Antes de decidir fazer design eu sempre fiquei confusa entre Oceanografia e Engenharia Mecatrônica, áreas totalmente diferentes (biológicas, exatas, e hoje faço humanas, maravilha né?), e ao mesmo tempo áreas que me fascinam. Adoro um robozinho e sou viciada em biologia marinha, mas em especial os peixinhos e criaturas que vivem a mais de dois mil metros de profundidade, sem um nadinha de luz, a Região Abissal.

As criaturas dessa região tiveram que desenvolver meios para “enxergar” e sobreviver sem luz, com dificuldades de obter alimentos, um grande frio e uma pressão inimaginável, podendo explodir até uma baleia. Esses seres são na maioria das vezes feios, parecendo que você está no meio de um pesadelo na maioria das vezes, muitos tem luminescência para atrair presas, (vide Procurando Nemo) são estranhos e pra mim fascinantes, por isso escolhi meus prediletos pra mostrá-los no blog:

Oarfish – Vamos começar por um menos feio, tá que eu acho ele até fofinho. Este peixinho nada na vertical, isso mesmo! E por isso eu acho ele tão diferentão.

Peixe Lua – Maior peixe ósseo conehcido, pode chegar a três metros e cerca de 2,3 toneladas. Olha só uma embarcação na região de Zamboanga, no sul das Filipinas, pegando o bixão.

Água Viva Gigante – Como 99% do corpo desses bichinhos é feito de água, elas não sofrem com a pressão gigantesca no fundo do mar. A água-viva com maior comprimento conhecida até hoje é a Nomura Jellyfish, que passa dos 2 metros e dos 200 kg.

Anglerfish – Esta espécie pode ser encontrada em várias formas, e vive nos lugares mais escuros e sombrios.

Anglerfish Fantasma e Anglerfish Football, este ocorre ente 1000 e 4000 metros e as fêmeas podem passar de 45 cm. Esses peixes aumentam de tamanho quando engolem uma presa.

Tubarão Fantasma – Esse peixinho é uma mistura de tubarão e arraia. Ele tem este estranho nariz protuberante com o qual vasculha o fundo gosmento do oceano em busca de sua preza. O nariz é cheio de terminações que detectam os mais frágeis impulsos elétricos. É como se o animal tivesse um detector de metais no nariz. Ele também tem este espinho venenoso na nadadeira dorsal.

Engolidor – Esse não achei muita informação, mas imagine essa boquinha aberta?

Agradecimento ao pessoal do Mundo Gump que teve o maior trabalhão com as imagens e vi como é difícil achar coisas sobre esses bichinhos.