guerra

Band of Brothers

Band of Brothers – [rating:5/5] É uma minissérie de televisão baseada no livro de mesmo título, da autoria de Stephen E. Ambrose, a série narra a história da Companhia E (Easy Company) do 506º Regimento de Infantaria Pára-quedista do Exército Americano, 101ª Divisão Aerotransportada – na sua campanha na Segunda Guerra Mundial. Tal companhia participou da invasão dos exércitos americano e inglês na Normandia, no dia 6 de Junho de 1944, o famoso Dia D, além da famosa Operação Market Garden e da Batalha do Bulge. Produzida por Tom Hanks e Steven Spielberg, lançada pela HBO em 2001.

Lendo sobre a série eu lí algumas curiosidadesmuito legais, por exemplo: para reproduzir com maior fidelidade os campos de batalha da Segunda Guerra Mundial, foram necessários mais de 10 mil atores extras, cerca de 700 armas autênticas, 400 armas de borracha e cerca de 14 mil caixas de munição em cada dia de filmagem. Além disso, tanques da Segunda Guerra foram restaurados, um avião C-47 autêntico foi usado e a vila que serviu como cenário para 11 cidades européias tinha o tamanho de nove campos de futebol americano. A série teve custos de produção e cenários mais caros que os do filme O Resgate do Soldado Ryan; a produção custou cerca de US$ 125 milhões e demorou 9 meses para ser finalizada, o que rendia à série o título de maior e mais cara já feita para a televisão, sendo batida em 2010 pela nova produção, sobre o mesmo assunto, de Tom Hanks e Steven Spielberg denominada The Pacific.

Depois que assisti “The Pacific” eu simplesmente tinha, devia, assistir esta outra série. É incrível como a produção é de primeira. O que eu achei é que Band of Brothers tem mais cenas “nojentas” como amputações, tiros, enfermeiro tentando achar artéria, coisas que eu, como uma pessoa de estômago sensível, tive que virar o rosto e me segurar na cadeira. Mas a parceria e o companheirismo que o Major Winters tem com o pessoal da Easy é uma coisa bonita de se ver, é um companheirismo que só eles entendem, afinal só eles sabem o que eles viram, tem até uma frase que se fala disso em um dos últimos episódios, que é traduzida de um general alemão que está se entregando ao exército americado que eu achei linda. A parte que eles encontram o campo de concentração é simplesmente chocante e você vê o choque no rosto dos soldados que ali chegaram, e pensar que isso tudo aconteceu.

Uma coisa que é interessante de se notar é que tanto no “Band”, quanto no “Pacific”, você nota a dificuldade dos personagens, que na verdade são reais, de relatar o que foi vivido e visto naqueles dias de guerra. Isso até é citado por alguns “que não saberão explicar em casa o que aconteceu ali”. Filmes e séries de guerra me fazem ficar introspectiva e pensativa, afinal tudo aquilo (pode não ser EXATAMENTE AQUILO) aconteceu, pessoas sofreram, morreram e algumas até hoje estão vivas pra relatar isso. Indico as duas séries, afinal elas se completam e minha nota pra elas é 1000.

 

The Pacific

“The Pacific”[rating:5/5] – é uma série produzida pela HBO (a mais cara da história com orçamento de US$ 200 milhões) e produzida por ninguém menos que Steven Spielberg e Tom Hanks.

A série tem 10 episódios, divididos em capítulos, que reconstitui a memória pessoal de três marines americanos (Robert Leckie, John Basilone e Eugene Sledge) durante o conflito entre EUA e Japão no litoral do Pacífico em plena Segunda Guerra Mundial.

O que me deixou mais intrigada e que me fez gostar mais ainda da série foi o fato de que a série homenageia sim os heróis americanos, mas também aborda como foi trágico para os inimigos, no caso os japoneses.

“Queríamos homenagear a coragem dos marines americanos na batalha, mas também queríamos que as pessoas dissessem: ‘não sabíamos que nossas tropas fizeram isso aos japoneses'”. Tom Hanks para “Time”

A série tem uma fotografia esplêndida, muitas cenas fortes e sangue, afinal é guerra e a abertura… delicada e forte ao mesmo tempo. Incrível como o preto e branco contrastando com as manchas vermelhas que aparecem fica lindo, os desenhos são maravilhosos, as “explosões” de carvão, simbolizando as bombas… tudo perfeito! Confiram e assistam, porque vale a pena! A trilha sonora é de fazer chorar.

Gatos, Fios Dentais e Amassos + Conquista da Honra

Gatos, Fios Dentais e Amassos – [rating:3/5] “Prestes a fazer 15 anos, Georgia está de olho no lindo e sensual Robbie, o novo rapaz da escola, membro da banda Stiff Dylans. Infelizmente, Robbie já está saindo com sua cruel arqui-rival, a loira e perfeita Lindsay. Com a ajuda de seus bem-intencionados pais, seu exótico gato Angus e sua turma, a Ace Gang, Georgia põe em prática seus loucos planos para agarrar um fabuloso namorado e curtir o melhor de todos os aniversários!”

O que achei –bonitinho, a atriz é meio esquizitinha, mas acho que é porque ela faz uma personagem cômica demais. Mas as amigas dela também são esquisitinhas. Filminho bonitinho pra tardinha, hehe.

Conquista da Honra [rating:5/5] “O filme mostra a história real dos seis soldados que ergueram a bandeira norte-americana na batalha de Iwo Jima, decisiva na Segunda Guerra Mundial. A produção foca os dramas vividos por alguns membros do exército norte-americano que estiveram presentes na ilha japonesa e, após erguerem a bandeira, seguiram numa espécie de turnê nos EUA a fim de angariar fundos para conseguir manter o exército do país no Japão, continuando o conflito mundial.”

O que achei –Filme de guerra, commuita gente despedaçada e tudo mais, mas por incrível que pareça, Clint Eastwood consegue dar um sentido ao filme, sem ser “pagação” para os EUA e mostra como é difícil uma pessoa voltar de um lugar onde todos estão passando por coisas inimagináveis e voltar a ser normal. Tem horas que o filme é meio parado e chato, mas quando se termina, entende-se que o filme é bom demais. Está de parabéns, adorei!

Vocês viram que o novo vídeo da Cravo e Canela saiu? Participe da promoção!! Basta clicar no banner ali do lado direito, ler as instruções e ganhar sapatos lindos com cheirinho de canela!


%d blogueiros gostam disto: