Resenhas

Vício em cinema, gosto por doramas, paixão por animes e aquela quedinha pelo teatro.

Leitura: O Inferno Somos Nós. Do Ódio à Cultura de Paz | Leandro Karnal e Monja Coen

“O Inferno Somos Nós”, um livro pra pensar.

Sobre o livro

“Vivemos dias difíceis, de vozes múltiplas que parecem nunca dialogar, ávidas que são para atacar e julgar. Em tempos adversos como o que vivemos, de crise, preconceito e intolerância, como transformar o ódio em compreensão do outro em suas diferenças? Como sair de um cenário de violência e construir uma cultura de paz?
O historiador Leandro Karnal e a Monja Coen, fundadora da Comunidade Zen-budista do Brasil, conversam nesse livro sobre essas e outras questões, em diálogo inspirador. Os autores lembram que o medo pode estar na origem da violência e apontam como o conhecimento, de si e do outro, é capaz de produzir uma nova atitude na sociedade, menos agressiva e mais acolhedora.
‘Localizar o mal no outro é uma panaceia universal’, observa Leandro. Mas, talvez, o inferno não sejam os outros, como pensava o filósofo francês Jean-Paul Sartre, e sim nós mesmos.”

Você também pode gostar deste post: “Crer ou Não Crer | Pe. Fábio de Melo e Leandro Karnal

O que achei?

Depois que falei aqui sobre o livro de Karnal com o Pe. Fábio, tive o prazer de receber um e-mail querendo me enviar um livro do Karnal com a Monja Coen. Como negar livros é algo feio é claro que aceitei! Ainda mais um que já estava namorando havia um tempo. Ele chegou bonitinho e entrou na minha lista de leituras, até que chegou o dia dele.

Achei um livro de leitura deliciosa, fluida e bem fácil, que faz a gente pensar bastante. Gosto de saber mais sobre alguns comportamentos, sempre tentando entender como as pessoas se sentem, o que passam, assim melhorando a cada dia mais minha empatia para me tornar uma pessoinha melhor no mundo e para o mundo. Este livro com certeza faz a gente repensar muito em algumas atitudes e talvez ajude a gente a compreender um pouco mais o outro que pensa diferente da gente. Compreender, e não passar a mão em pensamentos de ódio.

Com muitos questionamentos sobre o modo que vivemos, como nos comportamos nos dias atuais, o que assistimos, o que nos é mostrado, a conversa dos dois pode inspirar e fazer a gente repensar muita coisa, ainda mais em tempos de tanta polarização. Indicaria este livro para tanta gente! Por isso estou aqui fazendo um post, pra quem sabe, algumas pessoas se inspirem a lê-lo.

Melhores Frases

“Não devemos aceitar tudo, não podemos aceitar qualquer maneira de ser e pensar. Não. Nós podemos compreender que existem pessoas que façam discriminação de gênero, discriminação entre mulheres e homens, discriminação por cor de pele (…). Podemos compreender, mas não permitir que isso se manifeste, que se alastre.”

“Quando a Educação não é libertadora, o sonho do oprimido é tornar-se opressor e substituir aquela dor e apenas pensar que o chicote é ruim porque não estou no cabo dele na minha mão. Se estivesse na minha mão eu estaria feliz.”

“Quase todo mal do mundo, quase toda cultura de guerra, de violência, de racismo, de misoginia é feita em nome do bem. É muito raro encontrar pessoas que assumam que fizeam algo em nome do ódio ou da raiva.”

“Quando condenamos o hábito alimentar de alguém o tipo de roupa que ele veste ou a ausência de trajes, estamos falando de algo que incomoda mais a nós mesmos do que qualquer outra coisa, e muito menos sobre o outro, sobre o bem ou sobre caridade e assim por diante.”

As playlists mais marotas do momento

Playlists diferentes pra você descobrir

Playlists marotas

Ah… a música

Quem é que não adora música? Claro que cada um no seu jeitinho de ouvir, mas viajar, faxinar, andar de ônibus… essas tarefas seriam tão mais enfadonhas se a gente não tivesse uma caixa de som ou um fone de ouvido pra deixar a gente mais feliz, não seriam?

Eu e a música

Eu não lembro muito bem quando comecei a me interessar pela música, só lembro de discos da Xuxa e da Eliana em casa quando pequena, mas a gente ignora a música um pouco em uma certa idade, até que tudo começa a aflorar.

Leia também a TAG Viciados em Música

Minha mãe adorava as divas: Mariah, Celine, Whitney, e sempre estavam tocando em casa. Músicas românticas, pop nacional, sertanejo antigo, Michael Jackson, e o que mais bombava em casa: trilhas de novela. Imagine uma novela, a trilha internacional e PÁ! Lá estava minha mãe com um CDzinho, sempre atrás das novidades pra passar para os alunos dela nas aulas de inglês. Com isso a gente sempre estava abastecido.

Com a chegada do computador e da internet, eu e o meu irmão começamos a descobrir músicas e estilos diferentes e nos tornamos ratinhos de download de músicas. Algumas vezes eu juntava meus trocadinhos de mesada para comprar trilhas sonoras originais de filmes – a minha paixão – e em outras eu baixava mixtapes ótimas prontinhas pela internet. Até hoje sinto saudade das da Irena.

A chegada do streaming

Foi só mais velha que o streaming chegou pra abalar as estruturas da sociedade e pude começar a ouvir legalmente minhas músicas. Pago com gosto o Spotify desde que ele chegou no Brasil e tenho tanta música que chego a ficar maluca. Cada dia, cada clima e cada sentimento pede uma música e por isso eu tenho um passatempo que ninguém conhece que é: criar e alimentar playlists.

lista de playlists
Minhas playlists arrumadinhas!

Playlists

Eu coloco um mood, uma descoberta da semana e conforme vou gostando, as playlists vão engordando. Tem pra vários gostos, do instrumental, k-pop, trilhas românticas, até reggae e rock! Eu tento escutar um pouco de cada coisa, algumas acho divertidas, outras me fazem focar, algumas me incentivam, então se você estiver procurando uma playlist no dia de hoje, é seu dia de sorte!

Me segue no Spotify! Tenho tanta playlist que acho difícil você não encontrar uma que você goste.

Assistir: Sakura Card Captors: Clear Card-hen (2018)

Sakura Card Captors, 18 anos depois.

Sakura Card Captors

Leia também sobre: Coisas que Aprendi com Sailor Moon.

Sinopse de Sakura Card Captors

Continuação da série de animes Sakura Card Captors, os novos episódios se passam quando Sakura entra no ensino médio no Japão. Amigos se mudam para outras escolas, novos chegam para se unir a todos que rodeiam Sakura e Syaoran retorna para Tomoeda. Novas coisas misteriosas s voltam a acontecer na cidade, mas o que será agora? As cartas já não estavam no devido lugar?

Com uma pitada de Lewis Carroll estes novos 22 capítulos te levam a seguir Sakura em novas aventuras.

Syaoran e Sakura

O que achei?

Poder rever Sakura é sempre um prazer, ainda mais com novas histórias depois de tanto tempo. Nesta nova série podemos ver como todos os personagens estão evoluindo – e crescendo – sempre com a doçura e a bondade de Sakura em foco. A nova história intriga e trás tudo que gostamos da série inicial: roupas lindas feitas por Tomoyo, Kero comilão, mistério, muitas amizades e a pitadinha de romance.

Os novos personagens Akiho Shinomoto (lembra Kinomoto?) e Yuna, são bem construídos, assim como Momo, porém senti que não tivemos o suficiente de Yuna e Momo e é aí que o anime pode decepcionar. Com uma junção legal de “Sakura” com toques de “Alice no País das Maravilhas” (por sinal, perfeita a comparação!) temos um final que pode decepcionar por ser tão perdido. Muitos fãs tem reclamado – estou no meio – esperando um anúncio de outra temporada para acalmar meu coração. Ah… orientais e seus finais cheios de reflexão e filosofias que deixam a gente sempre meio perdido e sem saber o que fazer.

Apesar de toda esta polêmica com o final, a temporada faz a gente curtir cada episódio, torcer muito pela personagem, dar boas risadas e vale muito a pena de ser vista.

Tomoyo

Assistir: Descendants of the Sun (2016)

Os ossos do ofício em Descendants of the Sun

Dorama coreano de 2016, Descendants of the Sun fala sobre profissões diferentes que buscam um fim parecido. Venha saber mais sobre esta história que pode ser encontrada no Netflix.

Leia também sobre o dorama Goblin.

Descendants of the Sun - Yoo Si-Jin e Kang Mo-yeon

Sobre Descendants of the Sun

Yoo Si-jin,capitão das forças especiais da Coreia, pega um ladrão de motocicleta juntamente com seu amigo Seo Dae-young. O ladrão é ferido durante a captura e é enviado para o hospital. Dae-young percebe que seu celular foi roubado pelo ladrão e vai para o hospital para recuperá-lo. Na sala de emergência, Si-jin encontra Kang Mo-yeon pela primeira vez e se apaixona por ela imediatamente. Mo-yeon erroneamente supõe que Si-jin faz parte do grupo criminoso do ladrão. Ele lhe revela que é um soldado com a ajuda de uma médica do exército Yoon Myung-joo.

Si-jin e Mo-yeon começam a namorar, mas devido a seus empregos, o namoro não vai bem. Si-jin recebe ordens para levar os seus soldados em uma missão de paz em Urk. Enquanto isso, Mo-yeon fica chateada por não conseguir se tornar uma professora devido ao conhecimento privilegiado de uma colega. Quando Si-jin e Mo-yeon se encontram novamente, eles falam sobre seus pontos de vista sobre a vida e percebem como eles são diferentes. Si-jin, como um soldado, mata para proteger vidas e Mo-yeon, como médica, tenta salvar todas as vidas. Eles se despedem.

Oito meses mais tarde, Mo-yeon rejeita as investidas do presidente do hospital, Han Suk-won e, como resultado, é nomeada para liderar uma equipe médica em Urk. Lá, Si-jin e Mo-yeon se encontram novamente.

Descendants of the Sun - Yoo Si-Jin e Kang Mo-yeon

O que achei?

Depois de indicarem tanto resolvi dar uma chance pra este dorama, mas foi de longe um dos mais arrastados que já assisti. Comecei ano passado e só consegui terminar agora. SIM! PASMEM. Apesar de ter achado o casal Yoo Si-Jin e Kang Mo-yeon muito fofo – não a toa os dois se casaram na vida real – eu não consegui me interessar muito pela história. Muitos probleminhas chatos e algumas coisas que me incomodaram, como personagens que vem e vão e que no fim não precisariam nem existir na história.

Confesso que algumas passagens me surpreenderam, não darei spoilers aqui, mas mesmo assim eu não consegui ter aquela vontade imensa de devorar episódios.É uma história cheia de coisas bem reais e acontecimentos trágicos que fazem a gente olhar algumas coisas com outros olhos, mas não me pegou mesmo e eu só terminei por honra. Não sei mesmo o que o pessoal que me indicou viu na história, ou se foram apenas os soldados correndo sem camisa. Começo a achar que meu negócio são doramas de fantasia mesmo.

Descendants of the Sun - Yoon Myung-joo e Seo Dae-youngYoon Myung-joo e Seo Dae-young

Descendants of the Sun