drama

Assistir: 10 filmes do Robin Williams

Uma vez, quando mais nova, me perguntaram qual ator/atriz me faria ficar triste quando morresse. Nunca fui muito de idolatrar pessoas a níveis extremos, mas depois de pensar bastante respondi que seria Robin Williams. Semana passada veio a notícia de que acharam o ator que eu adorava morto e eu fiquei chateada. Ele já fez muita piadinha de mal gosto com nosso país, mas o cara tinha talento e conseguia fazer todo mundo rir muito ou chorar demais, mesmo com algumas bombas na carreira ele sempre conseguia se destacar. Fica aqui então minha singela homenagem.

5 FILMES PARA RIR

Uma Babá Quase Perfeita – É estranho como choro até nas comédias de Robin Williams, mas este é especial. Eu ria demais com a Sra. Doubtfire e em como aquela máscara me dava agonia ao mesmo tempo que fazia rir. Faz algum tempo que revi o filme na TV e matei a saudade. Só comecei a chorar vendo esta deliciosa comédia quando meus pais se separaram, não sei explicar, sei que mexe com alguma coisa.

Jumanji – Apesar de ser uma comédia infantil, lembro do nervoso que passamos assistindo o filme. Eu já era a maluca do desenho animado, achava o máximo um jogo fazer tudo acontecer, mas o filme foi bem legal mesmo! Até hoje acho ele divertidíssimo.

Flubber – Este filme me lembra meu irmão. A gente riu demais assistindo a geleca verde pulando de um lado pro outro, divertidíssimo! E só hoje, depois de sei lá quanto tempo, descobri que é produção da Disney.

Candidato Aloprado – Nesta época de eleições, nada como rever este filme super engraçado sobre este candidato que ganha sem querer um cargo político. Me rendeu altas risadas na Sessão da Tarde.

Hook – A Volta do Capitão Gancho – Meu predileto! Quem nunca quis parar de crescer e ir pra Terra do Nunca? É tão legal ver que Peter cresceu e se tornou Robin Williams! Considerado um dos grandes fracassos do cinema, não sei porque, este filme sempre esteve no meu coração. Peter carrancudo se transformando em Peter Pan de novo para salvar os filhos, garotos perdidos, Sininho e comida colorida vinda da imaginação de cada um, achava aquilo simplesmente demais.

5 FILMES PARA CHORAR

Gênio Indomável – Faz muito pouco tempo que assisti ao filme que deu Oscar para Williams. Posso dizer que é uma lição pra muita coisa, que chorei e que Matt Damon está ótimo. Além disso, não consigo acreditar que o roteiro foi escrito por ele e Ben Affleck, desculpa.

Sociedade dos Poetas Mortos – Esse eu me lembro pouco, mas sei que vi em uma aula de português na escola. Acho que os professores tem que pensar que não estamos com cabeça pra esse tipo de filme quando somos muito novos, porque hoje eu entendo como as mensagens dele eram importantes. Oh Captain, my captain!

Patch Adams – O Amor É Contagioso – Chorei, chorei e chorei. Se tem um filme que tem o dom de te fazer rir e chorar é este. Até hoje sonho em mergulhar em uma banheira de espaguete, deve ser libertador.

O Som do Coração – Este é um filme um pouco mais novo, mas não deixa de fazer chorar. Apesar do papel de Williams não ter tanto destaque, não deixa de ser importante para causar a reviravolta no filme. Lindo filme, trilha, tudo.

Homem Bicentenário – Além de muito choro, muita reflexão sobre a vida, sobre as coisas e sobre o tempo. “Isto fica feliz em ser útil” está em meu conjunto de frases de filme que mais uso pra me comunicar e sempre vai estar por dizer coisa demais em uma frase tão curta. Lenços do lado pra assistir, não esqueça.

E vocês? Foram marcados por algum desses filmes ou tiveram outros? Deixem aí nos comentários =D

Filme: Walt nos Bastidores de Mary Poppins (2014)

“Durante 20 anos, Walt Disney (Tom Hanks) tentou adquirir os direitos de Mary Poppins da escritora australiana P.L. Travers (Emma Thompson), que sempre se recusou a vendê-los para que Disney fizesse “um de seus desenhos bobos”. Entretanto, a crise financeira faz com que ela tenha que negociar. Desta forma, Travers viaja até os Estados Unidos e passa a trabalhar juntamente com a equipe escolhida por Walt Disney para que Mary Poppins possa chegar às telas. Minuciosa e com muita má vontade, ela começa a encontrar problemas de todo o tipo. Como o contrato lhe dá o direito de cancelar a cessão dos direitos caso não concorde com a adaptação, Disney e sua equipe precisam aceitar seus caprichos para que o filme, enfim, saia do papel.”

Já vamos começar dizendo que esta tradução do título é ridícula. O original “Saving Mr. Banks” (Salvando Sr. Banks) diz muito mais sobre a história do filme do que o que foi utilizado no Brasil, mas isso não significa que o filme seja ruim, muito pelo contrário. Temos aqui um drama sobre a vida da Srta. Travers, uma mulher sempre mal humorada e que há 20 anos recebe propostas de Walt Disney para que um filme seja feito sobre seu livro. Achei bem bacana o esquema de flashbacks do filme, que tentam fazer você entender o porque de toda essa angústia e rancor que ela sente. Com uma fotografia agradável e com Tom Hanks assustadoramente bem parecido com Walt o filme me agradou bastante e me fez chorar. Se você pensou que poderia ser uma comédia por ter Disney no meio, veja com carinho.

 

 

Sinopse do Adoro Cinema.

Filme: Clube de Compras Dallas (2013)

Club de Compras Dallas[rating:5/5] “Em 1986, o eletricista texano Ron Woodroof (Matthew McConaughey) é diagnosticado com AIDS e logo começa uma batalha contra a indústria farmacêutica. Procurando tratamentos alternativos, ele passa a contrabandear drogas ilegais do México…”

Quando fui assistir este filme não sabia muito bem sobre o que se tratava, apenas conhecia o fato de que McConaughey e Leto haviam recebido estatuetas por suas atuações. Foi realmente chocante ver os dois em magrezas tão excessivas e é até inacreditável saber que eles ficaram daquele jeito para as gravações. Ainda quero acreditar que foi efeito especial.

Tirando o fato de toda esta mudança física, a história é bem interessante. Logo no começo do filme você percebe que Ron é um cowboy machista ao extremo, tanto que é comparado a um touro bravo no começo do filme. Um dia ele sofre um acidente e em seu exame de sangue descobrem que ele tem AIDS. Nos anos 80 ter esta doença não era assim tão simples, associavam o HIV ao homossexualismo, então imaginem a situação de um machão com isso? É bem interessante ver que o personagem corre atrás de informação e que com o passar do tempo ele vai mudando, principalmente depois de passar a conviver com Rayon, uma travesti interpretada por Jared Leto. Só saquei que era ele depois de algumas aparições e de lembrar de cenas do Oscar. Simplesmente ótimo e divah.

Um drama que eu achei leve, com discussões válidas até hoje e que faz pensar na vida. Uma boa idéia pra sábado à noite.

 

Sinopse do Adoro Cinema.

Assistir: Clube dos Cinco (1985)

Clube dos Cinco [rating:3/5] “Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos.”

Esse é antigo e não sei como não me lembro de ter visto na Sessão da Tarde quando era mais nova. Ainda bem que existe Netflix no mundo e feriados pra gente poder se divertir e colocar as coisas em dia. O filme mostra uma história bem legal de pessoas diferentes, mas que não são tão diferentes assim no final das contas. Apesar de parecer um pouco paradinho se comparado com filmes mais atuais, ele é bem divertido e consegue te fazer pensar. Pena que hoje em dia não passe mais na TV, acho que muita gente ainda pode aprender com a história. Então fica a dica pra quem estiver com vontade de ver algo diferente.