Biografia

Mês Hayao Miyazaki

Muita gente que me conhece e me segue em redes sociais sabe que eu AMO Hayao Miyazaki. Ele é uma enorme inspiração e influência pra mim, então, conversando com o nosso amigo e colaborador Wagner que sempre está aqui sexta-feira postando uma nova animação, resolvemos fazer um mês especial em homenagem a ele, mostrando como suas animações são lindas e como sua mente é criativa. Ao longo do mês postaremos as obras deste mestre e espero que vocês gostem, se inspirem e se interessem pelas obras dele.

Hayao Miyazaki

Hayao Miyazaki nasceu em 5 de janeiro de 1941 em Tóquio. Seu pai, Katsuyiki Miyazaki, trabalhava em uma fábrica de aviões do irmão dele em plena Segunda Guerra Mundial. Por conta da guerra a família Miyazaki se mudou várias vezes, com isso Hayao estudou em diversas escolas diferentes. Em 1955 a mãe dele adoeceu de tuberculose espinhal, que fez com que ela ficasse na cama por nove anos, dizem que isso o influenciou na animação “Meu Vizinho Totoro” e muitos críticos consideram esta animação autobiográfica.

Os desenhos de Hayao eram basicamente aviões, e ele nunca havia se preocupado em desenhar pessoas ou outras coisas. Ele ingressou na Universidade Gakushuin no curso de economia e lá participou de um clube de pesquisa de literatura infantil. Se formou em Ciências Políticas e Economia em 1962, mas logo após consegue um emprego na Toei Animation.

Hayao Miyazaki

Onde tudo começou

Hayao começou na Toei como intervalador, ou seja, sua função era animar as guias enviadas pelos animadores-chefes (key-animators). Entre seus primeiros trabalhos como intervalador estão a animação “Watchdog Bow Wow”, a série de TV “Wolf Boy Ken”, “Prince of the Sun” e “Puss in Boots”. Neste tempo Hayao se casou com Akemi Ota, uma colega de trabalho e teve dois filhos.

Em 1971 Miyazaki sai da Toei e se junta a Isao Takahata e Yoichi Otabe na produtora A-Pro, para depois entrarem na Zuiyo Pictures. Neste tempo ele viajou por vários países, como Itália, Suiça e Argentina para desenvolver cenários para os longas “Heidi: Girl of the Alps” e “Three Thousand Miles in Search of Mother”. Só em 1978 Hayao dirigiu seu primeiro trabalho, a série de TV “Future Boy Conan”. E em 1979 seu primeiro longa “Rupan sansei: Kariosutoro no shiro”, para a produtora Tokyo Movie, depois foi creditado como diretor dos episódios 145 e 155 da série animada “Lupin III”.

Miyazaki cria em 1982 o mangá “Nausicaä do Vale dos Ventos”, que foi um grande sucesso, levando o diretor a transformá-lo em uma animação, que foi lançada em 84. Foi outro enorme sucesso e com isso Hayao e Takahata abrem seu próprio estúdio: o Estúdio Ghibli.

Depois do sucesso de Nausicaä, só mais sucessos vieram em seguida: “Laputa, o Castelo no Céu”(1986), “Meu Vizinho Totoro”(1988),“Serviços de Entrega da Kiki”(1989), “Porco Rosso”(1992) e “On Your Mark”(1995), um vídeo produzido por Miyazaki para uma dupla de cantores japoneses Chage & Aska.

Ghibli - Disney

Estúdio Ghibli e Disney

Com todo o sucesso de Miyazaki no oriente e com o aumento dos investimentos norte-americanos em amimes/mangas, a Disney se interessa em comprar os direitos de distribuição dos filmes do diretor, surgindo o acordo Disney-Tokuma que, em resumo, consiste na distribuição mundial (incluindo Japão, mas excluindo a Ásia) em vídeo (DVDs não estão incluídos) de todos os longas animados do Estúdio Ghibli.

Em 1997, o longa “Princesa Mononoke” lançaria o nome de Hayao Miyazaki ao mundo, se tornando o filme de maior bilheteria no japão (US$ 150 milhões), deixando para trás “E.T. – O Extraterrestre”, só perdendo depois para “Titanic”. Depois deste filme Hayao anunciou, pela primeira vez, sua aposentadoria, deixando-a para trás para dirigir “A Viagem de Chihiro” em 2001. Mais conhecido internacionalmente e com a força da Disney, o filme faturou mais prêmios internacionais. “O Castelo Animado” vem em 2004, com mais prêmios e uma bilheteira de arrasar ao redor do mundo. Miyazaki chega a anunciar a sua aposentadoria novamente, mas em 2008 volta com a estréia no Japão de“Ponyo no Penhasco à Beira do Mar”.
Agora é esperar para saber se este mestre das animações vai retornar com mais alguma obra de arte!

“I believe that fantasy in the meaning of imagination is very important. We shouldn’t stick too close to everyday reality but give room to the reality of the heart, of the mind and of the imagination. Those things can help us in life”

“Eu acredito que a fantasia no sentido de imaginação é muito importante. Nós não podemos ficar muito próximos da realidade de todo dia, mas dar espaço a realidade do coração, da mente e da imaginação. Estas coisas podem ajudar-nos na vida.”

CURIOSIDADES

* Miyazaki continuou escrevendo e desenhando o mangá de Nausicaä durante 12 anos. Ele terminou a série apenas em 1994.

* Shirou Miyazaki, irmão mais novo do animador, disse que a personagem Dola (Laputa) lembrava muito sua mãe, não fisicamente, mas em suas maneiras e trejeitos.

* A maioria das trilhas de seus filmes foi feita por Joe Hisaishi.

* A natureza sempre está presente em seus filmes, bem como aviões ou meios de transporte que voam.

* Os protagonistas são em sua maioria crianças, quase sempre um menino e uma menina.

Fontes: Wikipédia, IMDB e entrevista no Midnight Eye

Bruna Surfistinha + Sexo Sem Compromisso

Bruna Surfistinha [rating:2/5]“Raquel (Secco) é uma menina da classe média paulistana que estuda em um colégio tradicional e um dia toma uma decisão surpreendente: vai ser garota de programa. Raquel se torna Bruna Surfistinha que ganha destaque nacional ao contar suas aventuras sexuais e afetivas em seu blog.”

Sim, eu assisti. Depois das aulas de cinema com a querida professora Olga eu passei a respeitar o cinema brasileiro atual e resolvi me arriscar nesse filme. Já havia lido “O Doce Veneno do Escorpião”, livro da própria Bruna e que confesso não achei grandes coisas, mas o filme não foi dos piores. Claro que houveram muitas cenas de sexo, afinal é a vida de uma garota de programa, né? Mas tirando isso, dá pra ver o drama da Raquel, a pessoa por trás da Bruna, esse personagem criado por ela. Uma pessoa com baixa auto estima, que se sente péssima por dentro e busca atenção de alguma maneira. Foi isso que entendi do filme. Muito mais do que cenas proibidas para menores, é uma menina-mulher tentando ser aceita por ela mesma.

Sexo Sem Compromisso [rating:3/5]“Adam (Ashton Kutcher) ainda sente o fato de ter sido chutado por Vanessa (Ophelia Lovibond), sua namorada por oito meses. Para piorar a situação, descobre que ela é a nova namorada de seu pai, Alvin (Kevin Kline), um astro da TV. Desejando esquecê-la e seguir em frente, ele fica bêbado e, em seguida, liga para todas as mulheres que tem no celular, no intuito de encontrar companhia. Quem responde o apelo é Emma (Natalie Portman), uma jovem médica com quem encontrou algumas vezes, anos atrás. Adam vai à casa dela e eles acabam transando. Como Emma não deseja ter um relacionamento sério, já que teme sofrer, propõe a Adam que se encontrem tendo o sexo como único objetivo. Ele topa mas, com o tempo, novos sentimentos florescem entre eles.”

Que estranho foi ver a monstra da Natalie Portman fazendo uma comédia. Sério, foi estranho mesmo não me deparar lembrando dela em “Cisne Negro”. E sabe de uma coisa? Eu gostei! É incrível como ela se destaca até mesmo na comédia e como ela fez até Ashton Kutcher ser menos exagerado e palhaço. Uma delicinha de filme pra assistir em dias chuvosos debaixo do cobertor. E eu adorei a cena que ela está bêbada na casa do personagem do Ashton Kutcher e dá um chilique aparecendo atrás do sofá, sério a cena está na memória ainda.

Sinopses do Cinema Com Rapadura

O Turista + A Rede Social

O Turista –[rating:3/5]“A trama se passa em Veneza, na Itália, e em Paris, na França. A trama acompanha Frank (Depp), um turista americano que viaja para Veneza a fim de esquecer uma decepção amorosa quando conhece a bela e sedutora Elise (Jolie), uma mulher que deliberadamente cruza seu caminho com o dele e é uma agente da Interpol. Frank se apaixona perdidamente por ela, mas depois descobre que está sendo usado e que foi colocado em meio a um redemoinho de intrigas e perigo.”

Eu tinha que assistir, afinal, Jolie e Depp? É quase obrigação. Mas bem, achei a coisa toda meio fraca. A ação é divertida e ttem certas horas que Depp me fez lembrar do Jack em Piratas do Caribe, principalmente quando ele saiu correndo pelo telhado, mas… sei lá, faltou algum sal nessa mistura toda. Jolie está meio sem expressão e achei uma mistura de Sr. e Sra. Smith com Salt.

A Rede Social –[rating:2/5]“Em uma noite de outono, em 2003, graduado em Harvard e gênio em programação de computadores, Mark Zuckerberg se senta em seu computador e acaloradamente começa a trabalhar em uma nova idéia. No furor dos blogs e programação, o que começa em seu quarto logo se torna uma rede social global e uma revolução na comunicação. Em apenas seis anos e 500 milhões de amigos mais tarde, Mark Zuckerberg é o mais jovem bilionário da história… Mas para este empresário, o sucesso traz complicações pessoais e legais. “A Rede Social” é um filme que prova que não é possível chegar a 500 milhões de amigos sem fazer alguns inimigos.”

Tá bem que o cara é um gênio, mas daí dizer que o filme é bom por causa disso é demais. Achei cansativo, bem confuso no começo e achei o cara um verdadeiro panaca. O ator mesmo nem é tão expressivo no filme, achei o cara que fez o papel do Eduardo bem melhor. Ele trolla super bem, mas mesmo assim, um panaca. Panaca, sortudo e rico. Fazer o quê! A trilha é uma das poucas coisas boas do filme, então, se você está sem paciência, pegue a trilha sonora e seja feliz! haha.

Dia 14 – Um livro não-ficcional

Se ele é não-ficcional seria baseado em fatos reais, né? Bem, acho que um dos poucos que li assim e que gostei foi o “Diário de Anne Frank”.

“12 de junho de 1942 – 1° de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente segui para Auschwitz e mais tarde para Bergen-belsen.”


Entrada do esconderijo da Anne Frank
Pra quem não conhece, Anne Frank era uma judia em plena 2ª Guerra Mundial, que se escondeu junto com sua família em um sótão durante todo o tempo que escreveu no seu diário para fugir dos nazistas. A família de Anne sobrevivia com ajuda do patrão do pai dela, que mandava o que podia de suprimentos para eles.

A narrativa dela é a visão de uma menina de toda a situação, mas podemos sentir o medo deles enquanto lemos. Realmente uma história muito triste.

%d blogueiros gostam disto: