um mês

Dia 16 – Uma musica que faz você chorar (ou quase)

Ok. Hoje não choro mais com essa música, mas já chorei litros com ela. Em 2006 começei meu cursinho e justamente nesse ano meu namorado foi estudar em outra cidade. Nesse ano o Biquini Cavadão me solta a música “Quando Eu Te Encontrar” e que tocava sem piedade nas rádios da minha cidade. Era tiro e queda. Chorava andando na rua ou em qualquer lugar que a maldita tocasse! Mas hoje eu acho ela fofa.

Dia 14 – Um livro não-ficcional

Se ele é não-ficcional seria baseado em fatos reais, né? Bem, acho que um dos poucos que li assim e que gostei foi o “Diário de Anne Frank”.

“12 de junho de 1942 – 1° de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente segui para Auschwitz e mais tarde para Bergen-belsen.”


Entrada do esconderijo da Anne Frank
Pra quem não conhece, Anne Frank era uma judia em plena 2ª Guerra Mundial, que se escondeu junto com sua família em um sótão durante todo o tempo que escreveu no seu diário para fugir dos nazistas. A família de Anne sobrevivia com ajuda do patrão do pai dela, que mandava o que podia de suprimentos para eles.

A narrativa dela é a visão de uma menina de toda a situação, mas podemos sentir o medo deles enquanto lemos. Realmente uma história muito triste.

Dia 13 – Um livro de ficção

Brave New World - Admirável Mundo Novo

Admirável Mundo Novo (Brave New World)“É um livro escrito por Aldous Huxley e publicado em 1932 que narra um hipotético futuro onde as pessoas são pré-condicionadas biologicamente e condicionadas psicologicamente a viverem em harmonia com as leis e regras sociais, dentro de uma sociedade organizada por castas. A sociedade desse “futuro” criado por Huxley não possui a ética religiosa e valores morais que regem a sociedade atual. Qualquer dúvida e insegurança dos cidadãos era dissipada com o consumo da droga sem efeitos colaterais chamada “soma”. As crianças têm educação sexual desde os mais tenros anos da vida. O conceito de família também não existe.”

Li esse livro no curso de inglês, em inglês (deeer) e na época foi bem difícil entender aquele mundo diferente e quase que surreal na minha imaginação. Crianças que eram condicionadas desde os fetos para no futuro tornarem algo já escolhido, drogas liberadas para que as pessoas não pensassem nas coisas ao redor e não questionassem, pessoas separadas por grupos com cores diferentes, endeusavam Henry Ford (isso mesmo, o inventor do carro)… foi bem complexa a história, mas até hoje o livro é discutido e citado em qualquer lugar. Uma leitura bem interessante, diferente e futurista mesmo depois de tanto tempo que foi escrito.

Resumo da Wikipédia

%d blogueiros gostam disto: