romance

X-Men: Primeira Classe + Amor e Outras Drogas + Rango

X-Men: Primeira Classe [rating:5/5]“O filme conta a história do épico início da saga dos X-Men e sua relação com importantes eventos globais. Antes dos mutantes se revelarem ao mundo, e antes de Charles Xavier e Erik Lensherr assumirem os nomes de Professor X e Magneto, havia dois jovens descobrindo seus poderes. Nada de arqui-inimigos: naquela época, eles eram amigos íntimos e trabalhavam juntos com outros mutantes (algo familiar, algo novo) para impedir uma Terceira Guerra entre as superpotências mundiais. Porém, nem todos tinham o mesmo ponto de vista e suas diferentes escolhas darão origem a dois grupos distintos, a Irmandade de Magneto e os X-Men do Professor X.”

OMG! O que foi esse filme? Mesmo com alguns efeitos visuais galhofa em algumas pequenas partes este filme foi muito bom. Trilha, fotografia, os atores. Que Magneto, hein? Sorrisão lindo! E a participação especial do Hugh Jackman? Foi muito legal ver os mutantes em treinamento, inclusive Magneto e você entende porque Xavier e Erik são os melhores mutantes, realmente os que tem o poder. Muita coisa se explica, a cadeira do Xavier, o capacete do Magneto… mas queria saber a opinião de alguém que acompanha os quadrinhos pra saber se é aquilo mesmo. Foi demais ver os mutantes mais legais começando a ativa, o filme já começa “pegando pra capar” e não perde o ritmo, sempre com cenas de ação. E não tem cena depois dos créditos hein pessoal!

Amor e Outras Drogas [rating:3/5]“Maggie (Anne Hathaway) é um mulher que valoriza sua liberdade e acredita que nada ou ninguém será capaz de segurá-la. Até o dia em que conhece Jamie (Jackie Gyllenhaal), cujo jeitão sedutor costuma ser infálivel com as mulheres, que caem nas garras do experiente executivo de vendas da área farmacêutica. O romance acaba pegando os dois de surpresa e os coloca em contato com uma droga pura, forte e que não está à venda: o amor.”

Eu achei diferente das comédias românticas que têm por aí. Na verdade é até um pouco dramática demais, mas eu amo Jackie Gyllenhaal, por causa da beleza hehe, e amo Anne Hathaway desde “O Diário da Princesa”. Foi estranho demais ver ela toda doida (e pelada), mas achei a história legalzinha. Filme bom pra fritar neurônios e comer pipoca em dia de frio.

Rango [rating:5/5]“Na trama, Rango é um camaleão de camiseta havaiana que se perde e vai parar em uma cidade deserta que está precisando de um novo xerife. Um acidente faz com ele fique perdido no mundo, e sua atitude falsamente brava é confundida com coragem genuína pelos animais selvagens e em busca de um herói.”

Que desenho doido! Bem diferente do que costumamos assistir. Muitas piadinhas pra gente grande, coloridíssimo e ao mesmo tempo super poeirento. Trama divertida, as corujas são fofas e eu ri muito delas. Ri muito com a Feijão travando, com o Rango atuando e a trilha é uma delícia! Achei bem diferentão! Sem contar Johnny Depp na dublagem!

Sinopses: Cinema com Rapadura

Bernardo e Bianca (1977)

Aproveitando o feriado, o longa metragem da semana é o 23º clássico Disney, “Bernardo e Bianca”.

O filme conta as aventuras de 2 ratinhos que ficam incubidos da missão de resgatar uma garotinha órfã que desapareceu. O filme, pouca gente sabe, é baseado em contos infantis da escritora britânica Margey Sharp. A mudança de linguagem sempre é uma tarefa desafiadora, mas nessa animação conseguem realizar um trabalho de muito bonito. Desde o início, nos créditos de abertura, onde muitos filmes antigos, os letreiros apareciam por completo antes antes mesmo da sequência narrativa ter início, vemos diversos backgrounds, lindamente, coloridos a mão, mostrado uma garrafa com bilhete viajando pelas águas com o pedido de socorro da pequena Penny.

Debaixo do prédio das Nações Unidas, enquando representantes dos países do mundo inteiro se encontram, diversos ratinhos desses mesmos países também se reunem. Dentre eles a jovem embaixadora da Hungria, Miss Bianca. A reunião tem início contando sobre a bilhete de socorro que encontraram, e ela resolve resgatar a garotinha. Como há algumas zombarias pelo fato dela ser uma garota, ninguém dá muita atenção a proposta. Ela bate o pé e resolve ir assim mesmo, e leva como ajudante o faxineiro superticioso Bernardo.

A aventura ira se desenvolver por muitos lugares para descobrirem pistas do paradeiro da garota. O filme me chama bastante atenção em detalhes como, por exemplo, para o atrapalhado albatroz Asdrúbal que seria o “avião” para esses pequeninos, o local para tranporte dos passageiros é uma lata de sardinha. Realmente tiro o chapéu para a galera que consegue realizar essas adequações de contextos. Além dele possuir personagens que, futuramente, vieram a inspirar outros das produções Disney, como Madame Medusa sendo referência para a Úrsula – de “A Pequena Sereia”), e a Penny para a Jenny – “Oliver e sua Turma”.

A produção acabou levando 4 anos para ser finalizada, com uma equipe de 250 pessoas – das quais 40 eram animadores. Houveram diversos percalços ao decorrer do desenvolvimento da película, até sua estréia. Apesar do sucesso que fez, os lucros serviram pra compensar as produções que foram mal sucedidas, como o filme “O Buraco Negro” (1979) e a outra animação “O Caldeirão Mágico” (1985). Muitos anos mais tarde, lançaram uma continuação que ainda não tive a oportunidade de assistir, “Bernardo e Bianca Na Cangurulândia”, quando isso acontecer deixo o comentário para o pessoal. O DVD não possuim muitos extras referente a produção, mas ainda assim é um material interessante.


“Bernardo e Bianca” é um filme muito divertido, que fala bastante sobre heroísmo e amizade verdadeira e com certeza emocionara a família toda. =D
Particularmente, é um dos filmes que marcou bastante minha infância porque assisti no colégio num evento especial que teve para o Dia dos Pais, lá nos idos da 2ª série. Hehe!

Espero que se divirtam. Bom resto de feriado e boa Páscoa para todos.

COMPRE!
DVD Bernardo e Bianca

Bruna Surfistinha + Sexo Sem Compromisso

Bruna Surfistinha [rating:2/5]“Raquel (Secco) é uma menina da classe média paulistana que estuda em um colégio tradicional e um dia toma uma decisão surpreendente: vai ser garota de programa. Raquel se torna Bruna Surfistinha que ganha destaque nacional ao contar suas aventuras sexuais e afetivas em seu blog.”

Sim, eu assisti. Depois das aulas de cinema com a querida professora Olga eu passei a respeitar o cinema brasileiro atual e resolvi me arriscar nesse filme. Já havia lido “O Doce Veneno do Escorpião”, livro da própria Bruna e que confesso não achei grandes coisas, mas o filme não foi dos piores. Claro que houveram muitas cenas de sexo, afinal é a vida de uma garota de programa, né? Mas tirando isso, dá pra ver o drama da Raquel, a pessoa por trás da Bruna, esse personagem criado por ela. Uma pessoa com baixa auto estima, que se sente péssima por dentro e busca atenção de alguma maneira. Foi isso que entendi do filme. Muito mais do que cenas proibidas para menores, é uma menina-mulher tentando ser aceita por ela mesma.

Sexo Sem Compromisso [rating:3/5]“Adam (Ashton Kutcher) ainda sente o fato de ter sido chutado por Vanessa (Ophelia Lovibond), sua namorada por oito meses. Para piorar a situação, descobre que ela é a nova namorada de seu pai, Alvin (Kevin Kline), um astro da TV. Desejando esquecê-la e seguir em frente, ele fica bêbado e, em seguida, liga para todas as mulheres que tem no celular, no intuito de encontrar companhia. Quem responde o apelo é Emma (Natalie Portman), uma jovem médica com quem encontrou algumas vezes, anos atrás. Adam vai à casa dela e eles acabam transando. Como Emma não deseja ter um relacionamento sério, já que teme sofrer, propõe a Adam que se encontrem tendo o sexo como único objetivo. Ele topa mas, com o tempo, novos sentimentos florescem entre eles.”

Que estranho foi ver a monstra da Natalie Portman fazendo uma comédia. Sério, foi estranho mesmo não me deparar lembrando dela em “Cisne Negro”. E sabe de uma coisa? Eu gostei! É incrível como ela se destaca até mesmo na comédia e como ela fez até Ashton Kutcher ser menos exagerado e palhaço. Uma delicinha de filme pra assistir em dias chuvosos debaixo do cobertor. E eu adorei a cena que ela está bêbada na casa do personagem do Ashton Kutcher e dá um chilique aparecendo atrás do sofá, sério a cena está na memória ainda.

Sinopses do Cinema Com Rapadura

Rio (2011)

E na sexta-feira passada estreou “Rio”, a nova animação de Carlos Saldanha produzida lá nos Estados Unidos pelos estúdios Blue Sky. Os mesmo da trilogia “A Era do Gelo”.  Ao longo dessa semana já tivemos muitos comentários daqueles que gostaram, e daquela que… gostaram um pouco menos, hehe.


O longa metragem tem como protagonista o personagem Blu, o último macho da espécie de araras azuis. Ele é capturado na sua infância e levado para o Canadá, onde é criado pela humana Linda e vive numa mordomia melhor do que muita gente por aí. Tudo isso muda até a chega de Túlio (personagem dublado por Rodrigo Santoro), o qual viajou para levar o Blu devolta para o Brasil e acasalar com a última fêmea da espécie. Rola aquela discução básica de que é um absurdo, mas sabemos que ele acaba voltando. Ao chegar no centro de estudo das aves, no Rio de Janeiro, Blu conhece Jade (dublada originalmente pela Anne “Mulher-Gata” Hathaway *-*) e descobre que ela quer fugir. Contudo, antes disso acontecer, os dois são sequestrados por contrabandistas de aves silvestres e está armada a confusão.


Ao decorrer da narrativa, eles conhecem outros pássaros característicos do nosso país, e todos com sua ginga brasileira, dentre eles o tucano Rafael, o canário Nico (um dos meus personagens favorito, hehe. E foi recebeu a voz do Jamie Foxx), seu parceiro o cardeal Pedro e o vilão Nigel, uma cacatua. Os recursos gerados pelos equipamentos da Blue Sky não deixam nada a desejar e apresentam um filme de qualidade visual sensacional, cores estontêantes e vivas além de uma trilha sonora espetacular – com participação de Carlos Mendes, Will I.Am (hã?), Bebel Gilberto e outros – essa que em ambas versões, em inglês e em português, ficaram muito boas.

A animação é divertida e os pais podem levar os filhos sem preocupação nenhuma. O roteiro simples com apresentação de personagem, conflito, superação e fim mostra um desenrolar simples sem muitas reviravoltas, nada muito audacioso, talvez para terem controle da situação. No entanto, durante entrevistas na época de divulgação do filme, Carlos Saldanha disse que pretendia realizar um filme falando do Brasil, feito por um brasileiro, tratando-se do ritmo contagiante, as paisagens turistícas que fazem você realmente querer ir pra Cidade Maravilhosa, ele acertou em cheio. Não tem nada de errado em mostrar o Pão-de-Açúcar, Cristo Redentor, as praias e o desfile das escolas de samba na Sapucaí, afinal, estamos falando do Rio. Mas não é o que sempre mostram? O diretor acabou optando pela via mais fácil para representar o nosso país, apresentando algo que não inova do arroz com feijão que os estrangeiros já conhecem. As próprias reportagens nacionais ainda dão destaque para os atores estadounidenses que emprestam as vozes aos personagens animados, e no Brasil se limitam a dizer que a FOX solicitou uma equipe de dubladores profissionais. De qualquer forma, vemos, ou melhor, ouvimos Mauro Ramos (nosso já conhecido Pumba, em “O Rei Leão”; Sully, “Monstros S.A”) na voz de Pedro, Alexandre Moreno (Gato de Botas em “Shrek 2”; Síndrome, o vilão de “Os Incríveis”) interpretando Nico  e na versão brasileira a voz da Jade é de Adriana Torres (Estrela Negra, em “Jovens Titãs”; Heather, em “A Ilha dos Desafios”), dentre outros que podem ver a listagem clicando aqui http://www.adorocinema.com/filmes/rio/ficha-tecnica-e-premios/ . Uma pena porque são profissionais que dedicaram seu trabalho as nossas lembranças e damos, muitas vezes, mais atenção a alguém de fora.


Rio é uma produção muito legal, porém não foge muito da produção da Disney, “Alô Amigos” (1942), onde a equipe de animadores veio para o Brasil – também – e criaram o Zé Carioca, o papagaio malandro, alegre e que adorava pinga. Retrataram o povo da Bahia, como Saldanha retrata os cariocas, agora. Com certeza será mais um dvd na minha coleção, Carlos tem seus méritos pelos resultados de seus trabalhos, isso é inquestionável, tanto que o filme atingiu uma das melhores bilheterias de estréia no gênero. Mas, enfim, ele não foi muito além do que um diretor yankee teria ido se tivesse passado o feriado de Carnaval por aqui.


Então é isso, bom final de semana para todos. o/

%d blogueiros gostam disto: