Que tal nossa viagem pelo mundo das bruxas? Gostando? Bem, hoje vamos falar sobre como as bruxas, ou pelo menos as taxadas como uma, eram tratadas.

A Inquisição

A inquisição surgiu na Idade Média, durante o século XIII, pela Igreja Católica Romana, por um decreto papal de 1233 que oficializava a lei do Vaticano. Os tribunais surgiram para julgar pessoas que eram consideradas uma ameaça as doutrinas desta religião. As pessoas que eram caçadas e julgadas eram condenadas à prisão ou então recebiam pena de morte. As formas de se cumprir a pena de morte eram das mais variadas, indo de torturas(onde os torturados confessavam coisas absurdas, por que será?), dilacerações e ossos quebrados, até os mais “sortudos”, que tinham as cabeças cortadas e os corpos queimados até virarem cinzas. AH! E haviam também os que eram queimados vivos nas fogueiras em plena praça pública, com madeira verde para prolongar o sofrimento. Quanta coisa linda né?

A coisa chegou a tal ponto que qualquer um que interpretasse o Novo Testamento de uma maneira diferente era perseguido e caçado. Assim foi com uma seita chamada Waldenses. Eles fugiram para os alpes alemães, porém foram cercados e 110 mulheres e 57 homens foram condenados e queimados vivos. O grau de loucura era tanto que o riso, isso mesmo RIR, foi declarado como uma emanação do diabo. E podemos observar isso em histórias infantis da época: a mocinha sempre estava tristonha e sofrida, e a bruxa sempre dava gargalhadas. No final, é claro, a bruxa (as gargalhadas) levavam a pior.

As pessoas que eram condenadas nunca poderiam saber quem as delatou, e isso era maravilhoso para a igreja, já que pessoas cheias de posses eram simplesmente acusadas, tinham seus bens confiscados, e nunca saberiam quem as denunciara.

As Mortes

As mortes começaram a ficar incontroláveis em meados de 1600, quando vilas e povoados inteiros eram queimados e dizimados. Segundo alguns relatos, Benedict Carpzov, o inquisidor da Saxônia, assinou nada mais nada menos que 20 mil penas de morte.

Os documentos destes “tribunais” desapareceram, e é lógico que nunca vão aparecer, e com isso não há um número certo de mortes. Um documento atual do Vaticano diz que a inquisição não foi tão ruim como parece, e “apenas” 50 mil pessoas foram mortas nas fogueiras taxadas de hereges, porém outros dados mostram que 9 milhões de pessoas foram mortas, em países como Alemanha, Espanha, Portugal, Países Baixos e Itália.

Você também pode gostar desses

10 Comments on As Bruxas e A Inquisição

  1. Ah que bacana esses posts sobre bruxas! eu amo essas histórias e curiosidades. Muito bacana 🙂

    e parabéns pelo domínio!
    beijinhos

  2. Muito bom o post! 😉

    É uma pena que coisas assim aconteceram, não é mesmo?
    Sempre que me lembro da Inquisição, do fato de matar em nome de Deus… vejo como as pessoas são tão mesquinhas e baixas a ponto de acharem que podem julgar quem quer que seja. =/

    Beeeijos ;**

  3. Sempre que me lembro da Inquisição, do fato de matar em nome de Deus… vejo como as pessoas são tão mesquinhas e baixas a ponto de acharem que podem julgar quem quer que seja. =/ [2]

    eu amei a serie sobre bruxas *-* gosto mto de mitos e lendas ? meu amor maior é por unicornios xD

    beijoos

  4. Genteee… quanta coisa que eu nem imaginava!
    Por trás dessas “lendas” que se contam, há muita história no meio né?
    Adorei o post!

    Beijos

  5. Isso é tão surreal que parece coisa que acontece somente nos filmes, ne?!
    Parece impossível invadirem a minha casa, pegarem alguem da minha família (ou minha família inteira) e levar para praça pública para matar…

    Porém na Ditadura aconteceu isso e até hoje os desaparecidos políticos estão perdidos, com as famílias sem saber se estão vivos ou mortos. Triste de mais o ue o poder pode fazer.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *