livro

Livro: Memórias de Uma Gueixa

“Em 1929, uma japonesa órfã sai de uma vila de pesca e é enviada para a cidade, onde é preparada para se tornar uma gueixa. Ela é treinada em habilidades artísticas e sociais, passando a fazer parte de um mundo privilegiado, mas cheio de intrigas. Quando chega a Segunda Guerra Mundial, seu mundo mudará mais uma vez.”

Publicado em 1997 por Arthur Golden, o livro retrata a vida toda de Chio, que depois se torna Sayuri Nitta, desde sua casinha na vila de pescadores até sua ascensão como gueixa e as dificuldades que ela encontra quando a guerra chega ao Japão. Achei este livro apaixonante, pois retrata toda a tradição das gueixas. No prólogo é explicado que a própria Sayuri é quem vai narrar a história, e que foi ela quem a ditou toda, então por isso cada detalhe, como maquiagem, roupas, cerimôniais, tudinho mesmo é explicado. Assim consegui ter uma noção de como quimonos eram desconfortáveis, como a maquiagem toda era feita, o que o penteado de “pêssego partido” significava, como elas entretiam os homens e por aí vai.

Muita gente acha que gueixas são prostitutas, mas na verdade concordo com o ponto de vista passado pelo livro, e hoje não acho mais isso. As gueixas não saiam com homens para dormir com eles, e sim para entretê-los servindo saquê e outras bebidas, fazendo danças e tocando shamisen. Apenas dormiria com o homem que comprasse sua mizuague(eles se referem assim à virgindade de uma gueixa), e para isso havia um leilão, e depois apenas com seu danna, o homem que bancasse a gueixa, dando-lhe prendas e dinheiro à okya(casa de gueixa que ela viver). Assim compara-se a gueixa às mulheres que se casam com um homem com dinheiro para serem “bancadas”, e concordei plenamente, a gueixa apenas não tem o laço do matrimônico com seu danna.

Bem, é um livro maravilhoso e recomendo a todos! O filme também é muito bom por sinal, com algumas diferenças do livro sim, mas nada que deixe a história totalmente diferente,já que acho que este livro serve pra mostrar as tradições e não as intrigas do livro, e além disso a trilha sonora é maravilhosamente composta por John Williams.

Livro: O Incêndio de Tróia – Marion Zimmer Bradley

“O que está Páris a fazer aqui entre as mulheres numa ocasião como esta? Cassandra sabia que Heitor se comportara corretamente; no entanto, naquele momento, ela sabia, todas as mulheres de Tróia invejavam a Helena o seu marido.”

O Incêndio de Tróia é mais um livro de uma das autoras que eu mais adoro, Marion Zimmer Bradley. O livro conta basicamente a história de Tróia, com Aquiles, o super soldado com sede de sangue, Paris como filho abandonado e raptor de Helena, Helena como mulher apaixonada e todos os personagens que conhecemos de filmes, mas como a maioria dos livros de Marion Zimmer, a história é contada pelo lado da mulher, que neste caso é Cassandra, irmã gêmea de Paris (no filme o Orlando Bloom) e filha de Príamo, rei de Tróia. Ela tem o dom da visão, o que a faz prever a queda de Tróia ainda muito jovem.

História super empolgante e suas 543 páginas passam voando. Me apaixonei por Cassandra, em como ela é jovem, bonita e ainda assim mantém seus ideais, mas muitos deles são tolidos pela sociedade patriarcal.

Me apaixonei, e recomendo à quem adorou Brumas, ou qualquer livro dessa autora maravilhosa.

Filme Crepúsculo e Lua Nova

Crepúsculo, eu assisti. Ontem fui ao cinema só por conta desse filme e digo que curti. Tá eu esperava mais… sabe… aquela coisa… Bella e Edward são um casal mais que romântico, mas acho que no filme faltou um “tchan” sabe, no livro eles têm uma relação que está na ponta de uma agulha, se equilibrando, Edward a todo momento luta pra não morder Bella, e Bella a todo momento é “humana demais” e isso faltou, mas não reclamo, pois sei que é difícil adaptar uma história de livro perfeitamente, tanto que nem liguei pras mortes estranhas de policiais e tudo mais. Adorei, o namorado adorou, e eu quero logo o DVD.
Falando na série, terminei ontem o segundo livro “Lua Nova”, quando algo ocorre no aniversário de Bella, aniversário o qual ela esta detestanto. Confesso que eu gostei MUITO! Eu me desesperei, coração disparou, olhos se encheram de lágrimas, tudo isso com o passar da história. Fazia tempo que não me desesperava em um livro. Só parei de ler às 4 da manhã quando ouvi um galo cantar e me dei conta do horário. Indico os dois.

%d blogueiros gostam disto: