas castas sociais, nas quais as mulheres são brutalmente subjugadas e, por lei, não têm permissão para trabalhar, possuir propriedades, controlar dinheiro ou até mesmo ler. A infertilidade mundial resultou no recrutamento das poucas mulheres fecundas remanescentes em Gileade, chamadas de “servas” (Handmaid), de acordo com uma interpretação extremista dos contos bíblicos. Elas são designadas para as casas da elite governante, onde devem se submeter a estupros ritualizados com seus mestres masculinos para engravidar e ter filhos para aqueles homens e suas respectivas esposas.”

Leia também: Anne with an E, a série mais fofa de todos os tempos.

Madeline BrewerMadeline Brewer, maravilhosa.

O Conto da Aia

A série foi feita com base no livro da canadense Margaret Atwood, publicado em 1985. Ganhou prêmios, como o Prêmio Arthur C. Clarke em 1987, foi nomeado para outros e já foi um filme e uma ópera.

Alexis BledelAlexis Bledel

O que achei?

Quando ouvi falar deste série eu fiquei muito receosa em assistir, pois morro de medo de filmes de terror, e a fotografia da série juntamente com os comentários que eu ouvia me embasavam para achar que se tratava de uma série cheia de sustos e medos. Eu não estava errada, mas bastou assistir o primeiro episódio para entender que o terror estava em outra coisa. Não no sangue, pedaços amputados ou mortes, mas no terror psicológico que a personagem principal e as outras aias sofrem.

Não sei se homens conseguem assistir The Handmaid’s Tale e sentir todo o terror que uma mulher sente. Pensar em tanta regressão depois de tão recentes vitórias dá nojo, asco, medo, um nervoso que brota episódio a episódio. Acompanhamos por meio de flashbacks como as mulheres foram gradativamente perdendo suas conquistas e como tudo foi mudando ao pouco enquanto todos se calavam. Talvez o que mais assusta na série é pensar que o que está ali é possível.

Yvonne StrzechowskiYvonne Strzechowski

As atuações são esplêndidas, e não por acaso a série ganhou o Globo de Ouro de Melhor Série Dramática em 2018 e Melhor Atriz para Elisabeth Moss, que dá um show na pele de June. Ela consegue passar apenas com os olhos a linha tênue entre a insanidade e a raiva que a personagem apresenta, sempre a um passo de perder o controle.

Com personagens complexas, cheias de nuances e fortes, cada uma de seu jeito, The Handmaid’s Tale fala sobre as bençãos e os dramas de ser mulher, e principalmente sobre sororidade. Atrizes maravilhosas fazem parte do elenco como: Yvonne Strzechowski (Serena), Alexis Bledel (Ofglen), Samira Wiley (Moira) e Ann Dowd (Tia Lydia).

General de costas e uma multidão de homens sentados.O patriarcado

Outras características que dão um show a parte são fotografia e trilha sonora. Com músicas conhecidas e letras se encaixando perfeitamente com os acontecimentos, tomadas maravilhosas e cores que dão o tom para as cenas, a série é um prato cheio para quem gosta de cinema.

Se você assistiu a primeira temporada, indico fortemente o podcast sobre a série gravado pelas maravilhosas mulheres do Mamilos. Elas conversam n~;ao somente sobre a série, mas sobre os acontecimentos distópicos. Você pode acabar o podcast concordando com o comandante de Gileade. É só clicar aqui ou então ouvir no seu Spotify.

Se você ainda não assistiu. Pare tudo que está fazendo e entenda porque esta série está sendo tão comentada.
A segunda temporada está quase no fim e logo devo falar dela por aqui.

Curso: Fundamentos do Design de Personagens | Stephen Silver | Schoolism

Fundamentos do Design de Personagens com Stephen Silver

Sinopse do curso

Já um artista consolidado na área de animação, Stephen Silver é conhecido pelos seus designs únicos e animações como “Kim Possible”, “Danny Phantom” e muitos outros. Entre os clientes dele estão Disney, Warner Bros, Nickelodeon e Sony Pictures.

Como um designer de personagens, você é reponsável por explorar ideias atravez de personagens. Seu papel como criador será de criar personagens principais e incidentais para animações, filmes, vídeo games, além de criar personagens para suas próprias ideias.

Através deste curso, Stephen vai dividir o processo criativo de desenho que ele utiliza e suas técnicas pessoais para produzir desenhos de personagens de sucesso. Você aprenderá a entender a clareza e a variação de formas, assim como muitos outros princípios e elementos importantes do design.

Em suas palestras, Stephen fornecerá a você uma melhor compreensão do processo de desenho e design, além de fornecer ferramentas para melhorar constantemente suas habilidades. Este curso de 9 palestras aumentará a sua confiança no desenho, ao mesmo tempo que vai te inspirar com novas ideias que o ajudarão a crescer continuamente. Texto de Schoolism.

Primeiras anotações do curso de Stephen Silve do Schoolism

Primeiras anotações do curso de Stephen Silve do Schoolism
Anotações do curso.

O que achei do curso

De cara eu já achei que Stephen falava muito. Depois do curso com Alex Woo, que era bem direto, Stephen começou realmente a me irritar, mas continuei firme, aproveitando os momentos de falação para fazer exercícios.

Não por isso o curso é ruim, Stephen é um grande profissional e ao longo do curso mostra todo o processo criativo que ele utiliza para fazer os personagens dele. Enquanto isso os exercícios de quem faz o curso é a criação de um personagem. Nesta época eu comecei a me afastar um pouco do desenho, estudava diariamente sim – já conto o quê – mas não consegui me pegar aos exercícios que ele passava.

O que eu estudava era o “plano para melhorar seu desenho em 20 semanas” que o próprio Stephen passou. Consistia em estudar o corpo humano parte por parte e treinar caricaturas. Baixei muitas imagens, imprimi e usei todas para treinar tudo isso. Estes estudos me animaram bastante e me mantiveram motivada por bastante tempo. Enquanto isso acompanhava as aulas dele, fazendo estes estudos e aprendendo como ele trabalhava.

Descobri como caricaturar mulheres é complicado – principalmente achar foto de mulheres variadas – e como dá pra utilizar melhor formas na hora de criar personagens mais “cartoonescos”. Além disso me dediquei bem aos fundamentos e depois deste curso eu realmente senti uma grande melhora na qualidade dos meus desenhos. Apesar de ser m dos mais maçantes, ele foi realmente

Vários rostos e mulheres diferentes para treinar formas e expressões
Vários rostos e mulheres diferentes para treinar formas e expressões.

Expressões e rotação de cabeça
Expressões e rotação de cabeça, material do curso.


Rosto mais real, arredondado, triangular e quadrado.

Lições e exercícios

Lição 1 – O que é design de personagens?
Examinar o que é design de personagens e quais as suas responsabilidades como designer em um estúdio de animação. Stephen conta experiências, como começou e mostra influências.

Lição 2 – Pensando, olhando, fazendo.
“Sabendo os fundamentos e tudo mais, você vai subir”. Stephen fala dos fundamentos e responde as questões mais comuns. Fala sobre formas básicas, variação e a importância de boas silhuetas.

Lição 3 – Construção/Caricatura
Nesta aula ele fala da importância da construção. O que significa evitar a “escada” e começa a falar sobre caricatura. Examina assuntos como contraste, ângulos, formas e outros. É nesta aula que ele fala sobre o plano de 20 semanas.

Lição 4 – As características
Princípios e características, como mãos, olhos, narizes, orelhas e bocas.

Lição 5 – Limpando
Aqui ele fala sobre escala e proporção. Além disso ele mostra como limpar uma ilustração.

Lição 6 – Turnarounds
Os temidos turnarounds – reviravoltas – do personagens, que você deve saber se você quer trabalhar com animação.

Lição 7 – Expressões e Atitudes
Expressões e atitudes são o tópico desta aula. Ritmo, equilíbrio e movimento.

Lição 8 – Skecth de memória e como se manter desenhando em um sketchbook diariamente.
A importância de se desenhar em um sketchbook, o que você deve observar e porque isto vai te ajudar a crescer. Também fala sobre a importância do sketch de memória e o que esperar disso.

Lição 9 – O trabalho de arte e fazendo um portfólio de sucesso.
O lado dos negócios da arte, ser profissional, cumprir datas, evitar procrastinação e meios de simplificar a vida. Isto significa estar organizado e focado.

Estudos de olhos
Estudos de olhos.

Estudos de mãos
Estudos de mãos

Estudos de anatomia de gato
Estudos de anatomia de animais.

Onde e como faço este curso?

Expliquei neste post os valores e como funcionam os cursos do Schoolism.
Lembrando que todos são em Inglês.

Leituras: Roube Como Um Artista e Mostre seu trabalho! | Austin Kleon

Os livros criativos de Austin Kleon


Foto de Melina Souza

Roube Como Um Artista – 10 Dicas Sobre Criatividade

“Roube como um artista’ busca mostrar que não é preciso ser um gênio para ser criativo, basta ser autêntico. Baseado numa palestra feita pelo autor na Universidade do Estado de Nova York que em pouco tempo se viralizou na internet, ‘Roube como um artista’ coloca os leitores em contato direto com seu lado criativo e artístico, sendo um manual para o sucesso no século XXI.”

Melhores frases

“O que é originalidade? Plágio não detectado”

“É melhor pegar o que não lhe pertence do que deixar aí esquecido.” Mark Twain

“Comece copiando o que você ama. Copie copie copie. Ao final da cópia, você encontrará a si mesmo.” Yohji Yamamoto

“O computador é muito bom para editar suas ideias, e é muito bom para deixá-las prontas para publicar e lançá-las ao mundo, mas não é muito bom para gerar ideias”

“O trabalho que você faz enquanto fica enrolando é provavelmente o trabalho que você deveria estar fazendo para o resto da sua vida.” Jéssica Hisch

“Você ão tem que compartilhar tudo – na verdade, às vezes é melhor não.”

“Cerque-se de livros e objetos que ama. Pregue coisas na parede. Crie seu próprio mundo.”

“Sempre carrego um livro, uma caneta e um caderno de anotações, e sempre desfruto da minha solidão e do confinamento temporário.”

“Há só uma regra que conheço: Você tem que ser gentil.” Kurt Vonnegu

“Você não pode ficar procurando validação em fontes externas. Uma vez que coloca seu trabalho no mundo, você não tem controle sobre como as pessoas reagirão a ele.”

“Estabelecer e manter uma rotina pode ser mais importante do que ter muito tempo.”

“O truque é encontrar um emprego fixo que pague decentemente, não o faça querer vomitar e o deixe com energia suficiente para fazer coisas no seu tempo livre. Bons empregos fixos não são necessariamente fáceis de encontrar, mas estão por ai.”

“Se você se pergunta ‘Qual foi a melhor coisa que aconteceu hoje?’, isso força um tipo de retrospectiva agradável, que vem das coisa sobre as quais você poderia escrever, coisas nas quais, de outro jeito, você não teria pensado. Se você se pergunta ‘O que aconteceu hoje?’, é bem provável que vá se lembrar da pior coisa, porque teve que lidar com ela – teve que se apressar até algum lugar ou alguém te disse algo ruim. Mas se perguntar qual foi a melhor coisa, será uma forma particular de lembrar como a luz entrava, ou alguma expressão incrível que alguém disse, ou uma salada especialmente deliciosa” Nicholson Baker

“Dizer a si mesmo que tem todo o tempo do mundo, todo o dinheiro do mundo, todas as cores na paleta, qualquer coisa que quiser – isso mata a criatividade” Jack White


Foto por Palombina

Mostre seu trabalho! 10 maneiras de compartilhar sua criatividade e ser descoberto

Mostre seu trabalho! explica porque por que a generosidade supera a genialidade. Por que nossa capacidade de estar acessível e de saber usar nossas próprias redes pode ser mais importante do que um simples “networking”. Apostando mais na autodescoberta do que na autopromoção, o livro é um manifesto inspirador para o sucesso como artista ou empreendedor na era digital.
Repleto de ilustrações, citações, histórias e ótimos exemplos, Mostre seu trabalho! oferece dez regras transformadoras para que sejamos mais abertos, corajosos e produtivos. Em capítulos dinâmicos e objetivos, Kleon propõe um fim definitivo ao já desgastado (e contraproducente) mito do gênio solitário, ao propor uma maior participação externa em seu processo criativo e artístico – para que, em outras palavras, todos possam “roubar” de você também.

Melhores frases

“Divida o que ama e atrairá as pessoas certas”

“Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a fazer grandes escolhas na vida. Porque quase tudo – expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar – simplesmente some diante da face da morte, deixando apenas o que é verdadeiramente importante. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que conheço para evitar a armadilha que você tem algo a perder. Você já está nu.” Steve Jobs

“Muitas pessoas estão acostumadas a apenas ver o resultado do trabalho.Elas nunca veem o processo que foi percorrido até chegar a ele” Michael Jackson

“Você tem que transformar o incrível em algo que os outros possam ver.”

“Um dia de cada vez. Parece tão simples. Na verdade é simples, mas não é fácil: requer uma enorme persistência e uma estrutura cuidadosa.” Russel Brand

“Se você trabalhar um pouquinho todo dia na mesma coisa, terminará com algo enorme” Kenneth Goldsmith

“No momento em que para de querer algo você consegue.”

O que achei dos livros?

Era tanta gente me indicando estes livros, que entre um Harry Potter e outro que estou revisitando encaixei os dois para ler na ordem. Achei eles bem baratinhos na loja do Kobo (R$19,90). Os livros são bem rápidos de ler e bem dinâmicos, com muitos itens em tópicos e dicas realmente bacanas.

Apesar de não dizer nada super extraordinariamente novo, os livros podem servir como uma injeção de motivação pra quem trabalha com assuntos ligados a criação, como ilustração, pintura, artes plásticas e escrita. Em “Mostre seu trabalho” ele dá algumas dicas bem legais pra quem quer mostrar o que faz, mas não tem a menor ideia de como fazer, mas tratando-se de livros inspiradores e motivacionais, ainda fico com “A Grande Magia”, que já falei por aqui.

Talvez o livro seja para quem quer sair do zero para um conhecimento, não sei, mas fiquei feliz de ter pago um preço baratinho por eles. Vocês já leram? O que acharam? Contem nos comentários.