japão

Assistir: Sakura Card Captors: Clear Card-hen (2018)

Sakura Card Captors, 18 anos depois.

Sakura Card Captors

Leia também sobre: Coisas que Aprendi com Sailor Moon.

Sinopse de Sakura Card Captors

Continuação da série de animes Sakura Card Captors, os novos episódios se passam quando Sakura entra no ensino médio no Japão. Amigos se mudam para outras escolas, novos chegam para se unir a todos que rodeiam Sakura e Syaoran retorna para Tomoeda. Novas coisas misteriosas s voltam a acontecer na cidade, mas o que será agora? As cartas já não estavam no devido lugar?

Com uma pitada de Lewis Carroll estes novos 22 capítulos te levam a seguir Sakura em novas aventuras.

Syaoran e Sakura

O que achei?

Poder rever Sakura é sempre um prazer, ainda mais com novas histórias depois de tanto tempo. Nesta nova série podemos ver como todos os personagens estão evoluindo – e crescendo – sempre com a doçura e a bondade de Sakura em foco. A nova história intriga e trás tudo que gostamos da série inicial: roupas lindas feitas por Tomoyo, Kero comilão, mistério, muitas amizades e a pitadinha de romance.

Os novos personagens Akiho Shinomoto (lembra Kinomoto?) e Yuna, são bem construídos, assim como Momo, porém senti que não tivemos o suficiente de Yuna e Momo e é aí que o anime pode decepcionar. Com uma junção legal de “Sakura” com toques de “Alice no País das Maravilhas” (por sinal, perfeita a comparação!) temos um final que pode decepcionar por ser tão perdido. Muitos fãs tem reclamado – estou no meio – esperando um anúncio de outra temporada para acalmar meu coração. Ah… orientais e seus finais cheios de reflexão e filosofias que deixam a gente sempre meio perdido e sem saber o que fazer.

Apesar de toda esta polêmica com o final, a temporada faz a gente curtir cada episódio, torcer muito pela personagem, dar boas risadas e vale muito a pena de ser vista.

Tomoyo

O Chique do Furoshike


Eu sei que já falei sobre isso no blog, mas é que achei mais informações super legais pra quem curte, como eu, essa técnica de nós em tecido.

O furoshiki é uma espécie de lenço tradicional japonês que, dobrado, se transforma em bolsas e embalagens. Atualmente, sua utilização tem sido promovida pelo governo japonês como uma opção ecológica a sacolas de plástico.

As variações de pacote, bolsas, embrulhos que se pode fazer é bem grande, e serve pra muita coisa. Uso como bolsa e como “sacola retornável” pra ir ao supermercado. É uma alternativa muito boa pra não utilizar saquinhos plásticos, e como na minha república eles vêm aos montes, não custa economizar, né?

Uma das lojas mais conhecidas no Japão é a Kakefuda, em Kioto, uma lojinha bem, simples, mas MARAVILHOSAMENTE colorida, que vende tecidos lindíssimos pra fazer bolsas. Esse vídeo é gravado por um turista pelo que parece, dentro da loja.

Interessou? Então veja este livro com diagramas, ou então aprenda com os vídeos deste site.

Para fazer as bolsas o ideal é um tecido mais fino, que permita uma fácil amarração e dê um caimento melhor. Mas se você quiser importar, não é caro, esta loja de tecido para furoshiki vende uns bem lindos!

Intercâmbio Tóquio

Se você é maluco por qualquer coisa que fale sobre o Japão, como eu, não pode perder esse post!

Um dia assistindo Jornal Hoje, meu predileto, ouvi falarem de blogs de intercâmbio. Cinco jovens viajando por lugares diferentes contariam suas experiências nesses blogs dentro do site do jornal. Claro que como uma pessoa que adora viajar e gostaria de conhecer vários lugares eu fui conferir.




Em Nova York está o carioca Rodrigo Aguiar, em San Diego a paulista Thais Venosa e também de São Paulo o casal Marco Estrella e Ariane Thrall em Londres. Mas pra mim o mais divertido é o blog do Christiano Reis, que está em Tóquio. Para conferir os blogs, só clicar nas imagens acima.

Ele conta como é o estilo de vida lá e alguns hábitos japoneses, como por exemplo, nunca colocar o cotovelo em cima da mesa enquanto come. Além disso as fotos que ele tira são demais. Faça perguntas sobre curiosidades de lá que ele também sempre responde!

Filmes Orientais

Eu já cansei de dizer que sou fissurada em cultura oriental e uma das coisas que eu também adoro são os filmes que vem de lá, então aí vão as indicações que eu levei em consideração filmes mais conhecidos pelo pessoal, mais pra frente faço um de filmes não conhecidos.

O Tigre e o Dragão (2000)Rating: ★★★★★“A história de duas mulheres, ambas exímias lutadoras, cujos destinos se tocam em meio Dinastia Ching. Uma tenta se ver livre do constrangimento imposto pela sociedade local, mesmo que isso a obrigue a deixar uma vida aristocrática por outra de crimes e paixão. A outra, em sua cruzada de honra e justiça, apenas descobre as consequências do amor tarde demais. Os destinos de ambas as conduzirão uma violenta e surpreendente jornada, que irá forçá-las a fazer uma escolha que poderá mudar suas vidas.”
Os efeitos especiais são de matar e as cenas de luta são ótimas. O que mais me agrada nos filmes assim são as lutas bem gravadas, com uma fotografia maravilhosa e coisas que só o cinema proporciona, umas tomadas de voos, que são viajadas sim, mas dão um toque de lenda ao filme.

Herói(2002)Rating: ★★★★★ “Na China ancestral, a nação divide-se em sete reinos. Qin (Daoming Chen), o soberano da província do norte, sofre constantes ameaças e tentativas de assassinato. O que mais o preocupa são três assassinos de elite, contratados por seus adversários políticos. Um dia um dos magistrados de seu reino entra no palácio carregando as armas dos assassinos, afirmando ter derrotado os três inimigos em combate após de ter passado mais de uma década estudando a técnica da espada.”

Este me surpreendeu na fotografia. A cada história contada o cenário é de uma cor: vermelho, verde, marrom, branco… achei a coisa mais linda! E as cenas de luta também são de tirar fôlego. Algumas horas você pode achar o filme meio parado, mas não tira a beleza da obra.

O Clã das Adagas Voadoras (2004)Rating: ★★★★★ “No ano de 859 a China passa por terríveis conflitos. A dinastia Tang, antes próspera, está decadente. Corrupto, o governo é incapaz de lutar contra os grupos rebeldes que se insurgem. O mais poderoso e prestigiado deles é o Clã das Adagas Voadoras. Leo (Andy Lau) e Jin (Takeshi Kaneshiro), dois soldados do exército oficial, recebem a missão de capturar o misterioso líder das Adagas Voadoras e para tanto elaboram um plano: Jin se disfarça como um combatente solitário, ganha a confiança da bela revolucionária cega Mei (Zhang Ziyi) e, assim, infiltra-se no grupo. Mas a dupla não contava com a paixão que Mei despertaria nos dois.”

Deste filme sou suspeita de falar, sou viciada nele. A trilha sonora é maravilhosa, os efeitos são demais, surtei no making off, a fotografia, as cores, tudo lindo demais! E a história de amor é fofa, não como uma comédia romântica ou um drama, não sei explicar, é diferente e muito bonita. O final é meio maçante, mas mesmo assim, perfeito.

Adeus, Minha Concubina(1993)Rating: ★★☆☆☆ “Na China de 1977 dois atores da Ópera de Pequim caminham por um estádio vazio enquando recordam como se conheceram e iniciaram suas carreiras, em 1925. Nesta época, na Academia Toda Sorte e Felicidade, os pequenos Douzi e Shitou se conhecem e ficam amigos, sendo que mais tarde integram juntos a ópera Adeus, Minha Concubina.”

Esse eu só vou deixar aqui pra ver se alguém assiste, hehe. É que achei o filme forte e parei de assistir na metade, estava cansada de tanto sofrimento do personagem principal, que logo nos 20 primeiros minutos tem um dedo decepado por ter polidactilia, ou seja, 6 dedos em uma das mãos, porque atores da Ópera de Pequim deviam ter as mãos perfeitas.