Deixando o cabelo crescer: do curto ao cumprido


AI SEGURA A CABELEIRA PORQUE VOU
FALAR DE UM ASSUNTO QUE EU A-DO-RO: CABELO!

Como comecei

Lááááá em 2016 eu tive um cabelão. Não era qualquer cabelão, acho que foi o maior tamanho de cabelo que eu tive na minha vida. Eu era apaixonada nele, porém já estava enjoada de olhar no espelho e ver aquele monte de cabelo que me dava um trabalhão e gastava muita tinta colorida.

Foi aí que comecei a ver alguns cortes pelo Pinterest e resolvi que queria um corte igual da Ruby Rose no filme XXX. Meu pai, como exímio cabeleireiro que é, mandou super bem e lá entrava eu na vida de cabelo curto. Cheguei a contar no meu canal do YouTube sobre ter o cabelo curto e até fiz post aqui no blog contando quais cuidados eu tinha com meu cabelinho.


Apresento-lhes: o cabelão. Foto por Gio Coppi


Meu médio-curto por Letícia Aimer

Passando a tesoura

Só que não bastou cortar ele assim, eu queria mais. De repente percebi que estava morrendo de vontade de ver como eu ficaria com um pixie hair. Tipo Anne Hathaway depois de “Os Miseráveis”, sabe? Então cheguei pro meu pai e falei “Pai, quero curtíssimo”. Depois de três vezes ele perguntando se era real oficial, lá fomos nós pra tesourada. Se você acha que um channel é curto, não sabe quanto cabelo pode sair da sua cabeça se pedir um pixie.

No começo achei meio estranho, mas foi bem fácil acostumar. A gente não precisa fazer muita coisa, só acordar jogar uma água, se quiser aproveitar joga uma pomadinha e pronto! Os mesmos trabalhos com o cabelo channel valem pro pixie, porém com muito menos produto.

Eu gostava da praticidade e velocidade que ele secava depois do banho. Tenho verdadeiro ódio de secar o cabelo no dias frios ou depois de treinos de noite, então pra mim foi a festa do caqui poder tomar banho e ter o cabelo seco em minutos.

Deixando o cabelo crescer

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2016 e 2017

Depois de matar a vontade, resolvi deixar o cabelo crescer de novo, e aí vem a parte difícil. Se você quer ele curto, resolve-se o “problema” em segundos, mas pra crescer demora um bocado e aqui requer um pouco de paciência e uma pitadinha de… paciência. O cabelo curto perde a forma e o corte bem rápido e assim a gente começa a ficar com ele todo desengonçado.

Nestas fotos acima dá pra perceber como eu tive que começar a usar faixa/tiara pra segurar os fios quatro meses depois de cortar o cabelo todo.

Presilhas, tiaras e o que mais virar

Fotos mostrando o cabelo crescendo entre 2017 e 2018

Coloquei uma sequência de três meses seguidos pra vocês verem como o corte muda em pouquíssimo tempo. Se você acha que seu cabelo cresce devagar, experimente cortar bem curto, você vai ver que é tudo questão de ponto de vista. Em poucos meses eu tinha um cabelo com mullets e eu estava quase indo jogar na Argentina péssima piada. Como meu pai é meu único e soberano cabeleireiro, eu tinha que aguardar até a próxima visita pra arrumar os fios. HAJA PRESILHA!

Cresceu!

Fotos de 2018 e 2019

Depois de um tempo você percebe que já dá pra fazer um rabo de cavalo. Com uns meses mais as tranças voltam e agora eu tô toda serelepe com ele grande de novo com direito a tranças, rabos, chuquinhas e o que mais vier. Um pouco longe de ser do tamanho que ele era ainda, mas quase lá. Foram dois anos deixando ele crescer, cuidando dele para que os fios ficassem saudáveis nessa jornada e sempre aparando as pontas para o corte se ajustar e deixar ele forte.

Como comentei no vídeo, cabelo cresce e este post é a prova disso! E você, já pensou em mudar radicalmente? Conta pra mim aí nos comentários!