Leituras: O Mundo Codificado – Vilém Flusser

O Mundo Codificado

Sinopse

A obra de Vilém Flusser (1920-1991) desvenda a tentativa milenar da humanidade de superar suas limitações físicas por meio da tecnologia. Nesse processo, o autor demonstra que os designers, embora tenham um papel central, caminham sobre um chão conceitual muito frágil. As teorias apresentadas destroem lugares comuns e verdades superficiais, além de lançarem luz sobre problemas que sequer começamos a enfrentar. Flusser, filósofo nascido em Praga, na atual República Tcheca, passou cerca de 30 anos de sua vida no Brasil, onde engajou-se no debate filosófico, contribuindo com escritos para a Revista Brasileira de Filosofia e para os jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo. Os textos reunidos em O mundo codificado trazem a marca da melhor produção do autor- são curtos, rápidos, claros, precisos, incisivos, mas, como afirma Rafael Cardoso, organizador da edição, que ninguém se engane com a aparência amena dessa água, cuja superfície transparente esconde a profundidade vivente de um oceano!. Essencial à formação de qualquer designer, o livro é referência obrigatória para se entender melhor a encruzilhada entre a materialidade temporal e a imaterialidade eternizada à qual nossa cultura parece estar chegando. Por Livraria Cultura.

O que achei

Desde a faculdade eu namorava este livrinho. Todo mundo falava que era leitura obrigatória, mas nunca conseguia botar minhas mãos nele até a promoção da Cosac Naify, o real bota-fora que fizeram, e finalmente consegui! Ele foi todo organizado pelo historiador de arte Rafael Cardoso em três partes: Coisas, Códigos e
Construções.

Visual requintado à parte, o livro é de leitura bem densa, portanto sabia que pra mim seria uma coisa bem difícil – sempre me acho meio burra pra este tipo de livro – porém achei várias passagens que me intrigaram, principalmente se pensarmos que Flusser morreu em 1991. Em alguns pontos ele fala sobre a evolução da tecnologia e como as pessoas irão utilizá-la, exemplo:

“Vamos então buscar outro modelo que a revele mais claramente: o papel de um espectador de TV num futuro próximo. Ele terá à sua disposição um videocassete com fitas de vários programas. Estará apto a mesclá-los e a compor, assim, seu próprio programa. Mas poderá fazer ainda mais: filmar seu programa e outros na sequência, inclusive filmar a si mesmo, registrar isso numa fita e depois passar o resultado na tela de sua TV. Ele se verá, portanto, em seu programa. Isso significa que o programa terá o começo, o meio e o fim que o consumidor quiser (…), e significa também que ele poderá desempenhar o papel que quiser.”

O que seria isso se não o nosso YouTube? Fazemos nossas próprias programações e se nada nos satisfazer ainda podemos criar nosso próprio conteúdo.

Em todo o livro Flussem fala sobre como as informações são utilizadas, recebidas e entendidas, por isso um livro tão importante para estudantes de design e comunicação. Apesar de escrito há mais de 20 anos atrás, o livro trás vários questionamentos que são incrivelmente atuais.

“Vamos recapitular nosso argumento na tentativa de dizer como poderá ser a nova civilização. Temos duas alternativas. A primeira possibilidade é a de o pensamento imagético não ser bem-sucedido
ao incorporar o pensamento conceitual. Isso conduzirá a uma despolitização generalizada, a uma desativação e alienação da espécie humana, à vitória da sociedade de consumo e ao totalitarismo da mídia de massa. Parecerá muito com a atual cultura de massa, até mais, inclusive, e a cultura da elite desaparecerá para sempre. E esse é o fim da história em qualquer sentido significativo que esse termo possa ter. A segunda possibilidade é a de o pensamento imagético ser bem-sucedido ao incorporar o conceitual. Isso levará a novos tipos de comunicação, nos quais o homem assumirá conscientemente a posição formalística. A ciência não será mais meramente discursiva e conceitual, mas recorrerá a modelos imagéticos. A arte não trabalhará mais com coisas materiais (“oeuvres”), ela proporá modelos. Os políticos não lutarão mais pela observância de valores, eles irão elaborar hierarquias manipuláveis de modelos de comportamento. E isso significa, em resumo, que um novo senso de realidade se pronunciara, dentro do clima existencial de uma nova religiosidade.”

Eu não vou dizer aqui que entendi o livro inteiro, acho que ele merece ser relido futuramente, principalmente em um momento de mais paciência. Eu realmente não me dou bem com livros de filosofia e derivados, mas acho que valeu muito a minha tentativa, e apesar de ter literalmente viajado em várias passagens e relido muitas vezes, eu gostei, mesmo me sentindo bem lerda no final. Mas paciência, um dia irei melhorar.

Sula Moon – Artistas Inspiradores

Ursula Dorada, a Sula Moon

Eu e Sula Moon

Ano passado eu tive a oportunidade de ouro de conhecer esta mulher MARAVILHOSA que é conhecida na internet por Sula Moon. Ela é carioca, mas atualmente vive em São Paulo onde trabalha para agências de publicidade e jogos. De cara dá pra sacar que ela é super fã de Sailor Moon, né?

As palestras que ela deu junto com a Prips aqui foram super legais e pudemos babar bastante nas artes dela. Ela também contou como foi a trajetória que ela teve que percorrer para chegar no nível que está hoje.

Quer conferir o trabalho dela também? Desce a barrinha aí e babe comigo.

Veja mais trabalhos da Sula Moon
Site | Art Station | Instagram

Cuidados com o Planeta

Cuidados com o Planeta, como causar menos impacto no meio ambiente.

Cuidados com o planeta - ilustração de um planeta terra.
Eu sou dessas pessoas que na medida do possível se preocupa com o mundo que vive. Ecologia era sim uma matéria que eu gostava na faculdade, mas a gente raramente olha pra dentro da nossa casa e altera alguma coisa. Deixa sempre “prá lá” e quando vemos, estamos igual a todas as outras pessoas do mundo.

Acontece que eu conheci a Alex, uma moça maravilhosa que é namorada do meu irmão. Ficamos um tempo na casa dela e lá ela me ensinou com ações, como que a gente fazer nossa parte é tão importante e se cada um realmente colocasse em prática, o mundo seria melhor. Por isso resolvi vir aqui no meu espacinho virtual e contar pra vocês algumas mudanças que adotei na minha vida ou que ainda pretendo adotar, para fazer minha parte pro mundo ser melhor.

Dentro de Casa

Cozinha

Quando falamos em impacto ambiental só o fato de existirmos já gera algum. Se considerarmos o modelo de vida que levamos tudo fica bem complexo, mas algumas mudanças já podem ajudar a deixar tudo menos pior.Ilustração de um detergente com uma bucha de lavar louça em um porta detergentes

Por exemplo, usar uma buchinha natural na cozinha ou cortar as existentes ao meio . As buchas famosas, amarelinhas, não são recicláveis por conta dos materiais utilizados para fabricá-las e pela quantidade de bactéria que elas carregam.

Aqui em casa eu estou esperando para trocar pelas biodegradáveis, mas enquanto isso corto as que tenho em casa ao meio. Além de economizar – já que dura o dobro – você utiliza menos material. Garanto que não muda nada na utilização e quando preciso usar na casa de alguém acho até estranho.

Ilustração de uma maçã, uma pera, uma banana e uma melancia.Evitar e diminuir ao máximo o desperdício de comida.

Planejando bem as refeições durante a semana e prestando atenção no consumo conseguimos praticamente acabar com todo o desperdício aqui de casa. É raríssimo jogar alguma comida fora porque estragou. Sempre aproveito frutas, vegetais e o que mais encontrar na geladeira para não jogar fora. Vale também buscar receitas que aproveitem partes que você costuma jogar fora das comidas, como caules e sementes.

Além disso uma das minhas vontades é diminuir o consumo de carne e/ou quem sabe um dia parar de consumir. Não pelos animais – na verdade menos – mas sim pelo fato da maneira como é toda a indústria da carne no mundo. Meu problema aqui é a anemia que me acompanha e as broncas que levei dos médicos, mas um dia a gente consegue.

Quartos e Sala

Ilustração de uma pilha de três camisetas.Consumo consciente como um todo, ou seja, roupas e coisas do tipo. As roupas são coisas que um dia irão para o lixo, pois deixarão de ser úteis, assim como maquiagens, sapatos, acessórios, tudo que usamos um dia vira lixo. Pense no ciclo de vida de tudo.

Descarte tudo no seu devido lugar!Eu levo as maquiagens estragadas – quando estragam – nas lojas da Quem Disse Berenice aqui do shopping e os frascos de perfume vão para O Boticário, pois dizem que fazem a logística reversa e reaproveitam o que pode ser reaproveitado. Lâmpadas, pilhas, eletrônicos – já levei até máquina de lavar quebrada – devem ser enviadas para um local correto. Aqui na minha cidade, São José dos Campos, a prefeitura disponibiliza lugares que recebem este tipo de lixo. Lá eles também recebem entulho, restos de obra e até mato e galhos que você pode ter tirado depois de limpar seu quintal.

A cidade conta também com sistema de coleta seletiva, então orgânicos e recicláveis sempre estão separadinhos!

Na Rua

ilustração de uma sacola retornável de pano com um desenho do símbolo de reciclável no meio - três setas em círculoQuando vamos ao supermercado não trazemos nenhuma sacolinha pra casa, usamos as retornáveis já tem mais de ano. “Ah, mas e o lixo?” Querendo ou não sempre temos sacolinhas por aqui, de farmácias ou lojas que vamos de vez em quando, incrível como nunca falta. Para os lixos orgânicos e recicláveis eu compro sacos de lixo maiores, eles cabem muito mais volume e com isso consumimos menos plástico. Infelizmente ainda não dá pra virar zero plástico, mas tentamos reduzir a quantidade.

Além das sacolinhas para carregar as coisas, já deixamos de usar as sacolinhas para colocar as frutas, verduras e legumes. Quando são pouca quantidade elas vem soltas mesmo, porque né? Aquele mísero saquinho não protege nada. E quando em maior quantidade, rola levar uma sacolinha de tecido só pra isso. Claro que isso funciona somente para supermercados que tem a balança no caixa, mas já é alguma coisa.

Não jogar lixo na rua, nem entulho. E aqui vale colocar também de não jogar lixo quando se faz passeios em praias, trilhas, piqueniques e coisas do tipo. A natureza agradece.

Levar um copinho retrátil sempre com você. Eu estou atrás de um desses agora, pois me lembro de sempre ver isso nos Parques de São Lourenço, mas nunca mais vi. Com isso você evita de usar copos plásticos onde quer que você vá. É super simples, prático e fácil de carregar!

E você? O que faz pra tentar ser mais gentil com o nosso planetinha? Conta aí que eu quero saber e aprender, quem sabe não faço por aqui também!

Download: Wallpaper de Agosto – Unicórnio

Papel de parede de unicórnio

Mockup de papel do parede em um iMac. Um unicórnio sem muitos detalhes em caneta preta, sem cor, do lado direito. Atrás dele existem árvores da Floresta Proibida em sombra, tons de roxo e azul.

Potter Week Prompt

Na sexta-feira fiquei sabendo de um “desafio” #PotterWeekPrompt – em português algo como Semana Rápida Potter – para ilustradores no Instagram feito pela Taryn Knight, uma ilustradora que sigo há algum tempo já por lá, e me toquei que dia 31 é aniversário do personagem assim como da escritora J.K Rowling. por isso me empolguei e comecei a fazer todos os desenhos, mesmo os atrasados, pra que dia 31 eu terminasse junto com todo mundo.

O Unicórnio

Resolvi fazer um unicórnio na Floresta Proibida para o tema do dia 5, Fauna & Flora, assim já colocava meio que todo o conceito juntos. Além do mais, unicórnios são amor, né? Por isso escolhi este desenho para deixar disponível para download pra vocês, é só clicar com o botão direito e dar “Salvar como…”.

Pra ver todos os outros desenhos do desafio e acompanhar mais desenhos meus, me segue no Instagram!

O papel de parede de unicórnio em maior tamanho para visualização.

Para baixar é só clicar nos links abaixo,
de acordo com a resolução desejada:

1920 x 1080 | 1600 x 1200 | Celular

Imagem com os termos do Creative Commons