Leituras

Livros: Novos Fundamentos do Design e Pensar com Tipos

pensarcomtipos_2

Faz muito, mas muito tempo que aproveitei uma promoção da Cosac Naify e comprei livros de design e só agora consegui ler alguns. Os que vou mostrar abaixo são livros considerados básicos, mas só consegui lê-los agora que me propus matar uma fileira de livros que estavam na estante.

novos_fundamentos_design Novos Fundamentos do Design Rating: ★★★★★ Ellen Lupton, autora de Pensar com tipos (Cosac Naify, 2006), e Jennifer Cole Philips, revisitam o bê-a-bá do design, enfocando temas como: ponto, linha, plano, ritmo, equilíbrio, modularidade, tempo e movimento, à luz das mudanças tecnológicas e da sociedade global. Neste guia conciso e visualmente inspirador, as autoras partem de trabalhos de estudantes e exemplos-chave da prática profissional contemporânea que vão desde a criação de marcas, impressos e sinalizações à elaboração de páginas da internet e design em movimento, para mostrar a importância do equilíbrio entre habilidade técnica e pensamento visual crítico. Segundo as autoras: “Nós o criamos porque não víamos nada assim à disposição dos estudantes e jovens designers de hoje”.

O que acho mais bacana nos livros da Elle Lupton é a didática maravilhosa que ela tem em explicar as coisas, com uma leitura clara e bem fácil você consegue seguir sem peso algum. Além disso o livro é recheado de exemplos e até ideias de exercícios pra treinar ou se você é professor, aplicar com seus alunos. Eu cheguei a fazer alguns dos exercícios e achei bem interessantes pra quem sabe servir de inspiração pra algo no futuro. Recomendadíssimo!

pensarcomtipos_gdePensar Com Tipos Rating: ★★★★★ É uma excelente porta de entrada para o mundo da tipografia, além de um ótimo companheiro para os cursos da área. Ao longo do livro, as informações teóricas aparecem sempre acompanhadas de exemplos práticos, os quais são contextualizados na história e na teoria do design. Os ensaios trazem panoramas históricos e teóricos abrangentes, que vão das origens da tradição aos impasses dos novos meios de comunicação. Um apêndice com “dicas úteis, alertas agourentos e outras fontes” complementa o livro, incluindo um pequeno guia de preparação, edição e revisão de textos para designers. Ao fim e ao cabo, Pensar com tipos, como o próprio título sugere, não trata tipografia como um fim em si mesma, com seus vícios, fetiches e clichês autorreferenciais, mas como uma atividade “com a qual o conteúdo ganha forma, a linguagem ganha um corpo físico e as mensagens ganham um fluxo social”.

Se tem uma coisa que eu acho que tenho MUITO que melhorar é na tal da tipografia. Pode parecer simples, mas combinar e criar fontes é algo bem difícil e por conta disso sempre que tenho oportunidade faço algum curso, workshop ou leio algo sobre o assunto. Como já declarei meu amor por Ellen Lupton aqui, o livro tem aquele jeitinho gostoso que te leva a ler todos os blocos prestando atenção e te prendendo em toda a leitura te recheando de aprendizado. Achei bem interessante saber mais sobre os tipos e indico pra todo mundo que quer saber um pouco mais deste mundo.

Fora tudo isso, os dois livros possuem projetos gráficos maravilhosos e você pode ter na sua casa como lindas peças de arte.

Sinopses Cosac Naify.

100 anos de Vinícius de Moraes

Pra quem não sabe, minha mãe é professora de inglês, mas quando eu era mais nova ela também lecionava português e até cheguei a ter aula com ela na quinta série e depois, nos três anos do ensino médio. Como uma pessoa que gosta de palavras e que se dá bem com elas, tanto que chegou ate a escrever colunas pra um jornal da cidade onde nasci, minha mãe sempre teve muitos livros em casa e na escola. No meio de tantos livros, lembro que um bem pequeno e bem simples chamou minha atenção: o livro verde. Ele era pequeno, a capa era dura e ele tinha um pedaço de uma fitinha de cetim verde saindo pelas páginas. Na capa haviam uns rabiscos em dourado, que só mais tarde eu viria a entender que eram a assinatura de Vinícius de Moraes. Lembro até hoje a minha mãe falando: “você vai gostar desses aqui” e abrindo em uma página na qual eu logo me deparei com “A Casa”. Achava engraçado uma casa não ter teto e não ter nada, onde não podia nem fazer pipi. Pra mim era divertido ler aquilo, eu também já havia ouvido a música, então era tudo bem lega. Meu preferido dos poemas de criança era o “As Borboletas”

AS BORBOLETAS

Brancas
Azuis
Amarelas
E pretas
Brincam
Na luz
As belas
Borboletas

Borboletas brancas
São alegres e francas.

Borboletas azuis
Gostam de muita luz.

As amarelinhas
São tão bonitinhas!

E as pretas, então
Oh, que escuridão!

Eu cresci e comecei a escrever cartas para o namorado, então conheço o “Soneto de Fidelidade”. Tão bonito, tão apaixonante e querido por todos. Não sei se há alguém no mundo que não conheça este poema.

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa lhe dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Amanhã, dia 19 de outubro, Vinícius de Moraes faria seus 100 anos. Aqui neste blog, lembrando de como ele esteve presente em minhas leituras, presto minha homenagem.

A Fúria dos Reis – Crônicas de Gelo e Fogo

“Em A Fúria dos Reis, o segundo livro da aclamada série As crônicas de gelo e fogo, George R. R. Martins segue a épica aventura nos Sete Reinos, onde muitos perigos e disputas ainda estão por vir. Além dos combates que se estendem por todos os lados, a ameaça agora também chega pelo céu, quando um cometa vermelho como sangue cruza o céu ameaçadoramente. Uma terra onde irmão luta contra irmão e a morte caminha na noite fria, nada é o que parece ser, e inocência é uma palavra que não existe. Quando os reis estão em guerra, a terra toda treme!” Sinopse da Saraiva

A Fúria dos Reis - Crônicas de Gelo e FogoE aí vem mais um livro grande, cheio de páginas e que eu amei do fundo do meu coração. É incrível como George Martin me faz ficar maluca em cima do livro, assim como Rowling e Tolkien me fizeram ficar. Acordando mais cedo pra ler, na hora do almoço, antes de dormir, cada hora um pouquinho e assim terminei essa obra prima!

Temos um cometa vermelho sobrevoando o céu de Westeros e cada reino interpreta esta visão como lhe convém. Tyrion se mostra um personagem forte e inteligente, Dany vem com tudo com seus “filhos” e temos dois novos pontos de vista: Davos e Theon. Davos, um ex-contrabandista que agora serve ao irmão mais velho de Robert, Stannis, e Theon, o protegido de Eddard Stark, que é mandado para as Ilhas de Ferro por Rob portando uma mensagem.

Neste livro temos mais batalhas e mais magia, como feitiços, encantamentos e rituais. A família Stark realmente parece que foi atingida por uma nuvem negra, porem senti falta de participações de Rob Stark. Meus preferidos foram Tyrion, Arya e Jon. Os lobos vem com tudo mostrando como o papel deles é importante na história, tá aí uma coisa que a série precisa arrumar. Sansa continua no mundinho lindo e magnífico da cabeça dela, alguém por favor ACORDA essa menina, quem criou ela? Um duende?

Reviravoltas, muitas e muitas batalhas, sangue, traições e muitas surpresas neste segundo livro da série. Cheguei a chorar e ficar sem fôlego em alguns capítulos, agora é esperar ansiosa pela série que vem ano que vem!

COMPRE NA SARAIVA!

10 Livros em 10 Dias, ou não

Acompanho muitos blogs de blogueiras viciadas em livros, e na maioria deles elas estão fazendo o desafio/meme “10 Livros em 10 Dias”. Achei super interessante a idéia, mas 10 dias é muito tempo pra ficar falando de livros, então resolvi resumir tudo em 1 dia!

1° dia – Livro que você mais gostou;

É tão difícil escolher entre filhos e paixões, eu sou realmente fissurada em livros! Não leio eles com uma rapidez invejável como a Garota It, pois alguns eu prefiro degustar bastante, mas posso dizer que o que eu mais gostei foi “Senhora de Avalon”, um dos livros da Marion Zimmer Bradley que ganhei do namorado de Natal, que é bem rechonchudo(503 páginas) do jeitinho que eu gosto! Foi lido com muita imaginação! Adorei mesmo. Ele é dividido em 3 partes, pelo que me lembro, muitas paixões, guerras, lutas, feitiços… delícia!

2° dia – Livro que você mais odiou;

Esse é fácil!!! Acho que todos que fui obrigada a ler na escola, hahaha. Acho tão maçante os professores passarem esses livros difíceis antes mesmo de incentivar a leitura com coisas mais leves aos alunos! Bem, o pior pra mim é “Vidas Secas” de Graciliano Ramos. Desculpem-me os cults da vida, mas eu odeio história cheia de sofrimento, mortes e realidade.

3° dia – Livro mais barato que você comprou;

Acho que aqui se encaixam os volumes de “Senhor dos Anéis”, “O Hobbit” e “Silmarillion”, de J.R.R. Tolkien, por R$39,90 cinco livros, ou seja, menos de R$8,00 cada livro! Realmente uma coisa de maluco isso. Mas ainda procuro esta brochura linda e pesada(1212 páginas) que eu coloquei pra ilustrar a coleção. ADORO essa ilustração!

4° dia – Livro mais caro que você comprou;

Provavelmente um de Design, andei comprando livros para meu Trabalho de Conclusão de Curso e andei gastando bem. O último foi o “Planejamento Gráfico”, que ficou por R$62,00. O livro mais caro comprado pela minha pessoa. ala basicamente sobre planejamento de projetos gráficos, como revistas, livros, etc. Bem legal pra quem quer começar a entender isso.

5° dia – Livro que mais te fez ter a atenção nele;

Hm… esse é difícil, mas vou escolher o que eu estou lendo agora “A Batalha do Apocalipse” do Eduardo Spohr. Livro brasileiro, gordinho (560 páginas), e que está tirando meu sono, literalmente. Tem dias que fico lendo até 1h da manhã de tão tensa que fico. Muitas histórias legais que percorrem a existência do mundo praticamente, conta sobre dilúvio, torre de Babel, guerra entre anjos, feitiços, espadas, tudo que adoro! Compra apenas na Nerdstore.

6° dia – Livro que menos te fez ter a atenção nele;

Respondo essa? Difícil, já que leio todos com atenção… mas acho que os livros da série “Diário da Princesa” da Meg Cabot requerem um baixo nível de atenção em detalhes e acontecimentos. Você entende eles numa ótima. Mas como tem que escolher um, escolho “Tamanho 42 Não É Gorda”, também da Meg, que eu achei bem fraquinho, mas nem por isso ruim! Conta basicamente a vida de Heather, uma ex-cantora famosa que hoje trabalha em um alojamento pra estudantes em NY, tem um pouco de suspense, mortes, mas… fraco.

7° dia – Livro que você mais recomenda;

Acho que aqui eu colocaria toda a série da Marion, “As Brumas de Avalon” – A Senhora da Magia, A Grande Rainha, O Gamo-Rei e O Prisioneiro da Árvore – livros que eu li uma vez que me emprestaram e eu fiquei facinada! Sempre adorei as histórias sobre Rei Arthur, e essa série simplesmente é ótima, dá pra sentir o cheiro e o gosto das coisas!

8° dia – Livro que você menos recomenda;

Podemos incluir aqui os livros clássicos brasileiros. Sim sou preconceituosa com aqueles clássicos. Dom Casmurro eu li 2 vezes pra ver se ia, mas realmente não dá. Tem, algumas poucas excessões, como o “Noite na Taverna” do Álvares de Azevedo, mas… bem não indicaria “O Segredo” de Rhond Byrne. Sei que foi fenômeno e blás, mas… o filme já é uma droga, o livro me deu sono! Não passei das primeiras 10 páginas. Muita baboseira pro meu gosto.

9° dia – Livro de série você mais gosta;

Esse não vou titubear: “Harry Potter” da J.K. Rowling. Muita gente critica, odeia, mas foi nos livros da “titia” Joane que eu começei a me apaixonar por leitura. Livros deliciosos e que me levaram várias vezes a ficar acordada madrugadas e madrugadas até terminar de ler cada página, e que releio e releio sem piscar.

10° dia – Livro mais velho que você tem ou leu.

Outro fácil, “Diário de Anne Frank”, escrito pela própria Anne. A história é um diário comum de uma adolescente, só que ela é uma judia em meio a Segunda Guerra Mundial. Ela conta relatos do esconderijo onde duas famílias, incluindo a dela, dividem para sobreviver. Ela conta desde a fuga até os últimos dias em que permaneceram no abrigo. Emocionante. E a edição que minha mãe tem é tão velha que nem achei a capa pra colocar aqui. hehe.