romance

Assistir: Responde 1994 | K-drama (2013)

Responde 1994 é um k-drama que te segura até o final da história.

Responde 1994

Sinopse

Através dos personagens, o drama segue vários eventos culturais em 1994, incluindo o surgimento do grupo “Seo Taiji and Boys” e a Korean Basketball League.

Sung Na Jung é uma garota forte e decidida, ela é filha de Sung Dong Il e Lee Il Hwa, eles se mudaram para Seoul há pouco tempo e fizeram de sua casa uma pensão para jovens.
Sseureki (Trash) é amigo da Na Jung desde a infância, ele também mora na pensão. Chilbongi é um jogador conhecido do pai da garota e passa a fazer parte da turma.SamchunpoHaetaeBinggeure e Jo Yoon Jin também moram na pensão.

Via LoveCode.
 Chilbongi e Na-Jung.
Chilbongi e Na-Jung.

Sobre Responde 1994

A história se passa nos anos 2013 e 1994. Em 2013 temos Na-Jung reunida com seus amigos em sua nova casa assistindo ao seu vídeo de casamento, enquanto relembram histórias dos anos 90.

Enquanto isso vamos sendo levados para os anos 90 nessas lembranças, mais especificamente 1994, quando Na-Jung morava com seus pais na pensão que tinham para estudantes em Seul.

Entre essas indas e vindas da história a questão que nos prende até o final é: quem dali se casou com Na-Jung?

Responde 1994 - K-drama
Quem fica com Na-Jung?

Ao longo da história conseguimos nos divertir bastante vendo referências ao início de tecnologias como bipe, celular e computador, assim como o surgimento de bandas de kpop e as fãs fanáticas e super kpoppeiras.

Os personagens evoluem bastante conforme os episódios avançam, as histórias “da época da adolescência” deles vão se tornando cada vez mais fofas e logo estamos presos querendo saber quem será o marido da protagonista.

Haetae, Binggeure, Jo Yoon Jin e Na-jung. - Responde 1994
Haetae, Binggeure, Jo Yoon Jin e Na-jung.

O gostoso desta série e sentir aquela nostalgia boa dos anos 90. Eu era criança, mas as roupas, as músicas estão bem vivas na minha cabeça, por isso diverti muito com a relação bem doida de Na-jung e Trash Oppa e os pais de Na-Jung. Casal mais que engraçado!

Apesar de char que 21 episódios foram muita coisa para este dorama, valeu a pena ver todos eles. Se quiser assistir, ele está disponível no Netflix e Viki.

Assistir: Anne With An E | 2ª Temporada (2018)

Anne With An E e mais uma temporada deliciosa

Anne e Daiana - Anne With an E

Sobre a segunda temporada

Dois hóspedes de Green Gables podem estar aprontando alguma coisa muito estranha. Enquanto isso Anne se questiona sobre seu papel no mundo e qual profissão deve seguir. Uma nova professora aparece na escola depois de muitas mudanças, mas ela é certa para ensinar as crianças dali? Enquanto a cidade vive e passa por mudanças, Gilbert vai trabalhar em navios e conhecer um grande amigo e novos lugares que vão transformá-lo.

Você pode gostar também de The Handmaid’s Tales.

A nova professora - Anne with an E

O que achei?

Assistir cada episódio de Anne é como andar de manhã entre árvores com raios de sol brilhando entre galhos com uma leve brisa batendo no rosto. A série traz temas tão atuais, e talvez polêmicos, de uma maneira tão doce que faz suspirar.

Na segunda temporada temos uma Anne questionadora sobre o futuro, sobre escolhas e sobre quem ela é. Ela tenta encontrar naquele lugar uma resposta para o que ela será, já que parece que tudo é tão distante e não possível em sua pequena fazenda. Green Gables começa a se fazer pequena para nossa querida Anne, sem ela se dar conta.

O melhor episódio para mim é o da festa. Alí temos dois personagens, Anne e Cole, se descobrindo, vendo possibilidades e abrindo os braços pro que pode acontecer com eles. E além deles Diana, grande amiga de Anne, mas que ainda carrega toda tradição e conservadorismo da pequena fazenda que vive. É nítido o desconforto perante vários questionamentos que ela sofre e como ela começa a se diferenciar de todos ali. Um episódio cheio de sutilezas, com figurinos e cenários maravilhosos.

Com a chegada de Sebastian, grande amigo de Gilbert, começamos também a ter ótimas cenas e questionamentos sobre preconceito racial. Alí cabe tantos temas atuais que é até difícil falar todos!

Uma série tão doce que trata sobre homofobia, xenofobia, preconceito racial, feminismo, misoginia e auto-aceitação de uma maneira tão poética merece cada minuto de atenção. Ainda bem que a Netflix atendeu ao chamado de todos os fãs e disse que vamos ter uma terceira temporada. Queremos ver Anne se tornar uma mulher maravilhosa Netflix!

Se você ainda não viu esta série, indico começar agora.

Sebastian

Leitura: A Livraria Mágica de Paris | Nina George

A Livraria Mágica de Paris

Paris - Torre Eiffel

Sinopse

“O livreiro parisiense Jean Perdu sabe exatamente que livro cada cliente deve ler para amenizar os sofrimentos da alma. Em seu barco livraria, ele vende romances como se fossem remédios. Infelizmente, o único sofrimento que não consegue curar é o seu: a desilusão amorosa que o atormenta há 21 anos, desde que a bela Manon partiu enquanto ele dormia. Tudo o que ela deixou foi uma carta que Perdu não teve coragem de ler. Até um determinado verão o verão que muda tudo e que leva Monsieur Perdu a abandonar a casa na estreita rua Montagnard e a embarcar numa jornada que o levará ao coração da Provence e de volta ao mundo dos vivos. Sucesso de público e crítica, repleto de momentos deliciosos e salpicado com uma boa dose de aventura, A livraria mágica de Paris é uma carta de amor aos livros perfeito para quem acredita no poder que as histórias têm de influenciar nossas vidas.”

Livro a Livraria Mágica de Paris

O que achei?

Antes da viagem eu estava super procurando algo que me situasse no clima de tudo. Meu Inktober foi sobre a Cidade Luz e eu estava querendo um livro sobre ela também. Na livraria este foi o que vi, com altas recomendações no verso e resolvi arriscar.

O livro tem uma narrativa bem gostosa, a história é cheia de boas passagens e uma lição interessante, mas está longe de ser um livro que eu tenha amado. Fluiu bem a leitura, não empaquei, mas é como se eu tivesse começado uma obra romântica e cheia de delicadeza e em algumas poucas frases Nina George me carregava para “50 Tons de Cinza”. Foram poucas as passagens que isso aconteceu, mas tenho que dizer que me incomodaram um pouco. Sou muito romântica estilo mocinha de filme de princesa, então não esperava.

Apesar disso, a missão de se redescobrir vivo de Perdu me fez bem, em um momento que de certa forma eu precisava de algumas lições daquelas. Se eu fosse o personagem, talvez indicaria o livro para alguém que acabou de perder um ente querido, como um remédio para se redescobrir e ver a vida com olhos mais calmos. Aliás, ele pe passava uma calma gostosa, como se realmente estivesse navegando por um rio.

Citações

“Raro alguém ficar o dia todo rolando em sua sensação de felicidade como um bife na farinha de rosca, não é? A felicidade é tão fugaz. Quanto tempo já ficou feliz sem parar?”

“Não é surpreendente que o amor seja tão físico? O corpo lembra como é tocar alguém enquanto a cabeça recorda de tudo que a pessoa disse.”

“Para amar é preciso muito mais coragem e muito menos expectativa.”

“E, sim, dor de amor é como luto. Porque você more, seu futuro morre e você dentro dele…”

Assistir: Anne with an E (2017)

Anne with an E, a série mais fofa de todos os tempos.

Anne de pé na carroça com Matthew segurando seu chapéu, chegando em Green Gable.

A história

“Depois de treze anos sofrendo no sistema de assistência social, a orfã Anne é mandada para morar com uma solteirona e seu irmão. Munida de sua imaginação e de seu intelecto, a pequena Anne vai transformar a vida de sua família adotiva e da cidade que lhe abrigou, lutando pela sua aceitação e pelo seu lugar no mundo.”

De onde veio

A série foi inspirada no livro de 1908, “Anne of Green Gables” de Lucy Maud Montgomery e foi exibida pelo canal CBC, porém atualmente se encontra disponível na Netflix, mas procurando na internet descobri até desenho animado com a personagem.

Anne e Gilbert

O que achei?

Eu acabei de ver esta série e tive que fazer este post. Sei que ele vai ser agendado, mas queria deixar fresca aqui a memória de quem acabou de ver sete episódios lindos, delicados e poéticos.

Anne é uma menina adorável, Amybeth McNulty faz um trabalho magnífico com a personagem que mostra uma inocência com misto de experiência e maturidade devido a suas experiências de vida, ela vai te cativando por sua espontaneidade e carisma. Como ela tem coragem de se achar feia e ainda reclamar daquele cabelo? Nunca saberemos.

Vemos nesta série crianças e idosos vivendo e aprendendo uns com os outros e pra mim esta foi uma das coisas que mais me agradou. Os mais velhos remoem o passado relembrando coisas que poderiam ter sido, amores que podiam ter vivido e os mais novos em busca do novo, do conhecimento e de rumos. Além de acompanhar os aprendizados e dramas de Anne, também acompanhamos um momento de revolução nos ideais sociedade, quando as mulheres começaram a questionar e a querer tomar seus lugares, a querer um trabalho fora ao invés de apenas cuidar da casa. Muitos dos questionamentos da série vem do feminismo e isso é um presente para que assiste.

Acompanhamos as descobertas de Marilla e Matthew, irmãos que não se casaram e que agora começam a se abrir para novos sentimentos. Os dois crescem demais com a chegada de Anne e é lindo vê-los desabrochar e se conhecerem mais. A série trata de bullying, morte, adoção, preconceitos e assuntos mais sérios com a delicadeza de uma brisa e acho que estou liberada pra dar uma de poetiza aqui depois de tanta inspiração.

Eu posso não ser ruiva, nem órfã, mas de um certo jeito Anne me lembrou muito eu mesma, questionadora, lutando pra se encontrar no mundo e cheia de dúvidas sobre si mesma. Certeza também que ela é de câncer, porque chora demais e faz um drama. Em cada lágrima dela, lá estava eu deixando a minha cair do lado de cá. Apaixonada é como eu descreveria Anne. Apaixonada por descobertas, conhecimento, vida, natureza e pessoas que estão ao redor dela.

O melhor episódio

Pra mim com certeza o que Anne acorda de madrugada depois de sua primeira menstruação. Tantos questionamentos, descobertas e visões diferentes. Como era a vida das mulheres na época, como elas tinham que ficar reclusas e não podiam quase conversar sobre o assunto. Tudo um tabu gigantesco.

No final das contas esta série foi um presente. Se você não assistiu ainda, vou te dar mais alguns motivos: a fotografia é de deixar o queixo caído e a abertura… ah a abertura. Suspiro só de ouvir a música.

Frases

“Às vezes, é preciso deixar as pessoas amarem você.”

“A vida é curta demais para ser gasta fomentando animosidade ou remoendo erros.”

“É isso que você precisa decidir: viver uma vida sem arrependimentos.”

“Grandes palavras são necessárias para expressar grandes ideias.”

%d blogueiros gostam disto: