Semana em Série

Semana em Série: Força Feminina III

Valéria Piassa Polizzi, nascida em 1971 em São Paulo é uma escritora brasileira, autora do livro Depois Daquela Viagem, uma auto-biografia publicado em 1997, na qual relata ter contraído o vírus da Aids aos 16 anos de idade. O livro teve mais de trezentos mil exemplares vendidos no Brasil, e já foi lançado na Itália, em Portugal, na Alemanha, na Áustria, na Espanha, no México e em outros países da América Latina.

Valéria foi cronista e colunista da revista Atrevida, por oito anos, escrevendo a coluna da última página, intitulada Papo de Garota . Em 2007 se formou em Comunicação Social, jornalismo. Atualmente continua escrevendo e dando palestras. Em 2007 e 2008, passou uma temporada no México dando palestras em diversas escolas devido à adoção de seu livro Depois daquela viagem, traduzido para o espanhol com o título ¿Por qué a mí?. No México sua obra já vendeu mais de cem mil exemplares.

Assumir que tem AIDS, ainda mais em 1997, quando esta era taxada como uma doença de homossexuais, não foi fácil. Aliás, acho que até hoje não é fácil pra ninguém que contrai a doença. Por isso escolhi a Valéria. Ela teve a cara e a coragem de dizer ao mundo o que aconteceu com ela, e assim com o seu livro ela passa essa mensagem de que os jovens deve pensar muito bem antes de fazer qualquer coisa até hoje. Lí o livro dela com 13 anos, e ao mesmo tempo que ele te faz rir, te faz querer chorar.

Além do “Depois Daquela Viagem” ela também tem mais duas publicações, o “Enquanto Estamos Crescendo” e o “Papo de Garota”.

Joana d’Arc – Força Feminina


Joana d’Arc. Nascida em 1412, em um vilarejo chamado Domrémy, na França sempre foi criada para ser uma boa esposa. Seus pais eram camponeses simples e por isso era analfabeta. Quando completou 13 anos começou a ouvir as vozes de São Miguel, Santa Catarina e Santa Margarida. As vozes passaram a orientá-la sobre política, dizendo que deveria coroar o príncipe herdeiro do trono, Carlos, mais conhecido como delfim, e salvar a França dos ingleses.

Com a França em decadência, a Igreja optou por aliar-se à Inglaterra, que até então era a mais forte. Com isso, as terras da família d’Arc passaram a sofrer constantes ataques. Quando os borguinhões se apossaram de Domrémy, em 1428, Joana tinha 16 anos de idade. Com os conselhos das vozes, decidiu que iria coroar o rei. Joana convenceu o padrinho, um soldado que já havia se aposentado, a acompanhá-la até a cidade de Vaucouleurs. Lá ela persuadiria o chefe militar e senhor local, a lhe conceder um exército. No primeiro encontro ele se impressionou com a força e a coragem da jovem, mas não cedeu um exército. Esperando pela resposta, Joana ficou vagando por Vaucouleurs, e neste tempo convenceu muitos soldados a se unirem a ela.


Ao tomar conhecimento desta lealdade dos soldados, Baudricourt não teve alternativa. D’Arc partiu para o quartel-general do delfim Carlos, com os cavaleiros que havia convencido e com os soldados que lhe foram concedidos. Ao chegar ao quartel, Carlos já havia sido informado sobre a jovem camponesa, provavelmente louca, que dizia ouvir vozes sagradas. Ficando meio receoso, permaneceu dois dias recluso, discutindo com a corte se deveria ou não recebê-la. Por fim d’Arc convenceu Carlos de que estava ali com um propósito e que era digna de ser recebida por ele. Com tudo, delfim equipou e abençoou Joana em sua Marcha até Orléans. Apesar de estarem em menor número, os franceses contavam com a força, coragem e garra de Joana. A batalha durou alguns dias e os ingleses recuaram.

Em maio de 1429, a França obteve sua primeira grande vitória militar. Joana d’Arc estava pronta para sua missão. Sendo assim, em julho de 1429, Carlos recebeu a coroa do rei. Com isso, Joana havia atingido seu objetivo maior, só que sua ambição militar falou mais alto. Partiu para Paris a fim de expulsar os ingleses, em setembro de 1429, porém foi derrotada. Joana foi capturada, levada para a fortaleza de Beaulieu e, logo em seguida, para o castelo de Beaurevoir. Tentou escapar de ambas as prisões, mas não obteve êxito, Joana foi vendida pelos borguinhões por 10 mil libras aos ingleses. Em 1430, foi levada a julgamento no tribunal inglês. Todas as acusações eram de ordem religiosa: bruxa, herege, idólatra, entre outras. Martírio que durou seis meses, sua sentença foi ser queimada viva.

Cumpriu-se então a sentença, Joana foi queimada viva em uma fogueira aos 19 anos de idade. Republicanos e nacionalistas exaltaram aquela que deu sua vida pela pátria.

Foi canonizada em 1920 pelo Papa Bento XV – era a Santa Joana d’Arc. Em 1922 foi declarada padroeira de França.

Rainha Elizabeth I – Força Feminina

Como todos sabem hoje é dia da mulher. PARABÉNS MULHERES! E pra comemorar a data teremos uma semana em série especial só com mulheres que fizeram a diferença.

Pra começar bem, escolhi a Rainha Elizabeth I, conhecida como “Rainha Virgem”, por nunca ter se casado ou deixado herdeiros. No reinado dela a Inglaterra se tornou a maior potência da Europa, e por isso este período é conhecido como “Era de Ouro” inglesa. Foi o mais próspero governo da dinastia Thudor.

Beth, para os íntimos, hehe, nasceu dia 7 de setembro de 1533 em Greenwich, filha de Ana Bolena e Henrique VIII, ficou conhecida como “Isabel, A Rainha Virgem” , apesar de seu famoso caso com o conde Robert Dudley. Como não tinha herdeiros, Elizabeth teve de reconhecer como herdeiro do trono Jaime VI da Escócia, filho de Mary Stuart, sua prima e rival a rainha deposta da escócia, a quem Elizabeth havia mandado decapitar 16 anos antes.

Governando um país dividido por questões religiosas a rainha soube valorizar o conteúdo calvinista da Igreja Anglicana para manter os nobres sob seu poder e obter o apoio da burguesia, predominantemente calvinista.

O reinado de Elizabeth unificou a Inglaterra ao dominar a nobreza e afastar a Igreja do governo. Ao derrotar a Invencível Armada Espanhola, em 1588, Elizabeth abriu de vez o caminho para a Inglaterra se tornar a maior potência colonizadora do Novo Mundo.

Sob o reinado de Elizabeth I floresceram também as artes e a cultura. Foi nessa época que surgiram escritores como Sir William Shakespeare, Christopher Marlowe e Ben Johnson.

“Um tolo acautela-se tarde demais, quando todo o perigo é passado.”
(Rainha Elizabeth I, da Inglaterra )

O filme A Outra, conta a história da mãe de Elizabeth, Ana Bolena, e é super interessante, além de conter figurinos maravilhosos. Já “Elizabeth, a Era de Ouro” mostra a vitória sobre a Armada Espanhola. Filmes ótimos e muito bons de se assistir.

Fonte: Info Escola

Download de Filmes

Ok. Já sei. Você não gosta muito de esperar filmes sairem do cinema. Ou pior, sua cidade não tem cinema. Ou então você só quer economizar na locadora? Se você se enquadra em alguma dessas acima, ou em todas, como eu, vamos às dicas de como baixar um filme. Pelo menos, dicas de como eu faço pra baixar essas coisas.

Primeiro tenha noção de que quando você vai baixar filmes tem que ter persistência. Às vezes as legendas podem não enxcaixar, o filme pode vir com falha, mas isso acontece nas melhores famílias. É só baixar a legenda de novo, ou achar um novo link pro filme, começar de novo e ser feliz.

Quando se baixa um filme ele pode vir em apenas um arquivo, que contem o filme e a legenda já embutida, ou então em dois, um com o filme e outro que é a legenda. Muitas vezes se baixa os dois separadamente, e é assim que eu faço:

COMEÇE PELAS LEGENDAS

Sempre que vou baixar um filme começo pelo site que uso pra baixar legendas, o Legendas.tv.

Cadastre-se normalmente, como um fórum qualquer, faça login e procure o nome do filme que  você quer, vou usar como exemplo “500 Dias Com Ela”, digito na busca e aparece o resultado(às vezes o nome em iglês do filme tem mais arquivos, tente sempre):

Clique no resultado, e vai abrir uma janela pop-up, onde você pode fazer o download da legenda. Mas o truque de ligar a legenda com o filme está aqui. Muitas vezes nessa janela vem o link para download do filme, como podem ver abaixo:

Se isso ocorrer fica mais fácil, pois é só você baixar o arquivo no link indicado, mas se não… você recorre ao Isohunt ou ao Mininova. Entre neles e jogue o nome da legenda inteiro na barra de busca, o arquivo que tiver o nome idêntico ao da legenda será o que eles se encaixarão perfeitamente. A maioria dos filmes vem em arquivos Torrent, que você baixa um pequeno arquivo de dados para seu pc, e ele se utiliza de um programa, no caso o uTorrent, que baixar esse arquivo.

Pro filme funcionar é só colocar em uma Nova Pasta o filme e a legenda dentro, os dois com o mesmo nome, assim o Vobsub encaixa os dois e você pode ver ao filme tranquilo.

Outra maneira

Se você achou muito difícil procure fansubs de filmes, como existe o Manicomio-Share, o ruim é que a maioria deles só se pode entrar por meio de convite, custei muito pra conseguir o meu, já que se precisa juntar pontos para isso. Mas o lado bom é que todos os filmes, documentários etc já vem com as legendas e o trabalho é quase nulo, é só baixar o torrent e ser feliz.

%d blogueiros gostam disto: